Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Conselho de Ética suspende reunião antes de votar relatório sobre Cunha - Jornal Brasil em Folhas
Conselho de Ética suspende reunião antes de votar relatório sobre Cunha


O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados suspendeu a reunião desta terça-feira (1º) antes que fosse votado o relatório que pede a continuidade do processo de cassação do mandato do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Após mais de três horas de debates, o presidente da comissão, José Carlos Araújo anunciou a suspensão em razão do início das votações no plenário.

Araújo disse que pretende retomar a votação do relatório após o encerramento das atividades no plenário. A reunião ocorreu depois de encerrada a fase de discussão do parecer do relator, Marcos Rogério (PDT-RO), que pede a continuidade das investigações. “Hoje houve um avanço, disse o deputado. Ninguém esperava que a discussão fosse encerrada e que se votasse ainda hoje o parecer, destacou Araújo.

Contudo, antes de conseguir colocar o parecer em votação, será preciso vencer quatro requerimentos que pedem o adiamento da votação, por cinco, quatro, três e dois dias, respectivamente. Segundo o presidente do conselho, as manobras transformaram a análise da admissibilidade da representação protocolada pelo PSOL e pela Rede em um processo “tumultuado”. “[É] um processo que está julgando o presidente da Câmara, que tem poderes nesta Casa, que tem poderes de manobra, e nós nos submetemos a tudo o que aconteceu”, afirmou Araújo. Ele criticou a decisão do vice-presidente da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), que praticamente zerou o processo na comissão.

Desde o início da discussão do relatório, na semana passada, mais de 20 deputados se inscreveram para o debate. Em vários depoimentos, os parlamentares criticaram as manobras para protelar o andamento das investigações. “Resta evidente, ao longo das sessões, já temos mais de 100 dias corridos desse processo, e não quero dar coro aos que pretendem protelar, de maneira renitente, [a votação]” destacou o deputado Leo de Brito (PT-AC). “Não vejo motivo para essas obstruções porque estamos votando somente a admissibilidade do nosso processo”, afirmou.

O líder do PSOL, Ivan Valente (SP), afirmou que as manobras protelatórias são inúteis e só desgastam a imagem de Cunha. “O Conselho de Ética ainda não começou o processo. Hoje votaremos a admissibilidade, e isso é o mínimo que deveríamos ter feito para não desmoralizar esse conselho e o Congresso Nacional”, afirmou. O PSOL é o partido que, ao lado da Rede, representou contra Cunha no Conselho de Ética,

Na representação, Cunha é acusado de mentir em depoimento na extinta Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras sobre a existência de contas no exterior. A acusação também se baseia em delações premiadas feitas no âmbito da Operação Lava Jato. Cunha afirma que é inocente e que não cometeu nenhuma irregularidade.

Aliados criticam condenação antecipada

Aliados de Cunha defenderam as chamadas manobras protelatórias e criticaram o que chamam de condenação antecipada do presidente da Casa. “O que estamos fazendo aqui é o que permite ser feito pelo regimento do conselho para que o processo transcorra da forma mais transparente possível”, disse o deputado André Moura (PSC-CE). “O que não se pode é se discutir só na ordem politica. Alguns membros do conselho querem politizar e pedir admissibilidade do processo”, acrescentou.

A defesa de Cunha pediu o arquivamento do procedimento, classificando-o de natimorto. De acordo com o advogado Marcelo Nobre, a análise pendente de um recurso na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) tornará nula a admissibilidade do processo.“Esse recurso precisa ser admitido antes. Não podemos aceitar que este processo continue sem decidir sobre um recurso que o fere de morte”, disse Nobre, referindo-se ao pedido de concessão de 10 dias de defesa prévia antes da admissibilidade.

O líder do PSOL afirmou que, com a admissibilidade do processo, será possível o contraditório, bem como o direito à ampla defesa. “Ele [Cunha] precisa vir aqui explicar todas as acusações e os diversos processos que pesam sobre ele e o que foi representado no conselho e no relatório [do deputado Marcos Rogério]”, defendeu Valente.

Amanhã (2), o Supremo Tribunal Federal (STF) julgará o pedido da Procuradoria-Geral da República sobre a acusação de que Cunha recebeu propina no valor de US$ 5 milhões em contratos de navios-sonda da Petrobras. Se o pedido for aceito, Cunha se tornará réu e responderá pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

O relator Marcos Rogério defendeu a continuidade das investigações com o argumento de que o papel do colegiado é distinto do da Justiça. “Não julgamos aqui se o parlamentar cometeu crime na esfera penal. Nosso papel é apurar se tais comportamentos são compatíveis com o decoro parlamentar, e isso só será possível fazer na outra fase.” Marcos Rogério afirmou que respeitará o devido processo legal: “não condenarei sem provas, nem causarei ofensa aos direitos e garantias individuais. Terei respeito ao contraditório”.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212