Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Explosivo memorando confidencial aumenta tensão nos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Explosivo memorando confidencial aumenta tensão nos EUA


O titular do Comitê de Inteligência da Câmara de Representantes, o republicano Devin Nunes, fala com a imprensa em Washington DC, em 24 de março de 2017

As tensões provocadas por um explosivo memorando confidencial sobre a vigilância do FBI à campanha presidencial de Donald Trump se acentuaram dramaticamente nesta quinta-feira (1) entre o presidente americano, o Partido Democrata e a comunidade da Inteligência.

O nó da polêmica que se arrasta há semanas é um documento de quatro páginas baseado em informações reservadas e redigido pelo titular do Comitê de Inteligência da Câmara de Representantes, o republicano Devin Nunes.

Esse relatório se baseia em escutas que o FBI realizou a um integrante da equipe de campanha eleitoral de Trump em 2016, no âmbito geral de investigações sobre a suposta ingerência da Rússia nas eleições presidenciais daquele ano.

Nunes pediu ao presidente uma autorização para tornar o documento público, em um gesto que desatou uma verdadeira tempestade política na capital do país, a ponto de o próprio FBI pedir que o memorando seja mantido em reserva.

Um funcionário de imprensa da Casa Branca, Raj Shah, disse nesta quinta que o presidente já leu o documento e a decisão sobre sua eventual publicação poderia ser iminente.

Neste cenário conturbado, o Partido Democrata tomou a iniciativa de criticar Nunes e até pedir sua remoção.

- Reação enérgica do FBI -

O vice-titular do Comitê de Inteligência, o democrata Adam Schiff, denunciou que o memorando que Nunes enviou à Casa Branca para que sua publicação seja autorizada não é o mesmo que essa comissão discutiu extensamente.

Descobri que o legislador Nunes introduziu mudanças materiais ao memorando que foi enviado à Casa Branca, mudanças não aprovadas pelo Comitê. Por isso, a Casa Branca revisa um documento que o Comitê não aprovou, assegurou em um tuíte.

Diante dessa denúncia, nesta quinta-feira a titular do partido na Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, pediu que Nunes seja removido imediatamente da presidência do Comitê de Inteligência.

O líder democrata no Senado, Chuck Schumer, enviou uma carta urgente ao presidente da Câmara de Representantes, Paul Ryan, para alertá-lo de que a manobra de Nunes se propõe a desacreditar o FBI com um documento cheio de conspirações.

Para os republicanos, o memorando deixa evidente que o FBI se nutriu de informações do Partido Democrata para obter autorização à vigilância de um funcionário da campanha de Trump, em um caso evidente de abuso de poder.

Para os democratas, ao contrário, a redação do memorando e sua publicação são apenas uma manobra para enfraquecer o FBI e, com isso, poder questionar a investigação sobre os eventuais laços entre a campanha eleitoral de Trump e funcionários russos.

O procurador especial Robert Mueller conduz uma investigação independente do Departamento de Justiça sobre o suposto conluio da equipe de Trump com a Rússia durante as eleições de 2016. Para essa tarefa utiliza agentes do FBI especialmente escolhidos.

Na quarta-feira, este quadro motivou um momento extraordinário na política americana, no qual o diretor do FBI e o presidente entraram em uma evidente trajetória de colisão.

Christopher Wray foi confirmado no cargo de diretor do FBI somente em agosto, mas na quarta-feira se manifestou publicamente contra a divulgação do memorando, apesar de horas antes o próprio Trump ter comentado com um legislador que apoiava 100% a sua difusão.

- Consequências da polêmica -

Nos corredores do Congresso, legisladores republicanos já defendem abertamente a suspensão da investigação conduzida por Mueller, que foi apontado por Rosenstein para essa tarefa.

Toda essa investigação de Mueller é uma ficção que nunca deveria ter sido lançada, disse o legislador republicano Matt Gaetz à rede de televisão FoxNews.

John Brennan, ex-diretor da Agência Central de Inteligência (CIA), não poupou palavras ao criticar Nunes: nunca vi esse tipo de comportamento partidário irresponsável que vejo atualmente por parte de Nunes e dos legisladores republicanos.

Para Brennan, a ausência de liderança moral e ética na Casa Branca inflama esta crise.

O também ex-diretor da CIA Michael Hayden lamentou que essa situação estritamente partidária provoque danos enormes a todas as instituições, do Congresso à Presidência, passando pelo FBI.

 

Últimas Notícias

Assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes completa 9 meses
Polícia do Rio cumpre 11 mandados de prisão por fraudes na saúde
Bolsonaro quer doar mais de R$ 1 milhão de sobras de campanha
IGP-10 fecha ano com inflação de 7,92%
China é principal destino das exportações brasileiras em novembro
Setor de serviços cresce 0,1% em outubro, diz IBGE
Médicos têm até hoje para se apresentar aos municípios
Participação de cidades de SP e RJ no PIB nacional cai para 16,2%

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212