Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Entrega em casa se reinventa para conquistar mais clientes - Jornal Brasil em Folhas
Entrega em casa se reinventa para conquistar mais clientes


Sair de casa para comprar só mesmo se for necessário. Essa é a filosofia do gerente de administração Vanderson Silva, que se tornou preferencialmente um consumidor a distância. Ele conta que é um dos adeptos do novo sistema de delivery, via aplicativos. “Hoje, praticamente 90% das minhas compras são via aplicativos, de alimentos a roupas. A vantagem é a praticidade” diz. Outro benefício dessa modalidade é ter ferramentas que permitem fazer pesquisas nos apps, segundo Silva.

É fato que o serviço de delivery já existe há anos. A diferença é que, se antigamente, o atendimento era exclusivamente pelo telefone, hoje, com a tecnologia, os mais diversos canais de atendimento são utilizados pelas empresas – e-mail, WhatsApp, sites e aplicativos –, com o objetivo de ficar mais próximo do consumidor e, assim, aumentar as vendas. Com aplicativos como o Get Ninjas, depois de poucos cliques um nutricionista pode chegar à sua casa. Em outros apps, a pessoa pode escolher um médico comparando currículo, valor de consulta e tempo de chegada.

Já existe empresa oferecendo consultoria do produto que comercializa por essas plataformas, tudo para facilitar a vida do cliente. O delivery é tão importante que metade dos restaurantes e das lanchonetes atendidos pelo Sebrae em todo o país oferece o serviço, sem terceirização, para dar mais comodidade ao consumidor.

Além dos estabelecimentos que adotam a modalidade há décadas, negócios recentes no formato tradicional estão adotando o delivery. É o caso da hamburgueria The Taste Burguer, que depois de dois anos de mercado, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, se rendeu às entregas via telefone e aplicativo. Esse modelo começou no fim do ano passado.

No segmento de lavanderias, por exemplo, a rede 5àsec conta com o e-commerce, chamado de “Lavanderia Online”. O projeto inclui um novo website, que já está no ar, e um aplicativo para smartphones e tablets, que será lançado no primeiro trimestre deste ano. “Com isso, passamos a ter uma variedade maior de consumidores, em especial a nova geração, que vive mais conectada”, diz o diretor. Assim, os clientes podem contar com a coleta e a entrega de roupas sem precisar ir às lojas.

A rede está apostando no crescimento desse tipo de serviço, que representa de 35% a 40% do faturamento das lojas, segundo o diretor de franquias, Alex Quezada. Em cinco anos, a perspectiva é que a participação chegue a 50%. Quando o serviço foi lançado no Estado, representava, no máximo, 10% dos negócios, pois era algo pouco conhecido, observa Quezada.

Saúde. E, se tem um setor experiente, além do de bares e restaurantes, é o de saúde, em que o atendimento domiciliar veio muito antes da tecnologia. Há quase 20 anos, a empresa Hospital na Residência, sediada na capital, oferece esses serviços. “No nosso caso, é mais que comodidade, é necessidade”, observa o diretor Marcelo Baltazar. Ele explica que há possibilidade, para algumas especialidades, de o médico se deslocar até a residência do paciente, além da modalidade home care. “Entre as vantagens da internação domiciliar estão o contato maior com a família e a segurança, já que não há risco de infecção hospitalar”, diz.
Trânsito pior ajuda a aumentar a demanda

A combinação de pessoas com menos tempo livre e trânsito cada vez pior, em especial nas grandes cidades, fez a demanda pelos serviços de profissionais em domicílio aumentar. É o caso da fisioterapeuta Isabel Cristina Lara Freitas, que percebeu alta na demanda por esse tipo de serviço nos últimos três anos na capital. “Em torno de 80% de meus atendimentos são nas residências”, afirma. Ela vai até a casa de seus pacientes há dez anos.

Isabel diz que, entre os mais jovens, a procura pelo atendimento em casa tem relação com o trânsito ruim. No caso dos pacientes mais idosos, ela ressalta que existe a dificuldade de locomoção – muitos não dirigem e ficam dependendo de um parente para acompanhá-los a uma clínica. “Existe a comodidade de ter o serviço em casa. Além do tempo, há gastos nos deslocamentos, seja num estacionamento ou no pagamento do transporte, seja um táxi ou Uber, por exemplo”, analisa.

Aplicativo. A nutricionista Shellen Pollyanna, que está no Get Ninjas, percebeu a elevação da procura pelos seus serviços. “Comecei a atender em domicílio em 2014. Na época, esse tipo de atendimento representava de 1% a 2% dos meus pacientes. Hoje, está entre 30% e 40%”, ressalta.

Para ela, as pessoas estão mais ocupadas e valorizando, cada vez mais, o tempo. “Elas não querem perder tempo no deslocamento, no trânsito cada dia pior, estão mais práticas”, frisa. A nutricionista destaca ainda que outra vantagem para os profissionais que vão até os seus clientes é que não há faltas nem atrasos.
No setor de drogaria, serviço é fundamental para o cliente

A participação do delivery cresceu nos últimos anos na drogaria São Camilo, no bairro Caiçara, na região Noroeste de Belo Horizonte, conforme a proprietária Jacqueline Moreira Freitas. A empresa oferece o serviço de entrega há cerca de 18 anos. “Quando a gente começou, as encomendas não chegavam nem a 5% do movimento. Hoje, em torno de 40% das vendas são pelo delivery”, compara.

Para Jaqueline, quem não oferece o serviço perde vendas, principalmente para as grandes redes. “É uma comodidade, ainda mais para remédio. Muitas vezes, a mãe está com a criança doente e não tem como sair de casa”, diz.

Eletricidade. E quem está com obra em casa e precisa de algum material elétrico não precisa sair correndo buscar o produto. O gerente da Loja Elétrica, Édimo Pires, conta que, para casos urgentes, o pedido pode ser feito pelo telefone. “Temos o delivery há mais 30 anos. Só que a gente vai se modernizando para atender mais rápido”.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212