Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 O que a mudança brusca de temperatura durante o eclipse da superlua pode ajudar a revelar - Jornal Brasil em Folhas
O que a mudança brusca de temperatura durante o eclipse da superlua pode ajudar a revelar


Os eclipses lunares como o que se viu nesta quarta-feira são um grande espetáculo.

Quem observou o céu conseguiu apreciar uma lua mais brilhante e maior, conhecida como superlua, que também coincidiu com um eclipse, com uma lua azul e uma lua de sangue, que resultou em imagens incríveis.

Mas os cientistas que investigam as características do satélite natural da Terra ganharam mais um presente.

Eclipses como o de quarta-feira são uma oportunidade perfeita para estudar a Lua usando uma câmera térmica astronômica, de acordo com a agência espacial norte-americana Nasa.

Durante um eclipse lunar, a oscilação da temperatura é tão dramática que é como se a superfície da Lua passasse de um forno a um freezer em poucas horas, explica o cientista Noah Petro, do Orbitador de Reconhecimento Lunar da Nasa.

A temperatura na superfície lunar durante um eclipse varia entre 93°C e -128°C.

O regolito

A mudança de temperatura é extrema e ocorre em um período relativamente curto.

Do Observatório Haleakala, na Ilha de Maui, no Havaí, pesquisadores americanos fizeram testes medindo comprimentos de ondas invisíveis para detectar o calor.

O principal objetivo foi estudar as características do regolito, a camada que recobre as rochas tanto na Lua quanto na Terra - formada por materiais diferentes em cada um desses astros -, diz a Nasa.

Ter uma compreensão clara de qual é a composição do solo na Lua é valioso para que as futuras missões tripuladas localizem pontos confiáveis ​​para fazer um pouso lunar.

Se você quiser pousar em um ponto, você quer ter certeza de que é um lugar seguro e relativamente livre de rochas, disse o cientista da Nasa Rick Elphic à NPR (Rádio Pública Nacional dos Estados Unidos, na sigla em inglês).

Um lugar onde suas botas não vão afundar em 18 polegadas (45 cm) ou algo assim, diz ele.

O lado escuro das crateras

O eclipse desta quarta-feira também ajudou no mapeamento da superfície lunar, uma tarefa que centros como o Orbitador de Reconhecimento Lunar têm a oportunidade de realizar uma ou duas vezes por ano, quando ocorrem eclipses lunares totais.

Toda a natureza da Lua muda quando é observada com uma câmera térmica durante um eclipse, diz Paul Hayne, do Laboratório de Física Atmosférica e Espacial da Universidade de Colorado Boulder.

Como explica a Nasa, quando ocorre um eclipse, crateras desconhecidas ficam expostas, uma vez que as rochas perdem calor com mais ou menos rapidez, dependendo de seu tamanho.

Algumas crateras começam a brilhar porque as rochas das quais são formadas ainda estão quentes, diz Hayne.

Esse tipo de informação permite que os pesquisadores entendam como ocorre a evolução da superfície da Lua.

Nos ajudam a contar a história de como os grandes e pequenos impactos estão mudando a superfície da Lua através da escala de tempo geológico, afirma o cientista Noah Petro.

Água na Lua

Outro objetivo da Nasa ao estudar a Lua durante os eclipses é entender como é o terreno de seus polos.

Até agora, as missões lunares se concentraram em regiões próximas ao equador do satélite.

Mas o Centro de Pesquisa Ames, da Nasa, encontrou evidências de que há depósitos de gelo no polo norte da Lua.

Os depósitos de gelo parecem ser desiguais e finos, e é possível que eles possam se misturar com a camada superficial de terra, poeira e pequenas rochas, chamadas regolito, diz o Centro Ames.

Uma futura missão tripulada à Lua, que encontre um ponto ideal para um pouso a partir de estudos feitos durante os eclipses, poderia fazer mais pesquisas e até mesmo se servir dessa fonte de água.

O gelo lunar não só poderia fornecer recursos para a exploração, mas também poderia nos ajudar a entender as origens da água da Terra, diz Matt Siegler, pesquisador do Instituto de Ciências Planetárias.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212