Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Déficit de 2017 deverá ficar até R$ 40 bilhões abaixo da meta, diz Meirelles - Jornal Brasil em Folhas
Déficit de 2017 deverá ficar até R$ 40 bilhões abaixo da meta, diz Meirelles


O déficit primário – rombo nas contas do governo excluindo os juros da dívida pública – em 2017 deverá ficar de R$ 20 bilhões a R$ 40 bilhões abaixo da meta de R$ 159 bilhões, disse hoje (23) o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Ele concedeu entrevista coletiva em Davos (Suíça), após o primeiro dia de participação no Fórum Econômico Mundial.

No próximo dia 30, o Tesouro Nacional divulgará o resultado das contas do governo de 2017. De acordo com a Instituição Fiscal Independente, órgão vinculado ao Senado, o Governo Central – Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central – teria um resultado negativo no ano passado de R$ 126 bilhões.

Para este ano, Meirelles, que mais cedo anunciou que a economia brasileira poderá crescer mais de 3%, disse que a equipe econômica também estima cumprir a meta de déficit primário, que também corresponde a R$ 159 bilhões. Segundo ele, a recuperação da arrecadação permitirá o cumprimento da meta fiscal.

“Nossa previsão também é cumprir a meta fiscal [de 2018], principalmente levando em conta o aumento da arrecadação. Existe uma série histórica que mostra que, quando cai o PIB [Produto Interno Bruto], a arrecadação cai mais, quando sobe, a arrecadação sobe mais. Com uma defasagem”, disse o ministro, em áudio divulgado pelo Ministério da Fazenda.

Caixa

Em relação ao novo estatuto da Caixa Econômica Federal, aprovado na última sexta-feira (19) em assembleia geral do banco, Meirelles declarou que o novo sistema de administração cumpre com a Lei das Estatais, que restringe as indicações políticas para os cargos de direção e de vice-presidência da instituição financeira.

De acordo com o ministro, o novo estatuto não “demoniza a política”. “Agora vamos seguir o estatuto, usar os critérios estatutários para escolha de diretores. Há reações negativas, tem gente que não gosta, acha que não. Um disse que teve até demonização da politica. Eu acho que não. O que existe são critérios técnicos”, comentou Meirelles.

Hoje, o Conselho de Administração da Caixa, presidido pela secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, se reuniu para discutir o afastamento de quatro vice-presidentes do banco, por recomendação do Banco Central e do Ministério Público Federal.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212