Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Indústria de máquinas deve crescer no ano - Jornal Brasil em Folhas
Indústria de máquinas deve crescer no ano


São Paulo. Após cinco anos seguidos com o faturamento em queda, a indústria nacional de máquinas e equipamentos deve crescer entre 5% e 10% em 2018, segundo previsão nesta quarta-feira (31) pela Abimaq, entidade que representa o setor. Diretores da associação alertaram, porém, que as incertezas no campo político são altas num ano de eleição, o que justifica a faixa larga entre as previsões mínima e máxima.

A Abimaq está preparando um documento, com foco em medidas de incentivo à retomada dos investimentos, para apresentar aos pré-candidatos da eleição presidencial de outubro. “A economia pode até crescer entre 2,8% a 3% neste ano, mas o crescimento não vai se sustentar se for focado apenas em consumo. Vamos levar a presidenciáveis a necessidade de investir”, afirmou João Carlos Marchesan, presidente do conselho de administração da Abimaq, na apresentação dos resultados da indústria de máquinas e equipamentos no ano passado, quando o faturamento do setor caiu 2,9%.

Segundo o executivo, se o futuro presidente tiver o compromisso de “reindustrializar” o Brasil, as fábricas de máquinas podem voltar a ser o que foram há 15 ou 20 anos. Por enquanto, a previsão de retomada do setor se sustenta na perspectiva de um crescimento de 2,7% da atividade econômica. Na indústria de transformação, principal cliente do setor, as previsões da Abimaq apontam para um crescimento entre 4% e 5% em 2018. “A estimativa é que a safra vai puxar o PIB um pouco para baixo, mas há consenso de que a indústria vai crescer”, comentou Mário Bernardini, diretor de competitividade da Abimaq.

Ele disse ver uma tendência de crescimento mais disseminado no consumo de bens de capital, inclusive com a recuperação das fabricantes de máquinas de construção. Para Bernardini, há um quadro muito indefinido nas eleições, o que gera efeitos fortes na economia. “Um quadro eleitoral mais tranquilo pode nos levar a um crescimento mais próximo de 10%. Já num quadro mais confuso, o crescimento pode ficar mais próximo de 5%”.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212