Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Argentina pagará mais de US$ 4 bilhões a fundos abutres - Jornal Brasil em Folhas
Argentina pagará mais de US$ 4 bilhões a fundos abutres


Depois de quinze anos e uma longa batalha judicial, o governo argentino negociou acordo preliminar com os chamados fundos abutres – aqueles que adquiriram títulos da dívida a preços baratos, após o calote de 2001, e entraram na Justiça para cobrar o valor devido sem desconto. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (29), em Nova York, por Daniel Pollack, o mediador americano escolhido para facilitar o entendimento entre as partes.

Segundo Pollack, a Argentina teria que pagar US$ 4,653 bilhões até o dia 14 de abril a quatro fundos de investimento. Ele qualificou o princípio de acordo como “passo gigantesco” em um litígio que resultou na ameaça, para a Argentina, de ter seus bens embargados no exterior e no impedimento de o país de honrar seus compromissos com credores com os quais renegociou a dívida.

Se for assinado, o acordo permitirá à Argentina voltar ao mercado financeiro internacional, do qual foi excluída depois de decretar a moratória da dívida de US$ 95 bilhões em 2001. Mal saiu da crise, graças em parte aos altos preços das commodities, o país pagou o que devia ao Fundo Monetário Internacional e renegociou a dívida com o Clube de Paris e com 93% dos credores.

Mas uma minoria (7%) não aderiu às duas propostas de reestruturação que, em alguns casos, representou desconto de 65% do valor nominal. E um grupo de fundos de investimento, representando 1% dos detentores de papéis, entrou na Justiça de Nova York, ganhando o direito de cobrar a totalidade da dívida – além dos juros acumulados.

O governo anterior, da presidenta Cristina Kirchner, recorreu da sentença do juiz Thomas Griesa, perdeu e optou por não pagar, argumentando que violaria duas leis nacionais. Ambas impedem o país de oferecer melhores condições de pagamento à minoria dos credores que não aderiu as propostas de reestruturação em 2005 e 2010.

Diante da negativa de cumprir sua sentença, Griesa determinou o bloqueio dos fundos argentinos, depositados em bancos norte-americanos, para pagar a dívida reestruturada. Eles só seriam liberados quando o país saldasse a totalidade de sua dívida com os fundos abutres.

“As duas leis argentinas continuam em vigor, mas o novo governo de Mauricio Macri, não partiu para o confronto e, desde que assumiu, demonstrou ter vontade política para resolver o problema”, explicou o economista Gaston Rossi.

Macri não tem maioria no Congresso, como sua antecessora, Cristina Kirchner, que fez da luta contra os abutres uma causa nacional. “Mas a situação econômica argentina hoje é diferente: o Banco Central tem poucas reservas e os governadores, mesmo os da oposição, estão passando por um aperto financeiro”, disse o economista. Segundo ele, todos têm interesse em voltar a ter acesso ao mercado financeiro internacional.

O princípio de acordo, anunciado nesta segunda-feira, representa apenas uma parte da dívida que a Argentina tem que renegociar. No total, as estimativas são de que o país tem pendente um total de US$ 18,5 bilhões.

“E difícil medir com precisão porque existem vários títulos de dívida em jogo, emitidos em diversos mercados, com regras diferentes”, explicou Rossi. Mas, segundo o economista, ao melhorar o clima político de negociação, a Argentina debilitou a posição dos fundos de investimento mais duros.

 

Últimas Notícias

Governo pode adiar proposta de desvinculação do Orçamento, diz Guedes
Famílias de mortos em Suzano são atendidas em centro de acolhimento
DEM abre debate interno sobre participação no governo federal
Boeing suspende operações de aeronaves do modelo que caiu na Etiópia
Witzel recebe pais de Marielle e Anistia Internacional
Senado aprova adesão automática de consumidor ao Cadastro Positivo
Facebook e Instagram ficam instáveis no Brasil e em outros países
Prefeitura de Suzano suspende aulas e decreta luto oficial de 3 dias

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212