Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mudança nas dívidas de estados com a União será votada semana que vem - Jornal Brasil em Folhas
Mudança nas dívidas de estados com a União será votada semana que vem


A votação do projeto de decreto legislativo (PDC 315), que altera a fórmula de cálculo para o pagamento das dívidas dos estados e dos municípios com a União, na Câmara dos Deputados, foi adiada para a próxima semana, após negociações do governo com o autor da proposta, deputado Esperidião Amin (PP-SC).

A informação foi dada pelo líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE). Segundo ele, o adiamento foi negociado com o autor do projeto para que haja mais tempo para o governo concluir a negociação federativa com os estados. “É preciso mais diálogo”, disse.

Em relação a outras propostas que podem ser votadas, o líder governista disse o governo quer votar o projeto que trata do teto salarial, mas que é preciso ampliar as discussões sobre a matéria, para que ela seja aprovada no plenário da Câmara.

“Estamos ampliando a discussão. Está havendo um intenso processo de negociação entre o relator [deputado Ricardo Barros (PP-PR)] e as instituições que têm pleitos, emendas e ponderações a serem feitas”, informou.

Na reunião de hoje dos líderes partidários com o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ficou acertada a votação da medida provisória (MP 693), que trata de benefícios fiscais para a geração de energia elétrica durante os Jogos Olímpicos e também aumenta o número de pessoas habilitadas a terem porte de arma.

Deverá ser votada também a MP 694, que trata de benefícios fiscais. O líder informou que vai defender no plenário a aprovação dos textos das comissões especiais que apreciaram as duas medidas provisórias.

Em relação a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 1/15), que aumenta os percentuais mínimos a serem destinados à saúde pelo governo, o líder governista defende o adiamento da votação. “O governo é contrário não ao seu mérito, mas considera inoportuna. Queremos desvincular mais os recursos. Vamos trabalhar para derrotar, se os autores quiserem votar de qualquer jeito”, afirmou.

Amanhã (2), os líderes partidários voltam a se reunir com o presidente da Câmara para tratarem da formação das 23 comissões permanentes da Câmara.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212