Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Polícia Civil de Catalão conclui inquérito da Operação Ponto Final - Jornal Brasil em Folhas
Polícia Civil de Catalão conclui inquérito da Operação Ponto Final


Depois de oito meses de diligências, a Polícia Civil de Catalão concluiu o inquérito da Operação Ponto Final, que investigou a venda ilegal de lotes pertencentes à prefeitura do município. Quatro pessoas – Matheus Ribeiro Esteves Silva, Henrique Antero da Silveira, Paulo Henrique Gregório da Silva e Bruno Borges Dantas – foram indiciadas pelos crimes de estelionato, falsificação de documento público e organização criminosa.

De acordo com as investigações, um grupo de pessoas, a maioria ex-funcionários da Prefeitura Municipal e da Câmara Municipal, passou a oferecer, pela cidade, terrenos de propriedade da Prefeitura Municipal de Catalão, sob a falsa alegação de que seriam lotes remanescentes de leilões. Passando-se por servidores públicos, negociavam a venda dos lotes por preços abaixo de mercado e embolsavam o dinheiro.

Os investigados falsificavam um documento intitulado Contrato de Concessão de Direito Real de Uso e o entregavam ao particular “adquirente”. O esquema contava ainda com um grupo que tinha acesso ao sistema da prefeitura de catálogo dos lotes e realizava a transferência, no sistema, do titular do imóvel. No período de investigação, mais de uma dezena de lotes teriam sido ilegalmente vendidos pelo grupo criminoso.

Ao todo, mais de 60 pessoas foram ouvidas durante o trabalho da Polícia Civil, entre particulares, funcionários públicos e investigados. As diligências incluíram oitivas de pessoas; análise de dados telefônicos, fiscais e bancários dos suspeitos; vistorias in loco efetivadas pela Prefeitura Municipal.

Segundo o delegado regional Jean Carlos Arruda, a conclusão do inquérito policial, mais do que impedir elevado prejuízo econômico aos cofres públicos, serve para alertar e esclarecer a população acerca dos crimes cometidos por quem falsamente vende terrenos públicos, e também por quem adquire. “Quem aquiesce em receber um documento falsificado e em comprar um terreno por preço muito abaixo de mercado tem plena convicção de que o negócio não é legal”, considerou.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212