Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Sindicatos alemães batalham por salários mais altos - Jornal Brasil em Folhas
Sindicatos alemães batalham por salários mais altos


Depois da indústria, a batalha dos sindicatos alemães para conquistar aumentos salariais continua, com os funcionários públicos e o setor de serviços insatisfeitos com sua remuneração.

O poderoso sindicato IG Metall inicia, nesta quarta-feira, sua última sessão com a patronal em Boblingen (sudoeste), para obter 6% de aumento salarial e a possibilidade de passar a jornada semanal de 35 para 28 horas.

Estamos dispostos a tudo se as negociações fracassarem, alertou recentemente Jörg Hofmann, líder do principal sindicato europeu, que não convocou uma greve nacional ilimitada desde 2003.

Mas a demanda de aumento salarial não implica apenas os 3,9 milhões de funcionários da metalurgia, que inclui setores automotivo, indústria elétrica e eletrônica, ou seja, os maiores destaques das exportações alemãs.

- Paralisação? -

No sábado, a Federação Alemã de Funcionários Públicos (DBB) exigiu um aumento salarial claro e real, além da passagem da jornada semanal de 41 a 39 horas no setor público, segundo disse seu presidente Ulrich Silberbach à revista Wirtschaftswoche.

Se não houver acordo antes de 17 de abril, a paralisação ameaça as creches, os transportes públicos e o recolhimento de lixo.

No setor de serviços, o sindicato Verdi luta com a Deutsche Post por um aumento de 6% nos salários de 130 mil carteiros.

A era da moderação salarial, chave da competitividade alemã desde a Reunificação - em detrimento de seus sócios europeus - já acabou, constataram em novembro passado os Sábios, fórum e economistas que aconselha o governo alemão.

O crescimento do país e um desemprego historicamente baixo - 5,7% em dezembro - deram aos sindicatos um grande poder de negociação.

- Pedidos do exterior -

Os salários da Alemanha despertam interesse também fora do país. Os parceiros internacionais de Berlim têm multiplicado os pedidos pela redução do enorme superávit primário do país e pela redistribuição do poder aquisitivo.

Um aumento mais rápido dos salários na Alemanha ajudaria também seus vizinhos europeus, pois contribuiria para aproximar a inflação do bloco do objetivo do Banco Central Europeu (BCE), pouco abaixo de 2%, afirmou na semana passada Christine Lagarde, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Envolvidos em complicadas negociações de coalizão, conservadores e social-democratas alemães até agora não falaram sobre os salários. Atualmente, o tema é de responsabilidade dos sociais.

Mas, em 26 de fevereiro, caberá ao ministro do Interior, Thomas de Maizière, conservador como Angela Merkel, enviar um sinal político: ele terá que começar a conversar com os sindicatos de funcionários. E os recursos do governo federal raramente estiveram tão bem preparados.

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212