Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Grupo de Lima condena decisão do governo venezuelano de antecipar eleições - Jornal Brasil em Folhas
Grupo de Lima condena decisão do governo venezuelano de antecipar eleições


O Brasil e mais 13 países do continente americano condenaram a decisão do governo venezuelano de realizar até o próximo dia 30 de abril as eleições presidenciais venezuelanas, inicialmente previstas para o final do ano. A antecipação favoreceria o atual governo de Maduro, por reduzir o tempo da oposição para se organizar e fazer campanha.

Em declaração conjunta, emitida nesta terça-feira (23), os países do chamado Grupo de Lima exigem que o processo de sucessão do presidente Nicolas Maduro seja convocado “com uma adequada antecipação”, de forma a permitir participação “de todos os atores políticos venezuelanos” e também de “observadores internacionais independentes”.

O documento foi divulgado após uma reunião na capital do Chile, Santiago, para discutir justamente a crise na Venezuela. Participaram do encontro, os chanceleres e representantes de Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia. O Grupo de Lima foi criado em agosto do ano passado após reunião para pressionar em favor da democracia na Venezuela, logo depois de o país instalar a Assembleia Nacional Constituinte.

Na terça-feira (23), Maduro disse que está pronto para disputar a reeleição – apesar de não ter conseguido resolver a grave crise do país, que enfrenta desabastecimento e hiperinflação. “Se dependesse de mim, as eleições seriam no próximo domingo”, afirmou.

A antecipação das eleições, decidida pela Assembleia Nacional Constituinte (que é 100% governista), favorece o governo. A oposição, que em 2017 organizou meses de protestos contra Maduro, está dividida entre aqueles decididos a boicotar qualquer iniciativa do governo, por considerá-lo uma ditadura, e os que ainda buscavam uma saída negociada para a crise.

A data das eleições presidenciais era um dos temas dessa última rodada de negociações entre o governo e a oposição, que estava sendo realizada em Santo Domingo, capital da República Dominicana. Ao tomar conhecimento de que a votação tinha sido marcada, apesar da falta de acordo entre as partes, o México anunciou sua saída da mesa de diálogo, da qual participava como mediador.

“O anúncio de hoje em Caracas é lamentável porque acaba com a seriedade do processo de negociação na (República) Dominicana”, escreveu o chanceler mexicano Luis Videgaray Caso, na sua conta do Twitter. “A data da eleição era uma das coisas mais importantes que estavam sendo negociadas e não havíamos chegado a um acordo a respeito”.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212