Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Bloco Tá Pirando, Pirado, Pirou homenageia Dona Ivone Lara - Jornal Brasil em Folhas
Bloco Tá Pirando, Pirado, Pirou homenageia Dona Ivone Lara


Desde 2004 levando para as ruas do Rio de Janeiro a bandeira da luta antimanicomial, o bloco Tá Pirando, Pirado, Pirou realizou na tarde de hoje (4) um desfile em homenagem a cantora e compositora Dona Ivone Lara. O cortejo se concentrou às 15h na Avenida Pasteur, no bairro da Urca. De lá, os foliões seguiram até a entrada do Bondinho do Pão de Açúcar.

O Tá Pirando, Pirado, Pirou nasceu a partir de uma articulação feita há 14 anos por trabalhadores do Instituto Philippe Pinel, hospital psiquiátrico do Rio de Janeiro. Entre os acompanhantes do desfile, estão pacientes e profissionais da rede de saúde mental. O cortejo busca desmistificar a ideia de que pessoas com sofrimento mental são perigosas. O objetivo é proporcionar aos pacientes um sentimento de pertença à sociedade, mostrando que o tratamento pode ser conduzido sem que haja um aprisionamento.

A ideia de homenagear Dona Ivone Lara neste ano está relacionada com a história da cantora. Ela trabalhou como enfermeira e assistente social em hospitais psiquiátricos de 1947 a 1977. Nessa trajetória, atuou também no Serviço Nacional de Doenças Mentais juntamente com a doutora Nise da Silveira, uma das principais referências da luta antimanicomial no Brasil.

A música tema Dona Ivone Lara, orgulho brasileiro deu o tom do desfile. Hoje o Tá Pirando se agiganta e o mundo do samba levanta para homenagear Dona Ivone Lara, nossa diva popular, diz um dos versos escritos por André Cabral. É uma maneira de desinstitucionalizar a loucura. O sofrimento existe, às vezes é difícil. Mas ainda assim, existe alegria. Numa tarde como hoje, independentemente dos sofrimentos psíquicos de cada um, estão todos aqui felizes e extrovertidos. Ninguém precisa sofrer todo dia. O bloco é uma iniciativa fantástica de inclusão social, disse o compositor.

Dona Ivone Lara, também conhecida como a Rainha do Samba, está hoje com 96 anos. Sua carreira artística é marcada pela busca do protagonismo em uma época onde o ambiente do samba era dominado majoritariamente por homens e de difícil inserção para as mulheres. Suas composições, como Sonho meu, Acreditar e Alguém me avisou, ficaram marcadas tanto em sua voz como na de cantores como Maria Bethânia, Gal Costa, Zeca Pagodinho, entre outros.

A homenagem contou ainda com a participação de um convidado especial, o músico André Lara, neto de Dona Ivone Lara. Ele cantou sucessos de sua avó. Outra peculiaridade do desfile deste ano foi a criação de uma ala para crianças, uma iniciativa do Centro de Atenção e Reabilitação à Infância e Mocidade (Carim). A unidade, vinculada à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), atende o público infanto-juvenil, buscando promover a inserção social e criar neles o sentimento de pertencimento à cidade.

Lembrando um verso composto por Dona Ivone Lara, a ala foi denominada Eu vim de lá, eu vim de lá, piquininim. De acordo com a psicóloga Nathália Armony, a iniciativa foi parte de um projeto que envolveu a realização da várias oficinas e atividades com as crianças, os familiares e a própria equipe. A escola ainda é o grande local de inserção para crianças e adolescentes que tenham questões de saúde mental. Então, quando chegam as férias, é difícil elas estarem na cidade, ocuparem espaços da cidade. Daí veio a ideia de realizarmos várias atividades durante as férias, em museus, na praia, e o carnaval fez parte do projeto.

A analista de sistemas Mônica Gomes Rodrigues dos Santos aprovou. Ela é mãe de Victor Gomes dos Santos, um dos atendidos pelo Carim. É uma oportunidade que nós temos de estarmos juntos em um momento de diversão para as crianças. E é um momento em que ele pode socializar com outras pessoas e buscar superar suas dificuldades.

Outros blocos

Desde sexta-feira (2) até hoje (4), as ruas do Rio de Janeiro foram ocupadas por mais de 115 blocos, que realizaram ensaios ou desfiles. Entre os maiores, estavam o Bloco da Preta, que arrastou cerca de 450 mil pessoas no centro da cidade nesta manhã, e o Simpatia é Quase Amor, que no sábado (3) levou aproximadamente 60 mil foliões para as ruas de Ipanema, na zona sul.

O Bloco da Preta, comandado pela cantora Preta Gil, teve a atriz Carolina Dieckmann como madrinha. A cantora Pablo Vittar também marcou presença como convidada especial. É um arraso. A Preta Gil representa. Ela abraça a causa gay e toda a comunidade LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros]. Ela abraça a todos nós, disse Iuri Abreu, que veio de São João de Meriti (RJ) fantasiado de minnie [personagem de Walt Disney].

As crianças também puderam se fantasiar e se divertir em sete blocos realizados integralmente para elas. No sábado, desfilaram o Bloco da Mamadeira, o Bloco da Sá Pereira Infantil, o Bloco da Pracinha e o Mini Bloco. Hoje foi a vez do Bailinho do Capitão Trombeta, Gigantes da Lira e do Pipoca e Guaraná.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212