Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


26 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Explosivo memorando confidencial aumenta tensão nos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Explosivo memorando confidencial aumenta tensão nos EUA


O titular do Comitê de Inteligência da Câmara de Representantes, o republicano Devin Nunes, fala com a imprensa em Washington DC, em 24 de março de 2017

As tensões provocadas por um explosivo memorando confidencial sobre a vigilância do FBI à campanha presidencial de Donald Trump se acentuaram dramaticamente nesta quinta-feira (1) entre o presidente americano, o Partido Democrata e a comunidade da Inteligência.

O nó da polêmica que se arrasta há semanas é um documento de quatro páginas baseado em informações reservadas e redigido pelo titular do Comitê de Inteligência da Câmara de Representantes, o republicano Devin Nunes.

Esse relatório se baseia em escutas que o FBI realizou a um integrante da equipe de campanha eleitoral de Trump em 2016, no âmbito geral de investigações sobre a suposta ingerência da Rússia nas eleições presidenciais daquele ano.

Nunes pediu ao presidente uma autorização para tornar o documento público, em um gesto que desatou uma verdadeira tempestade política na capital do país, a ponto de o próprio FBI pedir que o memorando seja mantido em reserva.

Um funcionário de imprensa da Casa Branca, Raj Shah, disse nesta quinta que o presidente já leu o documento e a decisão sobre sua eventual publicação poderia ser iminente.

Neste cenário conturbado, o Partido Democrata tomou a iniciativa de criticar Nunes e até pedir sua remoção.

- Reação enérgica do FBI -

O vice-titular do Comitê de Inteligência, o democrata Adam Schiff, denunciou que o memorando que Nunes enviou à Casa Branca para que sua publicação seja autorizada não é o mesmo que essa comissão discutiu extensamente.

Descobri que o legislador Nunes introduziu mudanças materiais ao memorando que foi enviado à Casa Branca, mudanças não aprovadas pelo Comitê. Por isso, a Casa Branca revisa um documento que o Comitê não aprovou, assegurou em um tuíte.

Diante dessa denúncia, nesta quinta-feira a titular do partido na Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, pediu que Nunes seja removido imediatamente da presidência do Comitê de Inteligência.

O líder democrata no Senado, Chuck Schumer, enviou uma carta urgente ao presidente da Câmara de Representantes, Paul Ryan, para alertá-lo de que a manobra de Nunes se propõe a desacreditar o FBI com um documento cheio de conspirações.

Para os republicanos, o memorando deixa evidente que o FBI se nutriu de informações do Partido Democrata para obter autorização à vigilância de um funcionário da campanha de Trump, em um caso evidente de abuso de poder.

Para os democratas, ao contrário, a redação do memorando e sua publicação são apenas uma manobra para enfraquecer o FBI e, com isso, poder questionar a investigação sobre os eventuais laços entre a campanha eleitoral de Trump e funcionários russos.

O procurador especial Robert Mueller conduz uma investigação independente do Departamento de Justiça sobre o suposto conluio da equipe de Trump com a Rússia durante as eleições de 2016. Para essa tarefa utiliza agentes do FBI especialmente escolhidos.

Na quarta-feira, este quadro motivou um momento extraordinário na política americana, no qual o diretor do FBI e o presidente entraram em uma evidente trajetória de colisão.

Christopher Wray foi confirmado no cargo de diretor do FBI somente em agosto, mas na quarta-feira se manifestou publicamente contra a divulgação do memorando, apesar de horas antes o próprio Trump ter comentado com um legislador que apoiava 100% a sua difusão.

- Consequências da polêmica -

Nos corredores do Congresso, legisladores republicanos já defendem abertamente a suspensão da investigação conduzida por Mueller, que foi apontado por Rosenstein para essa tarefa.

Toda essa investigação de Mueller é uma ficção que nunca deveria ter sido lançada, disse o legislador republicano Matt Gaetz à rede de televisão FoxNews.

John Brennan, ex-diretor da Agência Central de Inteligência (CIA), não poupou palavras ao criticar Nunes: nunca vi esse tipo de comportamento partidário irresponsável que vejo atualmente por parte de Nunes e dos legisladores republicanos.

Para Brennan, a ausência de liderança moral e ética na Casa Branca inflama esta crise.

O também ex-diretor da CIA Michael Hayden lamentou que essa situação estritamente partidária provoque danos enormes a todas as instituições, do Congresso à Presidência, passando pelo FBI.

 

Últimas Notícias

Temer deixa prédio da Polícia Federal no Rio
Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212