Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Almoçar um PF fica mais caro na capital - Jornal Brasil em Folhas
Almoçar um PF fica mais caro na capital


O tradicional prato feito, chamado também de PF, está mais caro para o consumidor. Pesquisa do site Mercado Mineiro mostra um aumento de 17,8% de janeiro de 2017 ante o mesmo período deste ano, percentual seis vezes maior do que o da inflação do ano passado – que fechou o ano com reajuste de 2,9%. Se há um ano o belo-horizontino pagava, em média, R$ 14,13 na refeição, agora, ele precisa desembolsar R$ 16,65.

O marmitex também teve aumento: de 0,57%, o pequeno, e 5,8%, o grande. Só a comida a quilo, o famoso self-service, encerrou o mês com ligeira queda de 1,22%. Mas, em compensação, é a opção mais cara para quem precisa comer fora de casa. O que fazer, então, se o salário no bolso do brasileiro não aumentou para cobrir o gasto com alimentação?

O economista Feliciano Abreu, coordenador do Mercado Mineiro, afirma que simplesmente boicotar os restaurantes não resolve. “Isso só ia fechar o comércio e gerar mais desemprego”, explica. Uma saída, segundo ele, é ter equilíbrio. “A pessoa pode almoçar em restaurante três vezes por semana e, nos outros dias, levar marmita”, sugere Abreu. “O importante é não perder o poder de compra e se alimentar bem”.

Outra dica é para os empresários. “Mais do que nunca, é preciso comprar bem, encontrar produtos bons que estejam em oferta”, completa o economista.

O músico Daniel Neto, criador do blog Baixa Gastronomia, é especialista em prato feito e afirma que, mesmo tendo o maior reajuste, essa ainda é a melhor opção para comer fora de casa. “Sou defensor do PF porque sai mais barato que o quilo e, geralmente, são pratos bem servidos. É possível achar ótimas opções em Belo Horizonte por R$ 14”, argumenta.

Ele almoça em restaurante ao menos quatro vezes por semana e diz que é preciso pesquisar bastante para conseguir manter esse ritmo. “Se tiver o mínimo de tempo, tem que conferir os preços e não ter preguiça de caminhar dois ou três quarteirões para achar algo que seja mais em conta”, diz.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212