Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Casos prováveis de dengue, zika e chikungunya disparam em uma semana - Jornal Brasil em Folhas
Casos prováveis de dengue, zika e chikungunya disparam em uma semana


segue fazendo vítimas no estado e a passos largos. É o que diz o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG) publicado nesta segunda-feira sobre casos prováveis de vítimas do mosquito. O relatório da última semana aponta alta superior a 50% para todas as doenças ligadas ao mosquito: dengue, zika e chikungunya.

O número de pacientes prováveis de dengue cresceu 73% desde o relatório da semana passada, saltando de 2.221 casos para 3.007 – a relação é referente a este ano. O número de mortes pela doença também cresceu, passando de uma para três. No ano passado, 15 óbitos por dengue foram confirmados, de acordo com a SES/MG. Somente na Região Central, cinco municípios tiveram casos: Capim Branco, Curvelo, Ibirité, Pedro Leopoldo e Ribeirão das Neves.

As outras cidades foram: Arinos (Noroeste), Bocaiúva (Norte), Leopoldina (Mata), Medina (Jequitinhonha), Monsenhor Paulo (Sul), Patos de Minas (Alto Paranaíba), São José do Divino (Rio Doce), Araguari (Triângulo), Uberaba (Triângulo) e Uberlândia (Triângulo). Não existe uma faixa etária predominante, e a média aritmética das idades foi de 58,6 anos, sendo que as vítimas tinham entre 3 e 93 anos.

Já os casos de chikungunya cresceram 67% desde o último balanço divulgado. Os números de casos prováveis subiram de 496 para 734, sendo que não há óbito confirmado ou em investigação pela doença em 2018. Em 2017, 13 pessoas morreram de chikungunya – só em Governador Valadares, no Rio Doce, foram 10 óbitos; os outros foram em Central de Minas, Ipatinga e Teófilo Otoni. A média das idades foi de 75,7 anos, e 12 pessoas tinham mais de 65 anos.

Os números para zika são menores do que os de outras doenças provocadas pelo mosquito: alta de 53% em uma semana. Na semana passada, 17 casos foram relatados pela pasta, sendo que nesta segunda-feira o documento continha 32 casos prováveis. Dez eram gestantes. A maior incidência da doença é em Timóteo, no Rio Doce, com quatro gestantes. Belo Horizonte e Ubá, na Zona da Mata, tiveram duas gestantes registradas, cada uma. No ano passado, 748 casos foram registrados. Das 136 grávidas que estavam entre os casos prováveis, 74 receberam o diagnóstico confirmando a doença, que pode provocar malformação do cérebro.

 

Últimas Notícias

Justiça determina penhora da taça do Mundial de Clubes do Corinthians
PRF apreende 160 quilos de cocaína que abasteceria o Complexo da Maré
Reflorestamento avança e pesca segue restrita no Rio Doce após 3 anos
Rio retorna ao estágio de normalidade, após temporais
TJ suspende penhora da taça do Mundial de Clubes do Corinthians
Festival de cinema de Brasília começa hoje com homenagem a Spike Lee
Mourão visita Petrobras e se diz impressionado com situação da estatal
Institutos emitem alerta devido ao volume de chuvas no Espírito Santo

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212