Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Preço do bilhete aéreo sobe com a cobrança de bagagem - Jornal Brasil em Folhas
Preço do bilhete aéreo sobe com a cobrança de bagagem


A cobrança de tarifa de bagagem pelas companhias aéreas ainda não surtiu o efeito esperado pelo governo de baixar os preços das passagens aéreas. Segundo o IBGE, por meio do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), as passagens aéreas tiveram um aumento de 3,09% no ano passado. Analista do IBGE, Luciene Longo explica que quando a taxa passou a ser cobrada, em junho de 2017, a pesquisa do Instituto, que incluiu a tarifa de uma bagagem despachada de até 23 kg, apresentou alta. Segundo o IBGE, entre agosto de 2016 e o mesmo mês do ano passado, os preços das passagens aéreas apresentavam uma queda de 4,92%. “A partir de setembro de 2017, começamos a perceber o impacto da tarifa de bagagem, e o ano fechou em dezembro com uma aumento de 3%”, explica Luciene Longo. “Podemos dizer, ao menos, que a cobrança da tarifa de bagagem não fez cair o preço médio das passagens aéreas”, avalia a analista do IBGE.

Segundo a advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Cláudia Almeida, a tarifa apenas aumentou a receita das companhias aéreas. “Participamos dessa discussão por três anos e solicitamos que as empresas desmembrassem os preços das passagens que incluíam os 23 kg de bagagem. O objetivo era que, na hora de cobrar a tarifa, ocorresse um desconto do valor no bilhete sem o transporte da bagagem, mas esse desmembramento nunca ocorreu, não houve diminuição do valor, e sim aumento”, explica Cláudia Almeida.

Para a produtora editorial Letícia Howes, 39, a tarifa tornou mais caras as passagens aéreas. “O preço das passagens continuou o mesmo, a taxa de bagagem (que) encareceu”, avalia Leticia que mora em São Paulo e viaja sempre para Porto Alegre, onde os pais vivem. Ela conta que chegou a avaliar fazer a viagem de ônibus ou só com bagagem de mão. “Em maio de 2015 comprava ida e volta para Porto Alegre por R$ 160. Hoje, não é mais possível achar esse preço. Para meus pais virem em julho, encontrei por cerca de R$ 800 para os dois”, relata.

A cobrança fez aumentar o número de reclamações sobre despacho de bagagens no site Reclame Aqui. Um relatório baseado nas queixas registradas no site sobre despacho de bagagens mostrou que, no ano passado, 36,5% do total delas se referiam à cobrança. Foram 1.478 reclamações sobre a tarifa desde março, quando a resolução da Agência Nacional de Aviação (Anac) permitindo a taxa foi publicada.

Outro lado. A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) informou por nota que “não comenta índices de inflação”. Segundo a entidade, “nesse setor, o valor médio das tarifas pode ser pouco informativo, devendo-se considerar ainda que há grande dispersão dos preços, com inúmeras passagens vendidas a valores muito diversos”. A Abear salienta que só em junho de 2017 foram 5.871 rotas comercializadas com 425.856 tarifas diferentes. Em uma rota, diz a Abear, pode-se encontrar passagens entre R$ 143,95 e R$ 3.433,90.

Despacho mais caro. A Latam subiu nesta semana o valor da tarifa para o despacho de bagagens em trechos nacionais. O preço da primeira mala despachada subiu de R$ 30 para R$ 40. No momento do check-in, a primeira mala despachada para além da franquia continua a custar R$ 80. O valor da segunda mala subiu de R$ 50 para R$ 60 – no aeroporto, custa R$ 110. A terceira mala custa R$ 80 – R$ 200 no aeroporto.

Resolução da Anac é questionada por OAB e MP

A cobrança da bagagem pelas empresas aéreas pode deixar de vigorar, segundo a advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Cláudia Almeida. “Órgãos de defesa do consumidor e o Ministério Público estão questionando a resolução da Anac que permite a cobrança”, afirma Cláudia. Tanto o Ministério Público Federal como a OAB Federal entraram com uma ação civil pública questionando a resolução.

“A resolução da Anac tem que respeitar o Código de Defesa do Consumidor (CDC), que é uma lei federal e não permite cobranças não justificadas”, explica a advogada Lílian Salgado, membro da comissão de Direito do Consumidor da OAB-MG.

Segundo Lílian, a resolução da Agência tem outros pontos que desrespeitam o CDC. “A resolução fala que o arrependimento do consumidor que compra passagem é de 24 horas, e o CDC fala em sete dias. São contraditórios e não podem ser”, explica.

“Foi uma resolução que prejudicou o consumidor”, opina Cláudia Almeida.

Planejar deixa viagem mais barata

Para conseguir bons preços na passagem, o mais importante é o planejamento, na avaliação de Eduardo Fleury, country manager Brasil da Kayak, site buscador de viagens. “Quando for planejar a viagem, dois fatores podem ajudar: com que antecedência reservar e em que data”, explica Fleury.

Para ele, voos internacionais devem ser reservados com cerca de quatro meses de antecedência e voos domésticos cerca de um mês e meio antes. “A data também conta muito. Sair um dia antes ou voltar um dia mais cedo, pode garantir uma economia de até 20%”, diz. Ele lembra que o planejamento muda se é um passageiro ou uma família viajando.

 

Últimas Notícias

Receita paga hoje as restituições do último lote do IRPF 2018
Mercado mantém estimativa de inflação em 3,71% este ano
BC anuncia que atividade econômica cresce 0,02% em outubro
Embraer e Boeing aprovam termos para fusão
Leilão da Ceal é adiado para o dia 28 de dezembro
Tesouro quitou no ano R$ 4,19 bi de estados e municípios inadimplentes
Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
Com intervenção do BC, dólar começa semana em queda

MAIS NOTICIAS

 

Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
 
 
Documentos de Ghosn são recolhidos de apartamento em Copacabana
 
 
COP24: países definem regras para implementar Acordo de Paris
 
 
Crise na Nicarágua se agrava, diz Comissão de Direitos Humanos da OEA
 
 
Regulamentação do mercado de carbono será decidida somente na COP 25
 
 
Coreia do Norte adverte EUA que sanções podem impedir desnuclearização

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212