Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Depois de suspensão de decreto, vereadores pressionam por regulamentação de Uber e demais aplicativos - Jornal Brasil em Folhas
Depois de suspensão de decreto, vereadores pressionam por regulamentação de Uber e demais aplicativos


Vereadores de Belo Horizonte pressionam líder de governo, Léo Burguês, para se reunir com o prefeito Alexandre Kalil (PHS) e encontrar solução definitiva para a regulamentação em Belo Horizonte dos aplicativos de transporte, como Uber, Cabify e 99. Na abertura dos trabalhos do legislativo este ano, nesta quinta-feira, o assunto esquentou a Câmara Municipal. A base de governo sugere que a matéria seja transformada em projeto de lei, assinado por todos os parlamentares.

Na segunda-feira, a Justiça suspendeu decreto municipal nº 16.832, da Prefeitura de Belo Horizonte, para regulamentar a prestação de serviço de transporte individual privado remunerado de passageiros. A liminar atende pedido do vereador Gabriel Azevedo, do mesmo partido de Kalil, que argumenta que o assunto deveria ser regulamentado por projeto de lei, e não por decreto.

“Já que há um acordo na base em relação ao conteúdo do decreto, o prefeito pode apresentar projeto de lei que nós aprovamos aqui. Isso garante uma segurança legislativa e jurídica para a matéria”, comentou o vereador Irlan Melo (PR), em reunião entre parlamentares aliados a Kalil convocada para discutir o assunto.

Vinte e quatro dos 41 vereadores participaram do encontro. O líder de governo afirmou que Kalil está tratando a questão como prioridade e havia ido a São Paulo para se reunir com representantes da Uber Brasil em São Paulo. A intenção era conseguir agenda do prefeito com parlamentares amanhã.

RECURSO

A prefeitura ainda não foi notificada oficialmente sobre a decisão judicial, mas vai recorrer.“A base decidiu dar apoio integral ao conteúdo do decreto e, caso a Justiça suspenda em definitivo, vamos fazer projeto de lei. BH é a primeira capital que conseguiu unir as categorias para construir uma solução para os aplicativos de transporte”, afirmou Léo Burguês.

A base parlamentar negocia para que vereadores também assinem o texto, dividindo a autoria com o Executivo. A decisão do juiz Rinaldo Kennedy Silva, da 2ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública de BH, tem caráter liminar, portanto, temporário. Publicado em 23 de janeiro, o decreto previa o pagamento de um preço público pelas empresas no valor de 1% de todas as corridas intermediadas pelos aplicativos. O decreto também previa que as empresas deveriam passar os dados dos condutores parceiros dos aplicativos à BHTrans e limitava a circualção a veículos emplacados na região metropolitana.

Criticado pelos colegas vereadores em plenário, o vereador Gabriel Azevedo defendeu a posição. “O texto do decreto não é de todo ruim, mas sou professor de direito constitucional e esta é uma matéria que tem que ser aprovada pelo Legislativo, e não por decreto. É temerário que a caixa preta da BHTrans defina todos os detalhes sobre isso”, diz.

TAXISTAS E EMPRESAS

Acordado com taxistas e empresas de aplicativos de transporte, o decreto contava com o apoio de várias categorias. “Vemos com muita chateação a situação criada pelo vereador, pois estamos numa concorrência desleal com aplicativos. Queremos uma regulamentação”, afirmou o vice-presidente do Sindicato dos Taxistas (Sincavir), João Paulo de Castro.

A Uber informou, em nota, que a utilização de decretos é um caminho legítimo para a regulação e já foi amparado pelo Judiciário anteriormente. Outras cidades - como Curitiba, São José dos Campos e Vitória - adotaram este formato para regular os aplicativos de mobilidade. O decreto publicado pela Prefeitura de Belo Horizonte na última semana é um passo na direção de uma regulação moderna.

A 99 aguarda uma posição definitiva do Judiciário. “Seguimos operando normalmente na capital mineira de acordo com a Política Nacional de Mobilidade Urbana. Permanecemos à disposição do poder público para contribuir com uma regulamentação equilibrada que preserve a oportunidade de trabalho e renda dos motoristas e o direito de escolha dos passageiros”.

A Cabify também continua acompanhando o caso. “A empresa acredita que a regulamentação do transporte individual privado de passageiros e serviços correlatos é, além de legítima, necessária para garantir o bom equilíbrio concorrencial, contudo, a regulamentação não pode se dar de forma a inviabilizar o modelo de negócio que pretende regular”, informou.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212