Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estado eleva base de cálculo de ICMS e encarece a gasolina - Jornal Brasil em Folhas
Estado eleva base de cálculo de ICMS e encarece a gasolina


O consumidor mineiro terá que arcar com mais um aumento no preço dos combustíveis a partir de quinta-feira (1). Dessa vez, o reajuste foi definido pelo governo do Estado, que subiu o valor de referência em que incide o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e, com isso, o valor fixo do tributo recolhido por litro de combustível. Com os novos valores, o preço do litro da gasolina comum ficará R$ 0,08 mais caro na bomba, e o do etanol terá acréscimo de R$ 0,04. O maior aumento foi na gasolina premium, que subirá R$ 0,18 por litro.

O valor de referência é usado para definir a cobrança do tributo por litro de combustível, por isso, quanto maior esse valor, maior a arrecadação, independentemente do valor real cobrado no posto. No caso da gasolina, o preço de referência passou de R$ 4,4203 para R$ 4,6762 nesse último aumento. Isso significa que o valor fixo do ICMS por litro era de R$ 1,37 e agora passou para R$ 1,45.

Esse será o segundo aumento de cálculo do ICMS nos combustíveis em 2018, já que no primeiro dia deste ano a alíquota do ICMS passou de 29% para 31% e também houve um alteração no valor de referência, que já havia sido definido em dezembro de 2017 e passou a vigorar em 1º de janeiro deste ano. “Com esse novo aumento, os impostos que incidem nos combustíveis vão ultrapassar 50% do preço por litro, já que eles ultrapassavam 49% do total antes dessa divulgação”, declara o diretor do sindicato do comércio varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Minas Gerais (Minaspetro), Braulio Chaves.

A Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) informou que “faz pesquisas periódicas em todas as regiões de Minas Gerais, com o intuito de aferir o preço médio ponderado do combustível (gasolina, etanol e diesel) praticado pelos revendedores, para fins de cálculo do ICMS devido”, afirma a nota divulgada pelo órgão. O Preço Médio Ponderado a Consumidor Final (PMPF) definido pela Secretaria, porém, está acima da média do preço identificado pela pesquisa realizada pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Enquanto a pesquisa da agência mostra que o preço médio do litro da gasolina no Estado, entre 21 e 27 de janeiro, era de R$ 4,423, a base de cálculo do ICMS definida pela Sefaz é de R$ 4,6762 por litro. No caso do etanol, a diferença é de R$ 3,161 (cálculo da ANP) para R$ 3,3835 (média definida pela Fazenda).

“No 1º dia de janeiro, a alíquota do ICMS subiu, causando um aumento do preço do combustível para o consumidor. A pesquisa identificou esse aumento, e o Estado subiu o valor de referência do ICMS” disse Chaves.

“É um exemplo de imposto cobrado sobre o imposto”, avalia. O dirigente observa que o aumento de impostos pode diminuir a demanda por combustível. “Os postos de gasolina se tornaram pontos de arrecadação para o Estado”, critica.

Já a SEF salienta que “20 das 27 unidades da Federação reajustaram a base de cálculo dos combustíveis” na mesma data que Minas.

Diesel

Sem alteração. O único combustível que manteve o valor de referência para cobrança do ICMS em fevereiro foi do diesel S10. Já o diesel S500 terá um aumento menos, de apenas R$ 0,01.

Mordida

“Com esse novo aumento, os impostos que incidem nos combustíveis vão ultrapassar 50% do preço por litro em Minas Gerais.”

Braulio Chaves

O preço da gasolina subiu no país em média 5% nos 12 meses de 2017, segundo um levantamento feito pelo Índice de Preços Ticket Log (IPTL). De acordo com o balanço, os preços caíram no primeiro semestre, mas o aumento dos tributos sobre os combustíveis, anunciado pelo governo em julho, refletiu-se em uma elevação nos valores. De R$ 3,71/L, em janeiro de 2017, o valor médio foi para R$ 3,92/L, em julho. A alta se estendeu e a gasolina encerrou o mês de dezembro a R$ 4,17/L. Já o GNV fechou o ano com média de preços de R$ 2,45/L, segundo o IPTL. Entre janeiro e dezembro do ano passado, a variação chegou a 7%.

Fazenda faz pesquisa para ter referência

O valor de referência dos combustíveis determinado pela Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) para cobrança do ICMS utiliza uma pesquisa do próprio órgão para determinar a arrecadação. Porém, o cidadão mineiro não tem acesso aos elementos da pesquisa. “Já solicitamos acesso a essa pesquisa, já perguntamos de onde vem a média, mas não obtivemos resposta”, afirma o diretor do Minaspetro, Braulio Chaves.

A secretaria disse, por nota, que, “para fazer a pesquisa, tem acesso ao Livro de Movimento de Combustíveis dos postos. Portanto, os dados são protegidos pelo Sigilo Fiscal previsto no Código Tributário Nacional. Por isso, somente o resultado da pesquisa é divulgado”, diz o órgão.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212