Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Município com mais casos de febre amarela no Rio tem nova morte pela doença - Jornal Brasil em Folhas
Município com mais casos de febre amarela no Rio tem nova morte pela doença


O município de Valença, localizado no sul do estado do Rio, registrou a sua sexta morte por febre amarela desde o início desse ano. A informação consta em boletim epidemiológico divulgado hoje (7) pela Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ). A cidade é a que registra o maior número de casos e de óbitos pela doença em todo o estado. Foram 16 pessoas infectadas até o momento.

Valença faz divisa com Minas Gerais, estado que registra o maior número de mortes pela enfermidade em todo o Brasil. O segundo município fluminense que mais preocupa é Teresópolis, na região serrana, onde houve sete infecções, quatro das quais evoluíram para óbito. Em todo o estado do Rio são 50 casos da doença, dos quais 23 resultaram em morte. Os demais municípios que tiveram registro de óbito pela febre amarela são: Nova Friburgo (3), Rio das Flores (2), Sumidouro (2), Cantagalo (2), Miguel Pereira (1), Paraíba do Sul (1), Carmo (1) e Angra dos Reis (1).

Além das cidades mencionadas, pessoas foram diagnosticadas com a doença em Petrópolis, Duas Barras, Vassouras, Paty do Alferes e Maricá, mas sem mortes.

Transmissão

Causada por um vírus da família Flaviviridae, a febre amarela atinge humanos e macacos. No meio rural e silvestre, a doença é transmitida pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes. Em áreas urbanas, o vetor é o Aedes aegypti, o mesmo da dengue, zika e chikungunya. No entanto, de acordo com o Ministério da Saúde, não há registro de febre amarela urbana no Brasil desde 1942. A principal medida de combate à doença é a vacinação, que é ofertada gratuitamente à população através do Sistema Único de Saúde (SUS).

Mais uma vez, a SES-RJ esclareceu à população que os macacos não transmitem a febre amarela. De acordo com o órgão, os animais atuam na verdade como aliados que ajudam a mapear a doença e, na ausência deles, os humanos se tornam o alvo prioritário dos mosquitos.

Até o momento, cinco macacos encontrados mortos no estado tiveram diagnóstico confirmado para febre amarela. As ocorrências se dividem em cinco cidades: Niterói, Barra Mansa, Valença, Miguel Pereira e Angra dos Reis. Nesta última, um animal foi encontrado em Ilha Grande, que pertence ao município.

Edição: Augusto Queiroz

 

Últimas Notícias

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
Marcelo Piloto é extraditado do Paraguai para o Brasil
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212