Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Grupo de Lima condena decisão do governo venezuelano de antecipar eleições - Jornal Brasil em Folhas
Grupo de Lima condena decisão do governo venezuelano de antecipar eleições


O Brasil e mais 13 países do continente americano condenaram a decisão do governo venezuelano de realizar até o próximo dia 30 de abril as eleições presidenciais venezuelanas, inicialmente previstas para o final do ano. A antecipação favoreceria o atual governo de Maduro, por reduzir o tempo da oposição para se organizar e fazer campanha.

Em declaração conjunta, emitida nesta terça-feira (23), os países do chamado Grupo de Lima exigem que o processo de sucessão do presidente Nicolas Maduro seja convocado “com uma adequada antecipação”, de forma a permitir participação “de todos os atores políticos venezuelanos” e também de “observadores internacionais independentes”.

O documento foi divulgado após uma reunião na capital do Chile, Santiago, para discutir justamente a crise na Venezuela. Participaram do encontro, os chanceleres e representantes de Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia. O Grupo de Lima foi criado em agosto do ano passado após reunião para pressionar em favor da democracia na Venezuela, logo depois de o país instalar a Assembleia Nacional Constituinte.

Na terça-feira (23), Maduro disse que está pronto para disputar a reeleição – apesar de não ter conseguido resolver a grave crise do país, que enfrenta desabastecimento e hiperinflação. “Se dependesse de mim, as eleições seriam no próximo domingo”, afirmou.

A antecipação das eleições, decidida pela Assembleia Nacional Constituinte (que é 100% governista), favorece o governo. A oposição, que em 2017 organizou meses de protestos contra Maduro, está dividida entre aqueles decididos a boicotar qualquer iniciativa do governo, por considerá-lo uma ditadura, e os que ainda buscavam uma saída negociada para a crise.

A data das eleições presidenciais era um dos temas dessa última rodada de negociações entre o governo e a oposição, que estava sendo realizada em Santo Domingo, capital da República Dominicana. Ao tomar conhecimento de que a votação tinha sido marcada, apesar da falta de acordo entre as partes, o México anunciou sua saída da mesa de diálogo, da qual participava como mediador.

“O anúncio de hoje em Caracas é lamentável porque acaba com a seriedade do processo de negociação na (República) Dominicana”, escreveu o chanceler mexicano Luis Videgaray Caso, na sua conta do Twitter. “A data da eleição era uma das coisas mais importantes que estavam sendo negociadas e não havíamos chegado a um acordo a respeito”.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212