Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Venezuela elimina taxa de câmbio à qual se atribuem distorções - Jornal Brasil em Folhas
Venezuela elimina taxa de câmbio à qual se atribuem distorções


As autoridades venezuelanas revogaram uma taxa de câmbio controlada à qual analistas atribuem parte do colapso econômico do país, de acordo com um decreto publicado no diário oficial.

Ao regulamentar um novo sistema de vendas de moedas, que entrará em vigor nesta semana, o governo e o Banco Central eliminaram o Dipro, que valia desde 2016 para as importações públicas.

Altamente subsidiada, essa taxa cotava o dólar a apenas dez bolívares por unidade, ou seja, 25 mil vezes menos que no mercado negro. Segundo especialistas, isso gerou fortes distorções.

O Dipro foi usado para a importação de alimentos e medicamentos, bem como para determinar o valor das moedas estrangeiras que, por exemplo, a empresa estatal de petróleo PDVSA é obrigada a vender ao Banco Central.

De agora em diante, as operações realizadas no âmbito do controle rigoroso de câmbios em vigor serão regidas pelo Dicom, uma taxa de câmbio flutuante resultante de leilões públicos.

O Dicom será aplicado para todas as operações de liquidação de moedas estrangeiras, do setor público e privado, indica o decreto do Banco Central publicado na segunda-feira.

O governo socialista - que monopoliza as moedas - anunciou recentemente a reativação deste sistema de ofertas, após cinco meses de paralisia, quando a inflação disparou.

No leilão mais recente, o dólar foi cotado em 3.345 bolívares. Uma nova taxa ainda não foi fixada.

De acordo com o Parlamento da maioria opositora, a inflação fechou em 2.600% em 2017, enquanto o FMI projeta que poderia subir para 13.000% neste ano.

O Executivo parece passar a um único tipo de câmbio para todas as suas operações, disse Asdrúbal Oliveros, presidente da consultoria Ecoanalítica.

De acordo com Oliveros, 91% das importações públicas estavam sendo feitas à taxa Dipro, que por sua vez constituía 70% do total.

 

Últimas Notícias

Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212