Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Valor da venda de passagens do metrô de BH é maior que repasse da União - Jornal Brasil em Folhas
Valor da venda de passagens do metrô de BH é maior que repasse da União


A operação do metrô de Belo Horizonte corre o risco de ficar prejudicada devido a contingenciamento de 40%dos recursos repassados pelo governo federal para a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) em relação aos valores de 2017, saindo de R$ 260 milhões para R$ 150 milhões, montante que será dividido entre a capital mineira, Natal, Maceió, João Pessoa e Recife. Somente em BH, o faturamento com a bilheteria por ano é de R$ 99,6 milhões, mas o valor é repassado para um caixa único e repartido com os outros municípios. O governador Fernando Pimentel (PT) prometeu ir à Brasília junto com o prefeito Alexandre Kalil (PHS) para tentar evitar a parada do metrô de Belo Horizonte. Até as 19h, entretanto, o prefeito informava que não havia recebido convite do governador para o encontro. Já a CBTU diz que necessita de uma recomposição na Lei Orçamentária Anual para não ter problemas na operação do sistema.

A divulgação do contingenciamento dos recursos ocorreu depois que começou a circular nas redes sociais, principalmente de pessoas ligadas ao metrô, uma ata da reunião entre todas as superintendências da CBTU. O encontro teria ocorrido em 31 de janeiro. No documento, consta a redução de 42% do orçamento em relação ao ano passado. Belo Horizonte vai receber, segundo o Sindicato dos Metroviários de Minas Gerais (Sindimetro-MG), aproximadamente R$ 54 milhões para o ano todo. “Por mês, dá uma média de R$ 4,3 milhões. Somente com energia de tração são gastos R$ 2 milhões por mês, ou seja, metade do valor. Com certeza vai faltar verba”, afirmou Robson Zeferino, diretor do Sindmetro-MG. Na ata também constam medidas de economia que seriam adotadas pela CBTU a partir de março, como operação comercial apenas em horários de pico, de segunda-feira a sexta-feira, além da notificação de empresas prestadoras de serviços para a suspensão parcial ou total de contratos. Os trabalhadores receberam a notícia com preocupação e questionaram a forma como são feitos os investimentos. “Somos a unidade que mais arrecada. Esse dinheiro vai para o caixa único e é distribuído para outras cidades da Federação. Arrecadamos mais e recebemos menos. É uma briga antiga”, explicou Zeferino.


A média de passageiros por dia em BH, segundo o Sindmetro, é de 220 mil pessoas. A arrecadação com a bilheteria é de aproximadamente R$ 99,6 milhões. Há ainda arrecadação com a publicidade nas estações e aluguéis de galpões da CBTU. Os trabalhadores acreditam que a falta de repasse pode influenciar no valor das passagens. “Nossa passagem é R$ 1,80 há 13 anos. Pode ser uma Justificativa para aumentar o valor”, disse o diretor do Sindmetro.

BRIGA DE GOVERNOS A notícia de que o metrô de BH pode ter os serviços paralisados devido ao contingenciamento de recursos, escancarou uma crise entre os governos de Minas e o Federal. Por meio de um vídeo publicado em sua página no Facebook, o governador Fernando Pimentel fez críticas e aproveitou para reclamar da fala do ministro da Saúde, Ricardo Barros, que na sexta-feira acusou o estado de não repassar recursos da União para os municípios e hospitais no combate à febre amarela.


“Se não bastasse a inexistência de ministros mineiros no governo do presidente Temer, se não bastasse o descaso com que eles tratam Minas Gerais, as declarações infelizes que o ministro da Saúde há pouco tempo falou atribuindo a culpa da febre amarela ao estado de Minas Gerais quando na verdade a União é que é responsável, passa dinheiro direto para os municípios e não passou. É por isso que estamos com essa tragédia aí da febre amarela”, diz o governador. “Se não bastasse tudo isso, agora querem parar o metrô de Belo Horizonte. É impossível. Minas vai reagir. Eu já pedi audiência ao presidente Temer, vou falar com o prefeito Kalil, nós vamos juntos lá. É impraticável esse tipo de atitude com Minas Gerais. Nós não vamos aceitar”, enfatizou Pimentel.


O deputado federal Fábio Ramalho (MDB-MG), que é vice-presidente da Câmara dos Deputados e coordenador da bancada mineira na Câmara, se reuniu com o ministro de Planejamento Dyogo Oliveira para tratar do assunto. “Ele fez uma proposta de passar o metrô para o estado. Com isso, daria alguns terrenos da União, como o Aeroporto Carlos Prates. Amanhã (hoje), estou convocando uma reunião com a bancada de Minas sobre o assunto para buscar uma solução. Além disso, vou conversar com o ministro das Cidades, Alexandre Baldy”, destacou Ramalho.

PREFEITURA A Prefeitura de Belo Horizonte informou que o prefeito Alexandre Kalil ressalta que tem boas relações com o presidente Michel Temer e com o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, e está se informando oficialmente sobre a questão, para que possa intervir de maneira a garantir que o serviço continue e que a população de Belo Horizonte não seja prejudicada”. O prefeito esclareceu ainda que até aquele momento (19h de ontem) não havia recebido nenhum telefonema do governador sobre uma eventual ida a Brasília.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212