Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Governo cearense anuncia plano e classifica chacinas de eventos extraordinários - Jornal Brasil em Folhas
Governo cearense anuncia plano e classifica chacinas de eventos extraordinários


Após a morte de 24 pessoas em duas chacinas, uma delas dentro de uma cadeia pública no interior do Ceará, o governo do estado detalhou medidas que integram plano de segurança em debate entre diversas instituições públicas. Na tarde desta segunda-feira (29), em entrevista à TV Ceará, emissora pública parceira da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), o chefe de gabinete do governador Camilo Santana, Élcio Batista, falou sobre as medidas que deverão ser adotadas.

De acordo com Batista, são três as medidas principais: uma é a criação, pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), de uma Vara Especializada no Combate ao Crime Organizado em Fortaleza. À Agência Brasil, a assessoria do tribunal informou que uma reunião do pleno do tribunal na próxima quinta-feira (1º), deliberará sobre a questão, a fim de que sejam tornados mais céleres os julgamentos desses crimes. Se a proposta for aprovada pelo TJCE, deverá ser remetida à Assembleia Legislativa na forma de projeto de lei.

“O segundo ponto colocado foi a criação de uma força-tarefa, envolvendo Ministério Público, Secretaria de Justiça e Secretaria de Segurança Pública, para que seja feito um trabalho mais concentrado de inteligência no combate às facções criminosas”, informou. Para tanto, um terceiro eixo do plano é a cooperação também com as instituições federais.

Mais cedo, o Ministério da Justiça anunciou, por meio de nota, a constituição de força-tarefa de membros da Secretaria Nacional de Segurança Pública, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e do Departamento Penitenciário Nacional, a fim de subsidiar a Secretaria de Segurança Pública do Ceará com investigação e informações de inteligência.

Batista acrescentou que o estado apresentará ao governo federal suas reivindicações na área de segurança e criticou o que apontou como falta de apoio financeiro, em equipamentos e pessoal no último período. Relacionando a atuação de facções no estado a crimes como tráfico de drogas, ele enfatizou que “esse é um crime federal, que precisa ter uma participação maior dos órgãos de repressão qualificada e combate ao crime organizado”.

Microchacinas

Élcio Batista disse que ações desse tipo são permanentes. Embora reconheça que conflitos entre facções ocorrem desde o ano passado, ele ressaltou que vinham sendo registradas “microchacinas”, com a morte de três ou quatro pessoas. Para Batista, os fatos que ocorreram nos últimos dias são “eventos extraordinários”. “Eles fogem de um padrão, principalmente a [chacina] de 14 pessoas”, afirnou, referindo-se ao ataque de um grupo contra pessoas que estavam em uma festa na periferia da capital.

“Agora, nosso trabalho é estabilizar esse processo, para que, uma vez estabilizado, consigamos colocar em prática também ações mais estruturais”, afirmou.

O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, discordou: “Não podemos mais considerar fatalidade eventos como a chacina ocorrida no Ceará como fatalidade. Trata-se de uma tragédia anunciada, resultado da visão e da gestão equivocadas com que a segurança pública é tratada no país. A total falta de efetividade na execução de um plano de segurança pública, a ausência de políticas sobre drogas e a falta de atenção ao sistema prisional – que transforma os presos de menor potencialidade ofensiva em mão de obra do crime organizado – alimentam o quadro de calamidade que estamos presenciando”, disse Lamachia, em nota.

Ainda nesta segunda-feira, o governo ampliou o monitoramento de cadeias públicas e presídios. O presidente do Conselho Penitenciário do Ceará (Copen), o advogado Cláudio Justa, afirmou que também haverá nova separação dos grupos rivais, Guardiões do Estado (GDE) e Comando Vermelho, nos estabelecimentos prisionais, medida que considera necessária para evitar mais mortes.

Lamachia defende outras mudanças na gestão dos presídios. “Combater o crime com eficiência significa colocar fim, com urgência, às escolas do crime que se tornaram os presídios. Financiadas com dinheiro público, elas são responsáveis por repor a mão de obra criminosa em velocidade muito maior do que as forças de segurança conseguem acompanhar. É preciso separar, dentro das prisões, os presos provisórios dos definitivos e é necessário construir presídios menores, para que a gestão desses espaços seja retomada pelo Estado. A função de punir e reeducar não pode continuar sendo suplantada pela função de escola do crime”, acrescentou.

Outros especialistas apontam a importância do reforço às ações de inteligência e redirecionamento dos investimentos em segurança pública, passando de uma abordagem baseada na repressão para a prevenção.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212