Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Na abertura do Ano Judiciário, Raquel Dodge defende efetividade das decisões judiciais - Jornal Brasil em Folhas
Na abertura do Ano Judiciário, Raquel Dodge defende efetividade das decisões judiciais


Na sessão solene de abertura do Ano Judiciário, nesta quinta-feira (1º), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que as decisões judiciais devem ser cumpridas, os direitos restaurados, os danos reparados, os problemas resolvidos e os culpados precisam pagar pelos seus erros. “Só assim se afasta a sensação de impunidade e se restabelece a confiança nas instituições”, disse.

Segundo ela, as instituições do sistema de justiça estão funcionando de modo independente e trabalham arduamente. “Aos tribunais superiores cabe corrigir eventuais erros e reparar situações de injustiça. Tudo isso é necessário, mas ainda não é suficiente, pois é preciso garantir efetividade. O momento não é de conforto nem de conveniência, mas de grandes desafios e de profundas controvérsias. Os olhos do país e o coração do povo observam e sentem o que pensam e decidem os órgãos de justiça”, declarou.

A procuradora-geral apontou que o Brasil vivencia a dura realidade de aumento da violência urbana, de corrupção ainda disseminada, de crise nas prisões e de sentimento da impunidade. “A efetividade da Justiça é um valor importante para os brasileiros. Sua ausência ocasional gera uma forma de sensação de impotência e insatisfação, mas sua ausência duradora provoca danos à sociedade e à democracia”, ponderou.

Raquel Dodge assinalou que o STF e o Ministério Público estão atentos à afirmação do ativista Martin Luther King de que “a injustiça em um lugar é uma ameaça à justiça em todo lugar”. Ela lembrou ainda que, em 2018, serão celebrados os 30 anos de promulgação da Constituição Federal que, a seu ver, transformou o país.

“Ao saudar a nova Constituição, Ulysses Guimarães disse algo que também é muito atual: ‘a moral é a cerne da pátria. A corrupção é o cupim da República. Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública. Não é uma Constituição perfeita, mas será útil, pioneira, desbravadora e a luz, ainda que de lamparina, na noite dos desgraçados’. O STF tem sido e deve ser sempre a luz da Constituição”, frisou.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE