Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 UE retira Panamá e outros 7 países da lista de paraísos fiscais - Jornal Brasil em Folhas
UE retira Panamá e outros 7 países da lista de paraísos fiscais


A União Europeia aprovou nesta terça-feira a retirada de oito países da lista negra de paraísos fiscais.

A União Europeia aprovou nesta terça-feira a retirada de oito países, entre eles o Panamá, da lista negra de paraísos fiscais, depois que essas nações se comprometeram com o bloco a frear a evasão fiscal, uma decisão apressada, segundo ONGs que pedem transparência.

Oito países foram eliminados da lista de jurisdições não cooperantes da UE em efeitos fiscais, após compromissos contraídos no alto nível político, apontou o Conselho da UE.

Os países retirados pelos 28 ministros das Finanças do bloco, além do Panamá, são Coreia do Sul, Tunísia, Emirados Árabes Unidos, Mongólia, Macau e Granada e Barbados.

No início de dezembro, os chefes das Finanças do bloco incluíram 17 países em sua lista negra, mas decidiram retirar os países citados por terem apresentado compromissos que foram validados por especialistas da UE.

Os oito países continuarão, no entanto, sob um rígido monitoramento dos integrantes, conhecido como lista cinza.

A pressão europeia levou aos primeiros resultados, tuitou o ministro francês Bruno Le Maire, enquanto seu equivalente búlgaro, Vladislav Goranov, apontou o trabalho árduo dessas jurisdições para se comprometer a reformar suas políticas fiscais.

Os caribenhos Santa Lucia, Trinidad e Tobago, assim como Bahrein, Guam, as ilhas Marshall, Palau, Samoa, Samoa Americana e Namíbia, continuarão na lista negra, uma ferramenta dos europeus para evitar que países terceiros ajudem na evasão fiscal.

- A lista cinza -

A adoção da lista faz parte das respostas aos escândalos que emergiram nos últimos anos como os Panama Papers, um vazamento de documentos do escritório de advocacia Mossack Fonseca, revelando a criação de sociedades opacas para supostamente evadir impostos em todo mundo.

Bruxelas iniciou em 2016 um exame para determinar essas listas, com base em uma série de critérios: falta de transparência, existência de regimes fiscais preferenciais e respeito aos critérios da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE) contra a otimização fiscal.

Das 92 jurisdições analisadas pela UE, 47 foram incluídas no mês de dezembro na lista cinza, após se comprometerem a cooperar em alguns dos problemas assinalados pela UE, como Uruguai e Peru, cujos compromissos são verificados de perto pelos europeus.

Desde que foi incluído na lista, o Panamá iniciou uma ofensiva diplomática na UE para sair da relação, que considera injusta. Nesta terça-feira, o governo panamenho comemorou a retirada de seu nome.

Depois de um grande trabalho da equipe técnica e diplomática, em tempo recorde o Panamá sai da lista de países não cooperantes em matéria fiscal, escreveu o presidente do país, Juan Carlos Varela, no Twitter.

Nosso compromisso é garantir os mais altos padrões em matéria de transparência financeira, acrescentou.

- Transparência -

Uma dezena de países inscritos na lista europeia, que não afeta os 28 países-membros, apresentou desde dezembro compromissos adicionais à UE, indicou em Paris o comissário de Assuntos Financeiros, Pierre Moscovici.

De acordo com Aurore Chardonnet, assessora da organização Oxfam para a política fiscal da UE, essa decisão é uma tendência preocupante um mês após a adoção da lista.

A UE está se apressando para tirar os países da lista negra sem que esteja claro o que realmente se comprometeram a melhorar, afirmou Chardonnet, para quem isso socava ainda mais o processo.

A vice-presidente da comissão parlamentar de investigação sobre os Panamá Papers, Eva Joly, pediu a publicação dos compromissos, porque a transparência total seria a única forma de restaurar a confiança.

As duas criticaram, ainda, que o bloco leve em conta apenas países terceiros, já que existem jurisdições europeias como Irlanda, Luxemburgo, Holanda, ou Malta, que nem cumprem os critérios estabelecidos pela UE, de acordo com Joly.

Para Chardonnet, os paraísos fiscais continuam no coração da UE. As capitais deveriam abordar os paraísos de dentro do bloco com a mesma urgência com a qual pressionam outros países para que adotem reformas fiscais, acrescentou.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212