Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Maduro se declara às ordens para reeleição em eleições adiantadas - Jornal Brasil em Folhas
Maduro se declara às ordens para reeleição em eleições adiantadas


O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, chega ao Congresso com sua esposa, Cilia Flores (D), a líder da Assembleia Constituinte, Delcy Rodríguez (2E), e o membro da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello, em Caracas, em 15 de janeiro de 2018

A Assembleia Nacional Constituinte, que governa a Venezuela com poder absoluto, convocou nesta terça-feira (23) para antes de 30 de abril as eleições presidenciais, para as quais o presidente Nicolás Maduro se declarou às ordens.

Se o governante do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) achar que devo ser o candidato presidencial dos setores revolucionários (...), estou às ordens, disse Maduro à imprensa em Caracas.

Durante a sessão na qual a Constituinte concordou em antecipar a votação, prevista inicialmente para o fim do ano, Diosdado Cabello - membro da assembleia e poderoso dirigente do PSUV - adiantou que o mandatário seria o candidato.

Não vamos ter problema, teremos um único candidato para continuar com a revolução, afirmou Cabello, enquanto o plenário gritava Nicolás! Nicolás!.

Antes de 30 abril deverá haver eleições na Venezuela, anunciou Cabello, ao ler o decreto que propôs e foi aprovado de forma unânime.

As eleições estavam previstas para o fim do ano, mas analistas e opositores advertiam que o governo as adiantaria para aproveitar a crise de credibilidade e divisões sofridas pela aliança opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Para o governo faz todo sentido adiantar a eleição, primeiro porque enfrenta um ano muito complicado economicamente e segundo porque está tentando pegar a oposição em um momento de muita desarticulação, declarou o analista Benigno Alarcón.

Maduro, ex-motorista de ônibus de 55 anos, que assumiu o poder em abril de 2013 - um mês depois da morte do líder Hugo Chávez -, enfrenta uma impopularidade de cerca de 70% devido à forte crise econômica que abate o país petroleiro com escassez de alimentos e remédios, além da hiperinflação.

Os chanceleres dos países-membros do grupo de Lima se opuseram em Santiago o anúncio da Assembleia Constituinte da Venezuela de adiantar as eleições presidenciais.

Esta decisão impossibilita a realização de eleições democráticas, transparentes e confiáveis, informou um comunicado lido pelo chanceler chileno, Heraldo Muñoz, após uma reunião dos ministros das Relações Exteriores dos países-membros.

- Contra sanções, eleições -

Nós vamos vencer unidos, acrescentou Cabello, que assegurou que será o Poder Eleitoral - acusado pela oposição de servir ao governo - que fixará a data exata das eleições.

O legislador apresentou a proposta de adiantamento do processo eleitoral como resposta às sanções impostas contra a Venezuela e vários de seus funcionários por parte dos Estados Unidos e da União Europeia.

Se o mundo quer aplicar sanções, nós aplicaremos eleições (...) Poderes imperiais e poderes fáticos desataram uma campanha sistemática e de ódio contra a Venezuela, acrescentou o dirigente chavista.

Na segunda-feira, a União Europeia aprovou sanções contra sete funcionários venezuelanos de alto escalão, entre eles Cabello, o que o governo venezuelano qualificou de um golpe ao diálogo que manteve desde 1º de dezembro com a MUD na República Dominicana.

Ao justificar sua proposta, Cabello também argumentou que a oposição se retirou do diálogo com desculpas fúteis, se referindo à ausência da MUD na quarta rodada que estava prevista para quinta-feira passada, pela falta de chanceleres facilitares.

Um deles, o chanceler mexicano, Luis Videgaray, escreveu nesta terça-feira no Twitter que a decisão da Constituinte atenta gravemente contra as negociações.

Mas Maduro classificou como um passo correto e acertado.

- Oposição enfraquecida -

Maduro disse nesta terça-feira que deverá retomar as negociações entre governo e oposição nos dias 28 e 29 de janeiro.

Se está falando de convocar a continuidade do diálogo para a assinatura de um acordo de paz para 28 e 29 de janeiro. Se for assim, a delegação venezuelana liderada por Jorge Rodríguez -ministro da Comunicação- será a primeira a chegar, disse o presidente durante um encontro em Caracas.

Maduro afirmou que seu governo está pronto para assinar um eventual acordo.

Apesar da impopularidade de Maduro, a oposição, enfraquecida após as violentas manifestações que liderou contra o presidente entre abril e julho de 2017 (com um balanço de 125 mortos), não está bem para participar das eleições.

Hoje, amanhã, ontem, a única grande verdade é que este governo e sua cúpula aborrecem a imensa maioria dos venezuelanos! Se for liberado o direito que o nosso povo tem para decidir, vão embora! (...) Unidade para recuperar a democracia!, escreveu o ex-candidato à Presidência Henrique Capriles em sua conta no Twitter.

A Constituinte, considerada ilegítima pela MUD e desconhecida por parte da comunidade internacional, ordenou a essa coalizão e aos principais partidos que a integram se reinscreverem no CNE por terem ficado de fora das eleições de prefeitos de 10 de dezembro.

Os partidos Primeiro Justiça, de Capriles; Vontade Popular, do líder Leopoldo López; e Ação Democrática, do veterano ex-chefe parlamentar Henry Ramos Allup, denunciaram irregularidades nas eleições de governadores de 15 de outubro e, por isso, não participaram das municipais. Nas duas votações o chavismo teve um ótimo resultado.

Para se reinscreverem, devem levar ao CNE as assinaturas de pessoas que representem 0,5% dos inscritos no Registro Eleitoral em ao menos 12 estados, segundo a lei. Cerca de 19 milhões de pessoas estão registradas para votar em todo o país.

Mas a MUD não conta com um líder que entusiasme seus partidários. Seus principais dirigentes, Capriles e López (em prisão domiciliar) estão inabilitados politicamente.

Após o adiantamento das eleições, Ramos Allup assegurou que a oposição está em capacidade de eleger nas primárias um candidato em quatro ou cinco semanas.

 

Últimas Notícias

Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
Temporal no RS deixa mais de 360 mil residências sem luz
Livro aborda mentiras contadas por presidentes do Brasil em 100 anos
Setor da cachaça lança manifesto contra carga tributária
Polícia busca PM sequestrado por criminosos na zona oeste do Rio
Bolsonaro passa bem e tem dreno retirado do abdome
PM encontra carro de policial sequestrado no Rio
Festival de Brasília termina hoje com entrega de premiações

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212