Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 MPF cria grupo especial para atuar na Operação Zelotes - Jornal Brasil em Folhas
MPF cria grupo especial para atuar na Operação Zelotes


O Conselho Superior do Ministério Público Federal autorizou a criação de um grupo de trabalho que vai atuar nos recursos e habeas corpus relacionados à Operação Zelotes que chegam ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). A decisão do conselho foi tomada durante a sessão nesta terça-feira (1º) e atende a uma proposta da Câmara de Combate à Corrupção do Ministério Público Federal.

O grupo de trabalho será formado por três subprocuradores-gerais da República: Antônio Carlos Pessoa Lins, Carlos Eduardo Vasconcelos e Marcelo Antônio Moscogliato.

Ao sair da sessão do conselho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot disse que a mudança no Ministério da Justiça não interfere nas investigações da Operação Lava Jato. “O Ministério Público é autônomo e independente para investigar”.

Ontem (29) a presidenta Dilma Rousseff decidiu aceitar o pedido de demissão do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Cardozo assumirá a Advocacia-Geral da União. O Ministério da Justiça será assumido pelo ex-procurador-geral da Justiça da Bahia Wellington César Lima e Silva.

Com relação ao pedido feito ontem (29) pela defesa do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, para alterar a data do julgamento marcado para amanhã (2) no STF, Janot disse que a decisão é do Supremo. “Isso é o Supremo que tem que decidir”.

Ontem (29) a defesa de Cunha (PMDB-RJ) pediu adiamento do julgamento da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o deputado. O presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, encaminhou o pedido para o ministro relator do inquérito, Teori Zavascki.

Cunha foi denunciado em agosto do ano passado pelo procurador-geral da República, sob a acusação de ter recebido propina para que um contrato de navios-sonda da Petrobras fosse viabilizado. De acordo com Janot, Cunha recebeu US$ 5 milhões para viabilizar a contratação de dois navios-sonda do estaleiro Samsung Heavy Industries em 2006 e 2007.

O negócio foi feito sem licitação e ocorreu por intermediação do empresário Fernando Soares e o ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró. O caso foi descoberto a partir do acordo de delação premiada firmado pelo consultor Júlio Camargo, que também participou do negócio.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212