Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Rio é primeiro estado a ter plano e conselho de promoção da liberdade religiosa - Jornal Brasil em Folhas
Rio é primeiro estado a ter plano e conselho de promoção da liberdade religiosa


Com um diálogo inter-religioso aos pés da estátua do Cristo Redentor, no Morro do Corcovado, no Rio de Janeiro, foram apresentados hoje (23) o Plano Estadual de Promoção da Liberdade Religiosa e o Conselho Estadual de Defesa da Promoção da Liberdade Religiosa, o primeiro do tipo no país. O evento marcou também o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, comemorado no domingo (21).

Segundo a Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos (SEDMHI), o plano vai estabelecer políticas públicas para a promoção da liberdade religiosa em todo o estado. O secretário Átila Nunes disse que as ações serão permanentes e programáticas, com recomendações para a aplicação do princípio da laicidade do Estado e a garantia da liberdade de crença e culto em espaços públicos e privados.

Segundo ele, o foco será a conscientização dos servidores públicos para assegurar a aplicação desses princípios livres de preconceitos e discriminações. “Não basta apenas tolerar a crença dos outros, é necessário respeitar o livre exercício da fé”, defendeu no evento. O secretário destacou que a subnotificação também será combatida.

“Hoje, ao término do ano, você não consegue nem quantificar exatamente qual é o tamanho do problema desse tipo de preconceito. E a partir daí você enfraquece qualquer tipo de construção de política pública. E quando nós conseguimos tirar a verdadeira fotografia, em termos de crimes de ódio e de preconceito em nosso estado, certamente nós vamos, primeiro, entender a gravidade desse tipo de problema e, em segundo, nós vamos desenvolver, cada vez mais, políticas preparadas e adaptadas para combater esse tipo de intolerância”, disse o secretário.

O representante do candomblé, Márcio de Jagum, lembrou que estudos mostram que a religião de origem africana é mais atacada no país. Para ele, o plano “dá um alento”, no sentido de que o estado e as autoridades “estão interessadas em minimizar o problema”.

“Desde que o Brasil é Brasil existe intolerância religiosa, existe preconceito sócio-étnico-racial. Mas, nesse momento, as autoridades do estado do Rio de Janeiro dão um passo pioneiro, no sentido de que é a primeira unidade federativa que lança um plano dessa proporção, que abrange eixos como a educação, a saúde, a segurança pública, a cultura, tanto para conscientizar os operadores do direito, os agentes públicos, como também para delimitar as áreas e a abrangência da laicidade do estado, que é um grande patrimônio da nossa constituição”.

O sacerdote bruxo da religião wicca Og Sperle, um segmento pagão, disse que o plano é importante para mostrar que “não há diferença entre as religiões”. “Dentro da nossa religião tem uma frase que diz aquilo que nos une é muito maior e mais importante do que o que nos separa. E é por isso que todos estamos aqui, pelo que nos une. Então o que a gente quer e a gente roga é que haja respeito e união”.

Representantes do Ministério Público Federal (MPF) e do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPE-RJ) também participaram do evento. Segundo a assessora de Direitos Humanos e Minorias do MPE, Eliane Pereira, disse que o Ministério Público tem acompanhado as medidas que precederam o lançamento do plano e do conselho e cumpre o papel de fomentador de boas políticas públicas.

“Tendo em vista a gente constatar que se trata de uma política pública acertada, não só em relação às liberdades religiosas, mas também a questão do estado laico, cabe ao Ministério Público apoiar, participar das reuniões, não integrando os conselhos, mas fomentando de todas as maneiras medidas que tornem esse plano e esse conselho o mais produtivos possível”.

O reitor do Santuário do Cristo Redentor, padre Omar, elogiou a iniciativa e disse que o local da cerimônia simboliza a integração e alinhamento de valores para o trabalho, já que a estátua, que representa a cidade, e o sol, que estava muito forte durante a cerimônia, são símbolos de todos.

“Na dúvida, diante do diferente, de um pensamento diferente, a gente abre os braços, como o Cristo Redentor, e certamente a gente vai estar cumprindo a nossa missão do amor, que é o que deve fundamentar toda a prática religiosa”.

Também participaram do lançamento do Plano Estadual de Promoção da Liberdade Religiosa representantes das religiões evangélica, igreja anglicana, movimento interreligioso, hare krishna, judaísmo e muçulmana, além da primeira dana do estado, Maria Lúcia Horta Jardim.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212