Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Venezuela elimina taxa de câmbio à qual se atribuem distorções - Jornal Brasil em Folhas
Venezuela elimina taxa de câmbio à qual se atribuem distorções


As autoridades venezuelanas revogaram uma taxa de câmbio controlada à qual analistas atribuem parte do colapso econômico do país, de acordo com um decreto publicado no diário oficial.

Ao regulamentar um novo sistema de vendas de moedas, que entrará em vigor nesta semana, o governo e o Banco Central eliminaram o Dipro, que valia desde 2016 para as importações públicas.

Altamente subsidiada, essa taxa cotava o dólar a apenas dez bolívares por unidade, ou seja, 25 mil vezes menos que no mercado negro. Segundo especialistas, isso gerou fortes distorções.

O Dipro foi usado para a importação de alimentos e medicamentos, bem como para determinar o valor das moedas estrangeiras que, por exemplo, a empresa estatal de petróleo PDVSA é obrigada a vender ao Banco Central.

De agora em diante, as operações realizadas no âmbito do controle rigoroso de câmbios em vigor serão regidas pelo Dicom, uma taxa de câmbio flutuante resultante de leilões públicos.

O Dicom será aplicado para todas as operações de liquidação de moedas estrangeiras, do setor público e privado, indica o decreto do Banco Central publicado na segunda-feira.

O governo socialista - que monopoliza as moedas - anunciou recentemente a reativação deste sistema de ofertas, após cinco meses de paralisia, quando a inflação disparou.

No leilão mais recente, o dólar foi cotado em 3.345 bolívares. Uma nova taxa ainda não foi fixada.

De acordo com o Parlamento da maioria opositora, a inflação fechou em 2.600% em 2017, enquanto o FMI projeta que poderia subir para 13.000% neste ano.

O Executivo parece passar a um único tipo de câmbio para todas as suas operações, disse Asdrúbal Oliveros, presidente da consultoria Ecoanalítica.

De acordo com Oliveros, 91% das importações públicas estavam sendo feitas à taxa Dipro, que por sua vez constituía 70% do total.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE