Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Puigdemont é oficializado candidato à presidência da Catalunha - Jornal Brasil em Folhas
Puigdemont é oficializado candidato à presidência da Catalunha


O líder separatista Carles Puigdemont foi proposto nesta segunda-feira (22) como candidato à reeleição da Presidência da Catalunha e, da Dinamarca, mostrou-se disposto a formar um governo, apesar do repúdio e do autoritarismo de Madri e do processo que corre contra ele na Espanha por sedição e rebelião.

Proporei à Câmara o deputado Carles Puigdemont i Casamajó como candidato à presidência da Generalitat (governo catalão), anunciou em Barcelona o presidente do Parlamento catalão, Roger Torrent, após se reunir na semana anterior com diferentes partidos.

Sou consciente da situação pessoal e judicial do senhor Puigdemont (...), mas sou consciente também de sua absoluta legitimidade para ser candidato, acrescentou Torrent, que não marcou data para o debate, que deve ser realizado até 31 de janeiro.

Puigdemont corre o risco de ser detido se voltar à Espanha para sua posse e por isso quer ser escolhido à distância pelo Parlamento, onde os separatistas conquistaram a maioria absoluta nas eleições de 21 de dezembro.

As eleições foram convocadas pelo governo central de Mariano Rajoy, após intervir na região de 7,5 milhões de habitantes e que representa quase 20% do PIB espanhol, horas depois da frustrada declaração de independência de 27 de outubro.

Depois de meses de relativa calma, após a tensão de outubro, a nomeação de Puigdemont ameaça reavivar o conflito com o Executivo espanhol, que tenta evitar sua indicação.

Não nos parece que seja o melhor início de legislatura propor um foragido da Justiça, disse em Bruxelas o ministro espanhol das Relações Exteriores, Alfonso Dastis.

Puigdemont mantém sua promessa eleitoral de restituir seu governo legítimo, destituído por Madri após intervir na região.

Não vamos capitular perante o autoritarismo, apesar das ameaças de Madri. Em breve formaremos um novo governo, advertiu em um debate sobre o conflito catalão, realizado na Universidade de Copenhague, capital da Dinamarca.

Este pequeno, mas rico país escandinavo, que os separatistas catalães costumam dar como exemplo de como seria sua república, foi o destino escolhido por Puigdemont para sua primeira viagem pública ao exterior desde que se instalou na Bélgica, no fim de outubro.

A Procuradoria quis aproveitar este deslocamento para reativar uma ordem europeia de prisão, retirada em dezembro, mas o juiz do Supremo Tribunal, encarregado do caso contra ele e os líderes separatistas, recusou a petição.

O magistrado Pablo Llarena alegou que Puigdemont buscava a provocação de uma detenção no exterior para poder ser empossado à distância, alegando que sua ausência não responde à sua livre decisão como foragido da Justiça, mas é consequência de uma situação que lhe foi imposta.

- Reunião com Rajoy -

Esta ação judicial pôs em apuros os separatistas. Embora tenham conquistado a maioria absoluta do Parlamento regional nas últimas eleições, três de seus deputados estão presos preventivamente em Madri e outros cinco estão na Bélgica.

O presidente do Parlamento regional pediu para se reunir com Mariano Rajoy para buscar uma solução para a situação anômala que o Parlamento vive, em que oito de seus deputados veem desrespeitados seus direitos políticos, disse Torrent.

Ele e os outros seis membros do órgão diretor do Parlamento, três deles também separatistas, deverão decidir se aceitam uma posse não presencial, embora os serviços jurídicos da Câmara o considerem antirregulamentar.

A possibilidade de afrontar esta posse é uma questão política, reforçou Torrent, anunciando também que quer se reunir com Puigdemont e os outros sete deputados imputados.

O ex-presidente regional dispõe a princípio do apoio de seu partido, o Juntos pela Catalunha (centro-direita) e o de outro grande partido separatista, Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), que somam no total 66 deputados de um total de 135.

O governo espanhol advertiu repetidamente que recorrerá de sua posse no Tribunal Constitucional para que invalide sua votação e nomeação.

Não é admissível que uma pessoa que vive fora da Espanha possa presidir a Generalitat (Executivo catalão), que seja empossado sem se apresentar ao Parlamento, advertiu Rajoy.

Se fosse assim, o artigo 155 da Constituição, graças à qual o governo central controla a autonomia regional desde outubro, continuará sendo aplicado, assegurou.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212