Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Volta às aulas e reajuste da tarifa dos ônibus pesam na inflação de Goiânia - Jornal Brasil em Folhas
Volta às aulas e reajuste da tarifa dos ônibus pesam na inflação de Goiânia


A volta às aulas nas redes pública e privada pesou no bolso dos consumidores goianienses, este ano, e provocou alta de 0,21% no Índice de Preços ao Consumidor (IPC), em janeiro. O grupo educação subiu de 0,30%, registrado em dezembro, para 9,03% no mês passado, pressionado pelos reajustes das mensalidades escolares de 13,32% no ensino fundamental e de 13,13% no ensino médio. O uniforme escolar também teve alta de 15,09%.

A inflação de janeiro, em Goiânia, também foi impactada pela alta da tarifa de ônibus urbano (2,16%), reajuste referente aos dias de vigência naquele mês, já que o reflexo maior será sentido no índice deste mês de fevereiro. No grupo de transportes também subiram a passagem de ônibus intermunicipal (9,41), o etanol (2,83%), a gasolina comum (0,45%) e o óleo diesel (0,57%). No acumulado de 12 meses o IPC está em 3,05%, de acordo com os dados do Instituto Mauro Borges, da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan).

O economista Marcelo Eurico de Sousa, gerente de Pesquisas Sistemáticas e Especiais do IMB/Segplan, lembra que todo início de ano é a mesma coisa. O comércio inflaciona os preços devido à maior demanda por artigos escolares, com a volta às aulas. Como muitas pessoas utilizam os carros para viajarem de férias os preços dos combustíveis também aumentam e os dois grupos – educação e transportes – pesam no IPC.

Os demais grupos de despesas que ajudaram a confirmar o resultado positivo da inflação do mês passado foram artigos residenciais (1,17%), vestuário (0,22%) e comunicação (1,43%). O IPC foi contrabalanceado pelos grupos de habitação (-1,95%), alimentação (-0,54%), saúde e cuidados pessoais (-0,41%) e despesas pessoais (-0,33%) que ajudaram a conter uma alta maior do indicador.

Embora o mês de janeiro seja, tradicionalmente, período de liquidação do comércio, foram registrados aumentos nos preços dos artigos residenciais, como colchão de solteiro (12,02%), da cama de solteiro (8,35%), geladeira (1,38%) e outros. E também nos artigos do vestuário como camisa masculina (8,63%), calça masculina (4,50%), calça infantil (3,40%), chinelo adulto (2,74%) e até na fralda descartável (2,66%). Os serviços de telefonia fixo residencial subiram 1,98%, bem como o aluguel residencial (0,70%) devido a maior procura de imóveis com a volta às aulas.

O grupo alimentação (-0,54%) foi o que mais contribuiu para segurar a inflação de Goiânia, no mês passado. Tiveram quedas as cotações do arroz (-2,92%), do feijão carioca (-4,43%), da carne bovina acém (-5,70%), do pernil suíno (-2,39%), do frango em pedaço (-5,50%) e do apresuntado (-7,08%). O alho diminuiu -13,88%. Também caíram os preços da laranja pera (-8,90%), do pão francês (-1,89%), do óleo de soja (-2,80%) do leite longa vida (-5,99%) e do açúcar (-0,52%). Já na alimentação fora de casa subiram os preços do almoço a peso (0,70%) e do refrigerante 290 ml (-4,33%).

Na saúde e cuidados pessoas foram registradas quedas nos preços dos medicamentos antiácido (-10,06%), anti-inflamatório e antirreumático (-2,24%), calmante (-1,85%) e no exame de laboratório (-2,12%). O corte de cabelo feminino também ficou -6,12% mais barato, bem como os serviços de manicure e pedicure (-3,45%).

Dos 205 produtos/serviços pesquisados mensalmente, pelos técnicos da Gerência de Pesquisas Sistemáticas do IMB/Segplan, 96 apresentaram elevação, 21 ficaram estáveis e 88 tiveram variação negativa.

Cesta básica

Com a queda dos alimentos, o custo da cesta básica para o trabalhador goianiense, que ganha um salário mínimo mensal (R$ 954,00), também ficou -0,01% menor em janeiro na comparação com dezembro, ficando em R$ 298,33.

Dos 12 itens da cesta básica quatro tiveram alta: frutas (9,20%), margarina (1,40%), legumes/tubérculos (1,66%) e café (0,55%). Os outros oito itens registraram reduções de preços: carne (-0,58%), leite (-5,99%), feijão (-3,61%), arroz (-2,92%), farinha/massa (-0,86%), pão (-1,89%), açúcar (-0,52%) e óleo de soja (-2,80¨).

 

Últimas Notícias

Bolsonaro elogia Mandetta e Wagner Rosário, ministros anunciados hoje
Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212