Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Petros revê política de investimentos para aumentar liquidez - Jornal Brasil em Folhas
Petros revê política de investimentos para aumentar liquidez


Para elevar o grau de liquidez, obter maior agilidade e reduzir eventuais riscos de mercado, a Fundação Petros – fundo de previdência dos funcionários da Petrobras – anunciou hoje (24) uma revisão em sua política de investimentos para os próximos cinco anos.

A estratégia é promover, neste período, uma gestão mais ativa, viabilizada por maior flexibilidade na carteira de investimentos, mais alinhada à cultura de asset management (gestão de recursos) implantada desde a chegada da atual diretoria executiva na gestão dos fundos, informou, por meio de nota.

Aprovada em dezembro pelo conselho deliberativo da empresa, a nova política se baseia em cenário de mercado de considerável volatilidade ao longo dos próximos dois anos.

No comunicado, o diretor de Investimento da Petros, Daniel Lima, disse que a Petrobras vem buscando um bom grau de liquidez desde 2017, “seja para aproveitar janelas de oportunidades de compra de ativos a preços descontados, seja para ter agilidade na redução de risco das carteiras”. Segundo ele, as políticas atuais reforçam esse compromisso.

As novas diretrizes das políticas de investimentos da Petros objetivam uma gestão cada vez mais ativa da carteira de renda fixa e a troca de parte da renda variável de liquidez restrita por posições mais líquidas. Segundo o comunicado, o mercado de crédito, tanto primário quanto secundário, está no radar da Petros, primando pela disciplina na seleção dos papéis e visando obter prêmios de risco adequados”.

O diretor ressaltou que o processo de análise e tomada de decisão hoje está efetivamente estruturado, explorando critérios objetivos/quantitativos e também qualitativos a respeito dos emissores. Para cada realocação de ativos, é fundamental que determinemos o impacto gerado no perfil de risco/retorno da carteira dos planos. Na parte qualitativa, aspectos ambientais, sociais e de governança corportariva passam a ser integrados às análises de riscos”, afirmou.

As novas políticas a serem adotadas pelo gestores do fundo de pensão dos funcionários da Petrobras prevêem a possibilidade de investimentos no exterior, porém limitando a alocação máxima a 1% no Plano Petros do Sistema Petrobras (PPSP), de benefício definido, e a 2% no Plano Petros-2 (PP-2), de contribuição variável. “No caso específico do PP-2, por se tratar de um plano jovem, há a possibilidade de aumento de investimentos com lastro em imóveis”, informa.

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212