Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cólera de Israel e Ucrânia por lei polonesa sobre Holocausto - Jornal Brasil em Folhas
Cólera de Israel e Ucrânia por lei polonesa sobre Holocausto


Uma lei adotada pela Câmara Baixa polonesa para defender a imagem da Polônia e que prevê penas de prisão para os que falarem em campos da morte poloneses provocou uma forte reação de Israel, que acusou Varsóvia de negar o Holocausto, e da Ucrânia.

O partido conservador nacionalista Direito e Justiça (PiS) instaurou, desde que chegou ao poder, em outubro de 2015, uma política histórica para despertar o patriotismo polonês.

Esta política busca exaltar as ações de resistência à Alemanha nazista, ao regime comunista, aos nacionalistas ucranianos e ao Exército Vermelho, assim como aqueles poloneses que arriscaram suas vidas para salvar judeus.

Mas também busca impedir a difusão de versões da história que Varsóvia considera injustas ou ofensivas.

Até pouco tempo atrás, esta política não tinha despertado muitas críticas, só algumas trocas frias com a Ucrânia. O pedido de indenização pela guerra enviado à Alemanha tampouco teve repercussão. Berlim considera que o tema está saldado do ponto de vista jurídico.

- Crimes nazistas -

Mas a tensão aumentou na sexta-feira, com a adoção pelos deputados de uma lei sobre o extermínio dos judeus pelos nazistas que ocorreu em grande parte na Polônia, ocupada pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.

Com este texto, os conservadores poloneses querem evitar que se atribuam à nação ou ao Estado os crimes cometidos pelos nazistas e impedir o uso da expressão campos da morte poloneses para se referir aos campos de extermínio instalados na Polônia.

Mas o governo israelense interpretou parte do texto como uma tentativa de negar a participação de alguns poloneses no extermínio dos judeus pelos nazistas, ou mesmo a possibilidade de processar sobreviventes do holocausto judeu que evoquem tais casos.

Não toleraremos que se deforme a verdade e se reescreva a história ou que se negue o Holocausto, disse o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

No mesmo dia, o Ministério das Relações Exteriores ucraniano denunciou outro projeto de lei que permite estabelecer ações legais contra quem negar os crimes de nacionalistas ucranianos cometidos entre 1925 e 1950, inclusive dos que colaboraram com a Alemanha nazista.

A Ucrânia se opõe categoricamente a uma nova tentativa de impôr um manejo unilateral de acontecimentos históricos, declarou o ministério em um comunicado, expressando sua grande inquietação diante da intenção de se apresentar os ucranianos apenas como criminosos nacionalistas e colaboradores do III Reich.

- Flexibilidade -

O diretor do Instituto para a Memória Nacional da Ucrânia, Volodymyr Vyatrovych, criticou a lei polonesa em sua conta de Facebook.

É perigosa não para a Ucrânia, mas para a Polônia, afirmou, estimando que marca uma passagem importante para a limitação da liberdade de expressão e introdução da censura.

Varsóvia reagiu primeiro às críticas israelenses.

O presidente Andrzej Duda buscou pôr fim à discussão mostrando flexibilidade. No domingo prometeu estudar as seções da lei que Israel critica.

Sua avaliação será apresentada depois das conclusões do trabalho parlamentar e de uma análise cuidadosa da forma final deste ato, segundo um comunicado da presidência.

Para que entre em vigor, o texto ainda tem que ser votado pelo Senado e promulgado pelo presidente.

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, conversou por telefone no domingo à noite com seu homólogo israelense.

Segundo um comunicado do gabinete de Netanyahu, os dois chefes de governo chegaram a um acordo para iniciar imediatamente um diálogo e tentar chegar a um entendimento sobre a lei polonesa.

Mas a porta-voz do PiS, Beata Mazurek, adotou um tom menos conciliador. Não mudaremos nenhuma disposição da lei (...). Estamos cansados das acusações contra a Polônia e os poloneses pelos crimes de alemães, escreveu em sua conta de Twitter.

Seis milhões de poloneses, entre eles três milhões de judeus, morreram durante a Segunda Guerra Mundial.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212