Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Primeira reserva indígena do Ceará reúne aldeias da etnia Anacé - Jornal Brasil em Folhas
Primeira reserva indígena do Ceará reúne aldeias da etnia Anacé


As aldeias indígenas de Baixa das Carnaúbas, Currupião, Matões e Bolso, do povo indígena Anacé, estão agora reunidos na Reserva Indígena dos Anacé, a primeira criada no Ceará, localizado no município de Caucaia, na região metropolitana de Fortaleza.

Com 543 hectares, a reserva é resultado de parcerias entre o governo do Ceará e as prefeituras de Caucaia e de São Gonçalo do Amarante, também na região metropolitana, com o apoio técnico da Fundação Nacional do Índio (Funai).

O local foi criado para realocar as famílias indígenas que ocupavam a área onde seria instalada a refinaria Premium II, da Petrobras, no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP). O projeto foi cancelado em 2015 como parte do plano de desinvestimento da empresa, mas a área foi mantida para a atração de um empreendimento de mesmo porte para o Ceará.

A reserva conta com 163 unidades habitacionais e com uma infraestrutura que contempla escola e posto de saúde de padrões indígenas, energia elétrica, água, esgoto (por meio de fossas sépticas) e drenagem. O terreno foi comprado pelo governo do Ceará e todo o investimento custou R$ 30 milhões.

Presente no evento de inauguração da reserva, realizada na terça-feira (6), o presidente da Funai, Franklimberg Ribeiro de Freitas, disse que a criação da reserva é uma conquista e “um exemplo a ser oportunamente replicado em outras regiões do país.”

Já o cacique Roberto Anacé considera que a reserva dividiu o povo Anacé e mexeu com a noção de pertencimento com a terra. “Essa reserva não está dentro da nossa terra indígena e não somos bem-vistos por esse governo por lutarmos pela preservação e por irmos de encontro ao avanço destrutivo do governo. Somos um povo só, mas com duas realidades: uma da reserva e outra da terra indígena.”

A coordenadora especial de Políticas Públicas para Promoção da Igualdade Racial (Ceppir), Zelma Madeira, reconhece a questão e diz que há um trabalho em andamento com a comunidade no sentido de recriar esse pertencimento.

“A terra está impregnada de ancestralidade. Então tem as saudades e as lembranças. Algumas famílias terão dificuldades e, nesse sentido, estamos encaminhando um trabalho social de adaptações, para que, a partir daqui, se crie e se recrie esse território, para que eles se sintam donos e pertencentes. Um povo tradicional não sobrevive sem seus pertencimentos e estamos tendo muito cuidado com isso.”

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212