Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Pezão sanciona lei e museu da escravidão pode ser lançado no dia da Abolição - Jornal Brasil em Folhas
Pezão sanciona lei e museu da escravidão pode ser lançado no dia da Abolição


Após a inclusão do Cais do Valongo na lista de Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Museu da Escravidão Negra no Brasil pode sair do papel. A lei que define diretrizes para construção do espaço foi sancionada na última semana pelo governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão.

Ficou estabelecido que o novo museu será centro de referência para estudos sobre a contribuição da população negra para o desenvolvimento do estado. O objetivo é incentivar e contextualizar estudos sobre o período, além de formar professores.

“Será um local para as buscarem a verdadeira história da escravidão”, disse o deputado Geraldo Pudim (MDB), que liderou a aprovação da lei. “A África foi a mola propulsora do nosso desenvolvimento e isso é uma coisa escondida.”

Segundo o deputado, expectativa é que a pedra fundamental do museu seja anunciada em 13 de maio, aos 130 da abolição no Brasil – último país a acabar com a prática na América.

“É preciso difundir o horror desse período, em termos de violência, de tortura, de estupros e da absoluta negação da humanidade a um grupo de pessoas que logo depois passou a constituir a maioria da população e, por isso mesmo, houve uma série de políticas para acabar com ela”, disse.

O acervo do novo museu deve ser inicialmente composto por peças de religiões de matriz africana. Tais peças, apreendidas de coleções nos ano 20 e tombadas ao Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), estão sob a guarda da Polícia Civil, e inacessíveis ao público

Arquivos históricos e coleções, fotografias, documentos, pinturas e utensílios que possam reconstituir a história e costumes dos descendentes de africanos também devem ser expostos. É possível que o acervo levantado nos últimos anos pela Comissão Estadual da Verdade da Escravidão Negra, da Ordem dos Advogados do Brasil, seja incorporado, disse Humberto Adami, presidente da comissão.

Museu da Escravidão e da Liberdade

Duas opções de endereço do Museu da Escravidão e da Liberdade estão em estudo. Uma delas é que seja montado na antiga sede do Museu da Imagem e do Som, no centro, e a outra é no Centro Cultural José Bonifácio, na zona portuária, próximo ao Valongo, onde estão outros importantes sítios históricos.

O Centro Cultural José Bonifácio, no entanto, pertence à prefeitura, que estabeleceu o local como sede provisória do Museu da Escravidão e da Liberdade (MEL) que recebeu a primeira peça há um ano, um cadeado de ferro utilizado em senzala de fazenda no Vale do Café.

A Secretaria Municipal de Cultura informou que não foi consultada pelo governador do estado para abrir o novo museu. Segundo assessores, a pasta quer transferir o MEL para o Srmazém Central de Docas D. Pedro II, hoje ocupado pela organização não governamental Ação Cidadania, em homenagem ao sociólogo e ativista dos direitos humanos Herbert José de Sousa, o Betinho. Ali, devem ser expostas cerca de 500 peças retiradas das escavações do cais.

“O que nos pretendemos, na verdade, é unir os dois projetos de museus”, disse o deputado Pudim. Segundo ele, para abrir o novo museu serão necessários cerca de R$ 300 mil após a definição da sede. A lei aprovada pela Alerj, cujo projeto inicial incluía fonte de receitas, como as loterias, não prevê orçamento próprio para a iniciativa.

Acervo

O secretário especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Juvenal Araújo Júnior, disse que apoia a criação do museu nos moldes dos memoriais do holocausto, na Alemanha, e pretende intermediar as negociações entre as secretarias estadual e municipal de Cultura. “Antes de mais nada, é preciso um projeto do museu”, afirmou.

À Agência Brasil, Araújo Júnior disse que a prioridade é recuperar e catalogar as peças sagradas que estão sob a guarda da Polícia Civil. “Precisa ser dado tratamento técnico, por profissionais, fazer limpeza, restauração, catalogar, com especialistas. Vamos dar a elas o tratamento adequado, junto com o Iphan, esse é o primeiro passo.” Segundo o secretário, as peças estão mal-acondicionadas em caixas de papelão.

Para buscar recursos, a Seppir atuará na mobilização de órgão de governo, como o Iphan e o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), segundo o secretário, que destacou que há necessidade de parlamentares apresentarem emendas que permitam a abertura do museu.

Campanha

A campanha Libertem Nosso Sagrado, liderada por ativistas, religiosos, intelectuais e políticos, defende que as peças apreendidas no século passado saiam da guarda da polícia. Mãe Meninazinha de Oxum, do terreiro Ilê Omolu Oxum, estima que o acervo atual tenha cerca de 200 peças, entre imagens, búzios e instrumentos musicais.

A zona portuária, apesar da marcante presença negra na região, refletida em outros sítios históricos como a Cemitério dos Pretos Novos, a Pedra do Sal e a Casa da Tia Ciata não têm espaço dedicado à memória da escravidão, da diáspora e suas influências na sociedade atual, afirmam ativistas negros. Uma das críticas é que a região tem dois museus inaugurados recentemente, o Museu de Arte do Rio (MAR), voltado à valorização histórica do Rio, e o Museu do Amanhã, de ciência naturais.

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
Marcelo Piloto é extraditado do Paraguai para o Brasil
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212