Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Prognóstico indica que período chuvoso pode ficar acima da média no Ceará - Jornal Brasil em Folhas
Prognóstico indica que período chuvoso pode ficar acima da média no Ceará


O Ceará tem 40% de probabilidade de receber chuvas acima da média histórica nos três primeiros meses da quadra chuvosa deste ano (fevereiro, março e abril), informou hoje (22) a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). O prognóstico é otimista na comparação com as chuvas dos últimos seis anos, que formaram o mais severo período de seca enfrentado pelo estado. As outras probabilidades são de 35% de chuvas dentro da média e de 25% abaixo da média.

O primeiro prognóstico deste ano para a chamada quadra chuvosa, que envolve quatro meses (fevereiro a maio) em que são esperados os maiores volumes de chuva do ano, foi construído com a participação de especialistas de todo o Brasil, que estudaram os fenômenos que ocorrem nos oceanos Atlântico e Pacífico.

O presidente da Funceme, Eduardo Sávio, disse que o Pacífico Equatorial apresenta atualmente La Niña (águas frias) de fraca intensidade. Esse fenômeno favorece a chuva no estado e, apesar de fraca, apresenta-se melhor do que no ano passado. O Atlântico também está favorável ao posicionamento da Zona de Convergência Intertropical, o principal sistema meteorológico da quadra chuvosa.

“Nas últimas três semanas, observamos um aquecimento do Atlântico Sul Equatorial. Isso é muito importante para nós, porque a Zona de Convergência procura as zonas mais quentes dos oceanos, trazendo umidade para o continente”, explicou.

Embora otimista de forma geral, o prognóstico divide o território do estado em duas partes. Enquanto a parte norte, que inclui Fortaleza e região metropolitana, deve receber chuvas intensas, a região sul, onde ficam algumas das principais bacias hidrográficas, pode não receber precipitações suficientes para a recarga dos reservatórios.

Esse cenário preocupa os órgãos de recursos hídricos, que tem o desafio atual de gerenciar os 6,8% de capacidade total dos reservatórios do estado – a menor reserva hídrica do Nordeste, segundo monitoramento da Agência Nacional de Águas (ANA).

“Até que a gente consiga enxergar uma inflexão nesse processo, com, por exemplo, uma possível recarga de grandes açudes como Orós e Castanhão, temos que prosseguir com a tarifa de contingência, com o acompanhamento do uso da água nas residências, com a construção de poços, adutoras emergenciais e outras ações. O controle tem que continuar”, disse o secretário dos Recursos Hídricos, Francisco Teixeira. O Castanhão, maior açude de usos múltiplos do Brasil, acumula somente 2,37% de sua capacidade.

O governador do Ceará, Camilo Santana, ressaltou que a recarga dos 155 açudes depende do resultado da quadra chuvosa e da finalização do eixo norte da transposição do Rio São Francisco, cuja obra foi retomada no fim do ano passado após uma licitação escolher nova empresa para assumir o projeto.

Santana também justificou o por quê de o estado não ter adotado a estratégia de racionamento. Segundo o governador, embora houvesse a previsão de economia de 21 milhões de metros cúbicos (m³) por ano, os potenciais prejuízos, como redução da pressão da água e o acúmulo de água em recipientes que poderiam gerar novos focos do mosquto Aedes aegypti, (transmissor da dengue e da febre amarela urbana) não compensariam o esforço. Por outro lado, o governador calcula que as ações de redução da oferta de água representaram uma economia de quase 300 milhões de m³ anuais para a região metropolitana de Fortaleza.

O governador ratificou que as ações atuais de segurança hídrica devem continuar e que novos projetos, como o de reúso de água de esgoto para o Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP) e o de dessalinização de água do mar, serão implementadas este ano. “Há uma perspectiva positiva para a quadra invernosa deste ano, mas, mesmo assim, vamos intensificar nossas ações para garantir o abastecimento de água para a população.”

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212