Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Papa tenta amenizar polêmica em seu retorno da América Latina - Jornal Brasil em Folhas
Papa tenta amenizar polêmica em seu retorno da América Latina


O papa Francisco retornava nesta segunda-feira (22) da América Latina, após uma das viagens mais duras de seu pontificado, na qual foi obrigado a pedir desculpas por ter exigido provas às vítimas de abusos sexuais que acusam um bispo chileno.

O fervor dos peruanos presentes em massa para saudá-lo, em um país na qual a religiosidade popular ainda é vibrante, contrastou com uma acolhida mais fria no Chile, onde os escândalos de abusos sexuais cometidos por sacerdotes católicos mancham a imagem da Igreja, em uma sociedade cada vez mais distante da instituição.

Esta foi uma viagem, como se diz em espanhol, pasteurizada, como o leite, passando do frio ao calor e do calor ao frio, resumiu no avião.

Nesta segunda, o papa pediu desculpas às vítimas de abusos sexuais, após o escândalo provocado no Chile por seu apoio a um polêmico bispo, já que não há provas contra ele.

O dia em que me derem uma prova contra o bispo Barros falarei com vocês. Não há uma prova contra ele. É tudo calúnia. Está claro?, disse na quinta-feira passada a jornalistas chilenos.

Em um país no qual o Catolicismo perde terreno, Francisco chocou ao defender o monsenhor Juan Barros, suspeito de ter acobertado os atos de um padre pedófilo afastado do sacerdócio pelo Vaticano.

Algo essencial é o que as vítimas de abusos sentem. E devo pedir desculpas, porque a palavra prova feriu muitas vítimas. Mas eu tenho que procurar a evidência. E peço desculpas. É uma ferida (feita) sem querer, reconheceu de volta ao Vaticano.

No Chile, Francisco ganhou pontos ao expressar sua vergonha e ao receber duas vítimas de abusos, com as quais rezou e chorou, segundo o Vaticano.

O caso de Barros foi analisado, reanalisado e não há provas. Foi o que eu quis dizer. Não tenho provas para condená-lo. E se eu o condenasse sem provas, ou sem certeza moral, cometeria um crime de mau juiz, disse o papa, que acredita na inocência do bispo.

No sábado, o cardeal Sean Patrick OMalley, que lidera uma comissão contra a pedofilia no Vaticano, destacou a sinceridade de Francisco, e afirmou que advoga pela tolerância zero à pedofilia na Igreja.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE