Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Catar, isolado por seus vizinhos, amplia a compra de armas - Jornal Brasil em Folhas
Catar, isolado por seus vizinhos, amplia a compra de armas


Desde o início da crise com seus poderosos vizinhos do Golfo, que tentam isolá-lo, o rico emirado do Catar investe intensamente na compra de armas, para fazer frente a qualquer eventualidade e demostrar que continua a fazer negócios com o Ocidente.

A Arábia Saudita e seus aliados romperam, em junho, todas as relações com Doha, acusando o país que vai receber a Copa do Mundo de futebol de 2022 de apoiar grupos extremistas e de se aproximar do Irã, grande rival de Riade.

Desde então, o Catar anunciou a assinatura de uma série de contratos militares por um valor total de 20 bilhões de euros (25 bilhões de dólares).

Ainda que os gastos em defesa do Catar tenham aumentado nos últimos anos, essa aceleração parece ligada à crise, opina David Roberts, professor da Kings College de Londres.

Após o início da crise, Doha comprou caças F-15 dos Estados Unidos. Em dezembro, o emirado assinou um contrato para a aquisição de 12 aviões de combate Rafale adicionais, durante uma visita do presidente francês Emmanuel Macron.

O país também confirmou uma encomenda de sete navios de guerra para a Itália e iniciou negociações para comprar sistemas russos de defensa antiaérea S-400.

Em dezembro, durante um feriado nacional, as tropas catarianas desfilaram com mísseis balísticos de fabricação chinesa recém-adquiridos.

Há um investimento maciço no âmbito militar, resume Andreas Krieg, conselheiro do governo catariano até o ano passado.

O ritmo crescente de gastos militares revela o temor de uma invasão, apontam especialistas.

De acordo com Krieg, o medo de uma invasão remonta a 2014, quando a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein convocaram para consulta seus embaixadores em Doha repentinamente.

A crise foi resolvida - ou, pelo menos, abafada -, mas a memória dela segue viva.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212