Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Catar, isolado por seus vizinhos, amplia a compra de armas - Jornal Brasil em Folhas
Catar, isolado por seus vizinhos, amplia a compra de armas


Desde o início da crise com seus poderosos vizinhos do Golfo, que tentam isolá-lo, o rico emirado do Catar investe intensamente na compra de armas, para fazer frente a qualquer eventualidade e demostrar que continua a fazer negócios com o Ocidente.

A Arábia Saudita e seus aliados romperam, em junho, todas as relações com Doha, acusando o país que vai receber a Copa do Mundo de futebol de 2022 de apoiar grupos extremistas e de se aproximar do Irã, grande rival de Riade.

Desde então, o Catar anunciou a assinatura de uma série de contratos militares por um valor total de 20 bilhões de euros (25 bilhões de dólares).

Ainda que os gastos em defesa do Catar tenham aumentado nos últimos anos, essa aceleração parece ligada à crise, opina David Roberts, professor da Kings College de Londres.

Após o início da crise, Doha comprou caças F-15 dos Estados Unidos. Em dezembro, o emirado assinou um contrato para a aquisição de 12 aviões de combate Rafale adicionais, durante uma visita do presidente francês Emmanuel Macron.

O país também confirmou uma encomenda de sete navios de guerra para a Itália e iniciou negociações para comprar sistemas russos de defensa antiaérea S-400.

Em dezembro, durante um feriado nacional, as tropas catarianas desfilaram com mísseis balísticos de fabricação chinesa recém-adquiridos.

Há um investimento maciço no âmbito militar, resume Andreas Krieg, conselheiro do governo catariano até o ano passado.

O ritmo crescente de gastos militares revela o temor de uma invasão, apontam especialistas.

De acordo com Krieg, o medo de uma invasão remonta a 2014, quando a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein convocaram para consulta seus embaixadores em Doha repentinamente.

A crise foi resolvida - ou, pelo menos, abafada -, mas a memória dela segue viva.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212