Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tillerson chega ao México e alerta para presença russa e chinesa na América Latina - Jornal Brasil em Folhas
Tillerson chega ao México e alerta para presença russa e chinesa na América Latina


O chefe da diplomacia dos Estados Unidos chegou nesta quinta-feira (1) ao México, no início de uma visita à América Latina, região à qual alertou para a crescente e alarmante presença de China e da Rússia.

O secretário de Estado, Rex Tillerson, que chegou na tarde à capital mexicana, se reunirá na sexta-feira com o presidente Enrique Peña Nieto e o chanceler Luis Videgaray.

Ainda em Austin, no Texas, antes de embarcar para o México, Tillerson promoveu um enfoque de crescimento econômico, segurança e democracia para as Américas, em contraste com a Venezuela corrupta e hostil de Nicolás Maduro.

A América Latina não precisa de novos poderes imperiais que só buscam beneficiar seu próprio povo, afirmou em um discurso na Universidade do Texas, onde o ex-diretor executivo da ExxonMobil se formou, advertiu sobre o desembarque de Pequim e Moscou na região e convocou os governos a cooperarem mais com os Estados Unidos.

O modelo de desenvolvimento liderado pelo Estado da China lembra o passado. Não tem que ser o futuro do hemisfério, acrescentou, destacando que as práticas comerciais desleais custariam empregos locais.

A crescente presença da Rússia na região também é alarmante, continuou, queixando-se de que Moscou venda armas a regimes (...) que não compartilham, nem respeitam o processo democrático.

Tillerson lembrou que os governos que prestem contas ao seu povo também asseguram sua soberania frente a possíveis predadores.

Com os Estados Unidos têm um sócio multinacional, um que beneficia os dois lados, enfatizou antes de iniciar uma viagem de seis dias por México, Argentina, Peru, Colômbia e Jamaica.

- Venezuela e Cuba: priorizar democracia -

Tillerson também destacou a crise econômica e política na Venezuela, uma das principais preocupações de Washington na América Latina.

O regime corrupto e hostil de Nicolás Maduro na Venezuela se agarra a um sonho irreal, uma visão da região que decepcionou seu povo, disse Tillerson.

Sob a presidência de Maduro, o país com as maiores reservas de petróleo do mundo enfrenta a queda de sua economia, em meio à escassez de remédios e alimentos, uma grande instabilidade política e um êxodo constante de venezuelanos buscando um futuro melhor.

Tillerson lembrou as sanções a Caracas impostas por Estados Unidos, Canadá e União Europeia, e pediu à América do Sul que se some em seu rechaço a Maduro. Continuaremos pressionando, disse.

Em seu primeiro ano de governo, além de lutar contra Maduro, Trump esfriou a aproximação com Cuba, iniciada por seu antecessor, Barack Obama.

O futuro de nossa relação depende de Cuba. Os Estados Unidos seguirão apoiando o povo cubano em sua luta por liberdade, declarou Tillerson.

Venezuela e Cuba nos lembram que para que nossa região cresça e prospere devem priorizar e promover valores democráticos, acrescentou.

- Crime organizado, a ameaça mais imediata -

Horas antes de sua chegada à Cidade do México, onde debaterá sobre segurança e imigração com funcionários de alto escalão, Tillerson advertiu sobre a necessidade de lutar contra os violentos cartéis de drogas.

A ameaça mais imediata ao nosso hemisfério são as organizações criminosas transnacionais, disse. Em sua busca por dinheiro e poder, deixam morte e destruição em sua passagem.

Sobre a Colômbia, um dos principais sócios dos Estados Unidos na região, mas também origem de 92% da cocaína apreendida no país, Tillerson reiterou o apoio de Washington aos esforços de pacificação com as guerrilhas comunistas, mas disse que os desafios persistem.

Infelizmente, o cultivo de coca disparou, disse, assinalando que há trabalho à frente, embora tenha destacado que o diálogo com as autoridades é aberto e franco.

Para muitos, nada simboliza melhor a postura atual dos Estados Unidos com os países ao sul que a determinação protecionista de Trump de levantar um muro na fronteira com o México, com o qual pretende frear a imigração ilegal e o tráfico de drogas.

Mas Tillerson, que muitas vezes deve explicar que o lema de Trump Estados Unidos primeiro não significa Estados Unidos sozinho, quer promover um enfoque mais positivo das relações com seus vizinhos da América Latina e do Caribe.

Compartilhamos uma história e uma cronologia entrelaçadas. Nossas nações ainda refletem o otimismo do Novo Mundo diante da descoberta ilimitada, disse em Austin.

E, o mais importante, compartilhamos valores democráticos, valores que são o núcleo do que acreditamos, independentemente da cor de nosso passaporte.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212