Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Como escapar do guepardo, o animal terrestre mais rápido do mundo? - Jornal Brasil em Folhas
Como escapar do guepardo, o animal terrestre mais rápido do mundo?


A perseguição do guepardo a sua presa é uma das mais conhecidas e dramáticas batalhas na natureza selvagem.

Esse felino é o animal terrestre mais veloz do mundo, mas nem sempre a rapidez garante o sucesso de sua caçada.

Em média, um guepardo só consegue capturar seu alvo em metade das tentativas.

Qual é, então, o segredo de quem consegue escapar?

Cientistas puseram coleiras para monitorar guepardos e suas presas a fim de descobrir isso.

Os equipamentos foram criados especialmente para registrar a velocidade do animal, sua aceleração e desaceleração e quão rápido eles consegue mudar de direção.

Uma pequena amostra do seu tecido muscular foi coletada para analisar a força muscular máxima do animal.

O estudo publicado na revista Nature também faz parte do documentário Big Cats (Grandes Felinos, em tradução livre), da BBC.

“Vemos o espetáculo da caçada em documentários sobre vida selvagem, mas, aqui, estamos registrando milhares de caçadas, inclusive as que não vemos, como quando caçam à noite ou em meio à vegetação mais densa”, diz o veterinário Alan Wilson, pesquisador do Royal Veterinary College, no Reino Unido, que conduziu a pesquisa em parceria com cientistas da Universidade de Botsuana.

“Isso nos permite ter um retrato completo de como funciona uma caçada e ter um modelo computacional capaz de nos dizer como será uma perseguição e seu resultado.”

Foi assim que os cientistas descobriram que os animais que escapam de guepardos fazem isso ao dar uma guinada para o lado no último segundo.

Quanto maior a velocidade de um predador, mais difícil é para ele virar tão abruptamente. Para um animal tão rápido quanto o guepardo, que atinge até 100 km/h, essa manobra é ainda mais complexa.

“A presa define como será a caçada”, diz Winson. “Ela decide quando correr, quão rápido ela irá. Então, está sempre um passo à frente do predador.”

Com isso, o predador precisa ser mais atlético, acrescenta o pesquisador, para ser capaz de competir com a mais habilidade da presa de realizar manobras.

O guepardo tem 20% mais força muscular, uma capacidade de aceleração 37% maior e 72% de desaceleração em comparação com uma de suas presas mais comuns, a impala.

É essa capacidade de mudar de direção que permite à impala e outros animais sobreviverem mesmo sem superar o felino na corrida.

“Se a presa tenta escapar usando velocidade, faz uma péssima escolha, porque o guepardo é mais rápido e consegue acelerar mais velozmente. Fazer isso favorece o predador”, afirma Wilson.

“A melhor tática para a presa é correr relativamente devagar e virar no último momento possível.”

Cientistas atribuem essas diferenças a um reflexo da “corrida da evolução” entre presa e predador.

Em outras palavras, se os predadores fossem muito bem-sucedidos em suas caçadas, eles acabariam ficando sem ter o que caçar em pouco tempo.

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212