Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Município com mais casos de febre amarela no Rio tem nova morte pela doença - Jornal Brasil em Folhas
Município com mais casos de febre amarela no Rio tem nova morte pela doença


O município de Valença, localizado no sul do estado do Rio, registrou a sua sexta morte por febre amarela desde o início desse ano. A informação consta em boletim epidemiológico divulgado hoje (7) pela Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ). A cidade é a que registra o maior número de casos e de óbitos pela doença em todo o estado. Foram 16 pessoas infectadas até o momento.

Valença faz divisa com Minas Gerais, estado que registra o maior número de mortes pela enfermidade em todo o Brasil. O segundo município fluminense que mais preocupa é Teresópolis, na região serrana, onde houve sete infecções, quatro das quais evoluíram para óbito. Em todo o estado do Rio são 50 casos da doença, dos quais 23 resultaram em morte. Os demais municípios que tiveram registro de óbito pela febre amarela são: Nova Friburgo (3), Rio das Flores (2), Sumidouro (2), Cantagalo (2), Miguel Pereira (1), Paraíba do Sul (1), Carmo (1) e Angra dos Reis (1).

Além das cidades mencionadas, pessoas foram diagnosticadas com a doença em Petrópolis, Duas Barras, Vassouras, Paty do Alferes e Maricá, mas sem mortes.

Transmissão

Causada por um vírus da família Flaviviridae, a febre amarela atinge humanos e macacos. No meio rural e silvestre, a doença é transmitida pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes. Em áreas urbanas, o vetor é o Aedes aegypti, o mesmo da dengue, zika e chikungunya. No entanto, de acordo com o Ministério da Saúde, não há registro de febre amarela urbana no Brasil desde 1942. A principal medida de combate à doença é a vacinação, que é ofertada gratuitamente à população através do Sistema Único de Saúde (SUS).

Mais uma vez, a SES-RJ esclareceu à população que os macacos não transmitem a febre amarela. De acordo com o órgão, os animais atuam na verdade como aliados que ajudam a mapear a doença e, na ausência deles, os humanos se tornam o alvo prioritário dos mosquitos.

Até o momento, cinco macacos encontrados mortos no estado tiveram diagnóstico confirmado para febre amarela. As ocorrências se dividem em cinco cidades: Niterói, Barra Mansa, Valença, Miguel Pereira e Angra dos Reis. Nesta última, um animal foi encontrado em Ilha Grande, que pertence ao município.

Edição: Augusto Queiroz

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212