Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Índice de infestação pelo Aedes aegypti cresce e deixa Belo Horizonte em alerta - Jornal Brasil em Folhas
Índice de infestação pelo Aedes aegypti cresce e deixa Belo Horizonte em alerta


O índice de infestação do Aedes aegypti aumentou em Belo Horizonte. O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti – LIRAa, de janeiro deste ano, divulgado ontem pela Secretaria Municipal de Saúde (SMSA-BH), demonstra que em 2,4% dos imóveis pesquisados na capital foram encontradas larvas do mosquito, que é o vetor do zika vírus, chikungunya e a dengue, e também da febre amarela em áreas urbanas.

Diante do quadro, equivale a dizer que a cada 100 imóveis pesquisados em BH, em mais de dois foram encontrados focos do Aedes aegypti. O LIRAa realizado em janeiro do ano passado apontou um índice de 1,3%. De acordo com a padronização do Ministério da Saúde, o índice de infestação larvária recomendado para evitar epidemia é de até 1%. O índice apurado na capital é considerado de médio risco. Situações de alto risco é quando se apura percentual igual ou superior a 4,0%.

A regional de Belo Horizonte com o mais elevado LIRAa é a do Venda Nova, com 3,6%, ou seja, a cada 100 imóveis, quase quatro foram encontrados focos do mosquito. Na sequência, apresentam altos índices a Pampulha, com 3,0% e Leste 2,9%. As regiões Nordeste e Norte apresentaram 2,5%, Noroeste 2,1%, Barreiro 2,0% e Oeste e Centro-Sul registraram 1,6%, valor ainda acima da média da cidade em janeiro de 2017.

O LIRAa foi realizado em cerca de 51 mil imóveis da capital mineira. O levantamento revelou que 79,7% dos focos do mosquito estão dentro dos domicílios. Dentre os criadouros predominantes, destaque para os inservíveis (tampinhas, vasilhames, garrafas) que representam 27,5% dos criadouros, seguido pelos pratos de plantas (17%) e barris ou tambores (9,5%).

O LIRAa identifica as áreas da cidade com maior proporção/ocorrência de focos do mosquito e os criadouros predominantes. O levantamento é realizado três vezes por ano, em janeiro, março e em outubro.

A partir dos dados, a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da SMSA, realiza ações de combate e prevenção ao Aedes aegypti durante todo o ano, independente do número de casos da doença. As ações consistem em visitas de casa em casa com o objetivo de informar, prevenir e debelar focos do mosquito transmissor; monitoramento quinzenal de 707 pontos estratégicos, com identificação de focos e aplicação de produtos químicos. Estes locais são vistoriados a cada 15 dias; e monitoramento e acompanhamento de todos os casos suspeitos notificados, que são georreferenciados e investigados.

Também é realizada uma avaliação ambiental focalizada, pelas equipes de controle de zoonoses e, se houver indicação técnica, ocorre a aplicação do produto químico a ultra-baixo-volume (UBV) por intermédio de equipamentos costais motorizados, além da aplicação de larvicidas e adulticidas de poder residual.

Há ainda o monitoramento do Aedes aegypti por meio de cerca 1.700 armadilhas para colocação de ovos (ovitrampas) que são instaladas quinzenalmente e recolhidas após sete dias. O acompanhamento permanente desses resultados auxilia no direcionamento das ações de intensificação, além daquelas de rotina.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212