Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Venezuela elimina taxa de câmbio à qual se atribuem distorções - Jornal Brasil em Folhas
Venezuela elimina taxa de câmbio à qual se atribuem distorções


As autoridades venezuelanas revogaram uma taxa de câmbio controlada à qual analistas atribuem parte do colapso econômico do país, de acordo com um decreto publicado no diário oficial.

Ao regulamentar um novo sistema de vendas de moedas, que entrará em vigor nesta semana, o governo e o Banco Central eliminaram o Dipro, que valia desde 2016 para as importações públicas.

Altamente subsidiada, essa taxa cotava o dólar a apenas dez bolívares por unidade, ou seja, 25 mil vezes menos que no mercado negro. Segundo especialistas, isso gerou fortes distorções.

O Dipro foi usado para a importação de alimentos e medicamentos, bem como para determinar o valor das moedas estrangeiras que, por exemplo, a empresa estatal de petróleo PDVSA é obrigada a vender ao Banco Central.

De agora em diante, as operações realizadas no âmbito do controle rigoroso de câmbios em vigor serão regidas pelo Dicom, uma taxa de câmbio flutuante resultante de leilões públicos.

O Dicom será aplicado para todas as operações de liquidação de moedas estrangeiras, do setor público e privado, indica o decreto do Banco Central publicado na segunda-feira.

O governo socialista - que monopoliza as moedas - anunciou recentemente a reativação deste sistema de ofertas, após cinco meses de paralisia, quando a inflação disparou.

No leilão mais recente, o dólar foi cotado em 3.345 bolívares. Uma nova taxa ainda não foi fixada.

De acordo com o Parlamento da maioria opositora, a inflação fechou em 2.600% em 2017, enquanto o FMI projeta que poderia subir para 13.000% neste ano.

O Executivo parece passar a um único tipo de câmbio para todas as suas operações, disse Asdrúbal Oliveros, presidente da consultoria Ecoanalítica.

De acordo com Oliveros, 91% das importações públicas estavam sendo feitas à taxa Dipro, que por sua vez constituía 70% do total.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212