Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Teles usam “argumento frágil” para contestar Condecine, diz ministro da Cultura - Jornal Brasil em Folhas
Teles usam “argumento frágil” para contestar Condecine, diz ministro da Cultura


As companhias de serviços de telecomunicações usam “argumentação absolutamente frágil” nas duas ações que movem na Justiça pedindo a suspensão do pagamento da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine), disse hoje (29) o ministro da Cultura, Juca Ferreira, que decidiu de última hora comparecer ao lançamento do edital para o audiovisual do governo do Distrito Federal.

A Condecine passou a incidir sobre os serviços de telecomunicações como parte dos debates que levaram à criação da Lei 12.485, que regulamentou a TV por assinatura no país e foi sancionada em 2011.

No início deste ano, sob o argumento principal de que as empresas do setor não integram a cadeia produtiva do audiovisual, o Sindicato Nacional de Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel de Celular e Pessoal (SindiTeleBrasil), que representa empresas como Oi, Tim, Claro e Telefônica/Vivo, moveu duas ações judiciais contra a Condecine: uma contestando a própria existência da contribuição e outra questionando sua atualização monetária, de 28,5%, aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional.

“É uma argumentação absolutamente frágil”, disse Ferreira. “Deu até a impressão para o governo, para a AGU [Advocaciaq-Geral da União], de que qualquer juiz, mesmo mal-informado, não levaria em consideração, porque afirma que as teles não fazem parte da cadeia produtiva do audiovisual, quando, na verdade, são o grande veículo, o grande transportador de imagem e som”, completou o ministro.

Ambas as ações tiveram liminares deferidas a favor das teles, permitindo que não paguem a Condecine, cuja data de recolhimento é 31 de março. A Agência Nacional do Cinema (Ancine) recorreu, mas teve um de seus recursos negado em 18 de fevereiro e ainda aguarda decisão sobre o segundo. A previsão é que a Condecine arrecade R$ 1,1 bilhão este ano, o que corresponde a cerca de 75% do Fundo Setorial Audiovisual, principal fonte de recursos para o fomento da produção audiovisual brasileira e cujo orçamento para este ano é de R$ 1,4 bilhão.

Nas ações, cuja defesa foi assumida pelo procurador-geral federal, Renato Vieira, a Ancine contra-argumenta que a maior parte do volume de tráfego de dados em aparelhos celulares é composta, hoje em dia, pela transmissão de produtos audiovisuais.

“É sabido por todo cidadão comum que os celulares se transformaram em terminais em que se transmitem dados e sobretudo vídeo. É sabido também que essas companhias atuam vendendo pacotes de TV por assinatura, de vídeo sob demanda”, disse o diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel. Acredito num desfecho favorável da questão e no bom senso das companhias de telecomunicações, para que não levem adiante essa ação, por perceberem como isso é prejudicial para o setor audiovisual brasileiro.

Maior edital de fomento direto ao audiovisual

No edital lançado nesta segunda-feira (29), o governo do Distrito Federal (DF) vai destinar R$ 22,7 milhões para financiar até 72 produções audiovisuais na região, o maior volume de recursos não reembolsáveis, ou seja, que não precisam ser pagos de volta, entre todos os editais dedicados ao setor no Brasil. Cerca de R$ 10 milhões virão do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), sendo o restante proveniente do Fundo de Amparo à Cultura do DF.

As inscrições estarão abertas de 2 de março a 15 de abril na página www.editais.cultura.df.gov.br. Podem se candidatar realizadores que residam no DF. Esta é a segunda edição do edital do FAC e corresponde, ainda, ao ano de 2015. O atraso no lançamento se deveu à restruturação do orçamento do governo, que prevê lançar outro edital, referente a 2016, no segundo semestre.

Na atual edição, o edital contempla novas categorias, como apoio a cineclubes e a preservação de acervos audiovisuais. Foram atendidos também pedidos da comunidade cultural pela desburocratização do processo, com a extinção da obrigatoriedade de contrapartidas e da exigência de que fossem apresentados três orçamentos para cada rubrica.

“São esses editais que estão em risco, estão sob ameaça por esta ação movida contra a Condecine”, afirmou Rangel durante a cerimônia de lançamento, na qual estiveram presentes o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, e o secretário nacional do Audiovisual, Pola Ribeiro.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212