Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Hip hop espera sua consagração na premiação do Grammy - Jornal Brasil em Folhas
Hip hop espera sua consagração na premiação do Grammy


Muitas vezes criticada pela sua falta de contato com a realidade, a premiação do Grammy, cuja cerimônia neste domingo em Nova York, pode recuperar a legitimidade ao consagrar o hip hop, gênero dominante nos Estados Unidos, que teve um bom resultado nas indicações.

Três álbuns de hip hop aspiram ao prêmio de Álbum do ano, o maior da indústria da música americana.

Pela primeira vez nenhum homem branco foi indicado a este prêmio, no qual 4:44 da estrela do rap Jay-Z disputa com álbuns dos rappers Kendrick Lamar e Childish Gambino, e com Bruno Mars, que ressuscitou o funk, e uma única mulher, a jovem neozelandesa e prodígio do pop Lorde.

Liderando com oito indicações, Jay-Z, de 47 anos, marido da cantora Beyoncé, já recebeu 21 prêmios Grammy, mas nunca nas principais categorias.

Os prêmios Grammy serão entregues excepcionalmente este ano em Nova York, lar de Jay-Z, para marcar a 60ª edição da premiação após 14 anos em Los Angeles.

- Conquistas em espanhol -

Entre o reggaeton e o rap, o hit viral em espanhol Despacito, que se manteve no top do Hot 100 da Billboard durante 16 semanas consecutivas, um recorde histórico, aspira a outros três prêmios.

Em um momento em que o presidente americano, Donald Trump, fez da luta contra os imigrantes em situação irregular uma de suas prioridades e demorou a entregar a ajuda a Porto Rico depois de um devastador furacão, a canção foi indicada para Gravação do ano, Canção do ano e Melhor atuação de dupla ou grupo.

A versão indicada apresenta seus dois criadores, o músico porto-riquenho Luis Fonsi e seu compatriota rapper Daddy Yankee, assim como a estrela canadense do pop Justin Bieber.

O videoclipe de Despacito também é o mais visto na história do YouTube.

Durante anos, a Academia de Gravação, integrada por 13 mil músicos profissionais, desdenhou do hip hop.

Apenas dois álbuns de rap venceram a categoria de Álbum do ano na história do Grammy, mas o hip hop se tornou este ano o estilo musical mais popular nos Estados Unidos superando o rock.

A premiação poderia se ver influenciada pela implementação do voto eletrônico pela primeira vez, que permitirá que jovens músicos itinerantes possam votar on-line.

Nos últimos anos houve uma falta de presença da cultura hip hop, mas acho que o rap comercial agora entrou em todos os lados, seja na música ou nos filmes, considerou Akil Houston, professor da Universidade de Ohio e especialista no tema.

Nem sempre aceito pelo establishment, o hip hop aumentou consideravelmente a sua presença nos downloads on-line e nas plataformas de streaming.

É uma maneira de fugir dos guardiões, das barreiras e dos obstáculos da indústria tradicional, disse Murray Forman, professor da Universidade Northeastern, em Boston.

- E as mulheres? -

A homenagem do Grammy ao hip hop, um gênero historicamente masculino, está dominada pelos homens.

Duas mulheres rappers de fama crescente, Rapsody e Cardi B, estão indicadas nas categorias de rap, mas não nas quatro principais.

E nem todos estão de acordo. Lorde disse à revista Billboard que Cardi B - a nova-iorquina Belcalis Almanzar, filha de um pai dominicano e de uma mãe trinitária - merecia uma indicação nas principais categorias porque definiu 2017 com sua canção Bodak Yellow.

A ausência de mulheres no Grammy é, em parte, culpa do calendário. Duas cantoras, Adele e Taylor Swift, venceram os dois últimos prêmios de Álbum do ano. Mas canções de Swift, Beyoncé e outras artistas foram lançadas fora do período de elegibilidade para este Grammy.

Não obstante, em um possível reconhecimento do movimento contra o abuso sexual #MeToo, os artistas convidados a cantar na cerimônia incluem Kesha, que luta para se livrar de um contrato com seu produtor, Dr. Luke, a quem acusou de estupro.

Um grupo de músicos também propôs usar uma rosa branca na cerimônia de domingo para defender os movimentos #MeToo e #TimesUp.

Tanya Pearson, fundadora do Projeto de História Oral de Mulheres no Rock no Smith College, disse que a indústria da música tem um problema de gênero profundamente arraigado já que as pessoas que marcam as tendências e os jornalistas são predominantemente homens.

Toda a narrativa de sexo, drogas e rockn roll é misógina e masculina, e esse ainda é o contexto contra o qual as mulheres debatem, afirmou.

 

Últimas Notícias

Receita paga hoje as restituições do último lote do IRPF 2018
Mercado mantém estimativa de inflação em 3,71% este ano
BC anuncia que atividade econômica cresce 0,02% em outubro
Embraer e Boeing aprovam termos para fusão
Leilão da Ceal é adiado para o dia 28 de dezembro
Tesouro quitou no ano R$ 4,19 bi de estados e municípios inadimplentes
Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
Com intervenção do BC, dólar começa semana em queda

MAIS NOTICIAS

 

Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
 
 
Documentos de Ghosn são recolhidos de apartamento em Copacabana
 
 
COP24: países definem regras para implementar Acordo de Paris
 
 
Crise na Nicarágua se agrava, diz Comissão de Direitos Humanos da OEA
 
 
Regulamentação do mercado de carbono será decidida somente na COP 25
 
 
Coreia do Norte adverte EUA que sanções podem impedir desnuclearização

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212