Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Data limite para votar reforma da Previdência é dia 28, diz Marun - Jornal Brasil em Folhas
Data limite para votar reforma da Previdência é dia 28, diz Marun


O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou nesta quarta-feira (7) que a data de 28 de fevereiro como limite para a votação da reforma da Previdência foi acordada entre o governo e os líderes da Câmara. Segundo ele, a votação vai começar no dia 19 e deve se estender mais do que inicialmente previsto. Mas data limite para votar reforma da Previdência é dia 28, declarou em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto

Ao ser questionado sobre a declaração do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que na terça-feira (6) reclamou do tempo de análise da reforma da Previdência na Câmara e avaliou que os senadores também precisam de prazo razoável para discutir e sugerir mudanças na proposta, Marun afirmou que acredita que o Senado analisará com profundidade a questão, mas que ela já chega discutida. Entendemos que o trabalho do Senado será feito com atenção, mas há condições de celeridade, declarou.

O ministro reforçou ainda que o ideal é que todo o processo esteja concluído em março, no primeiro trimestre, reforçou. Apesar disso, Marun declarou que é preciso achar o tempo correto de a matéria ser apreciada no Senado. Tenho certeza que o presidente Eunício saberá fazer essa avaliação.

Ao ser questionado sobre a avaliação da oposição que diz que o governo está apenas jogando a toalha aos poucos ao estender mais uma vez o calendário, Marun disse que não se importa com essas análises. Não tenho perdido tempo ultimamente com o que fala a oposição, afirmou.

Agregar votos

Escalado pelo governo para ser o defensor público da reforma da Previdência no Palácio do Planalto, Marun afirmou que era preciso comemorar a apresentação do texto da reforma da Previdência feita nesta quarta na Câmara, pois, na sua avaliação, o conhecimento da emenda aglutinativa vai reduzir a resistência em torno do tema.

Apesar disso, o ministro admitiu que novas mudanças devem ser feitas no Plenário. O governo entende que é natural o Parlamento sugerir ainda aprimoramentos em plenário, disse. Propostas que possam agregar votos na reforma da previdência serão ouvidas, completou.

Marun confirmou que o governo conta com a possibilidade de mudanças em plenário, além da emenda aglutinativa apresentada nesta quarta. Sem dúvida alguma, propostas que não firam pilares da reforma e somem votos para aprovação serão ouvidas e analisadas com atenção pelo relator, líderes da base e Rodrigo Maia.

Pontos

Ao ser questionado sobre quais pontos poderiam ainda sofrer modificações, Marun citou uma transição mais aprimorada para o servidor; algo na questão de acúmulo de pensão e a equiparação previdenciária de policiais e agentes penitenciários. São três exemplos, que se tiverem apoio parlamentar, podem ser incorporados, disse.

O ministro ressaltou, no entanto, que mesmo com possíveis mudanças, o presidente Michel Temer está propondo uma reforma que mantém os pilares que são idade mínima e igualdade.

Marun reiterou que ainda faltam cerca de 40 votos para o governo alcançar os 308 votos necessários e, se dizendo sempre otimista, afirmou que no dia da votação aposta que o governo terá 314 votos. Até o dia 28, (a discussão em torno do texto) vai se encerrar com a vitória do Brasil, afirmou.

Para o ministro, a apresentação do texto nesta quarta fará com que muitas mentiras que estão circulando deixem de circular. Está claro por exemplo que nada muda para o trabalhador rural, disse. Marun afirmou ainda que acredita que o recesso de carnaval pode trazer novos votos.

Microempresários

O ministro da Secretaria de Governo destacou que, na reunião que terá nesta quarta com entidades representantes das micro e pequenas empresas, não vai aceitar que haja pressão para que a derrubada do veto do Refis seja condicionante para o apoio a reforma da Previdência. Se eles ameaçarem, estaremos em um impasse, disse.

Às 17 horas, Marun receberá o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos; o presidente da CACB, George Teixeira; o presidente do CNDL, José César da Costa; o presidente da FNP, Carlos Amastha, entre outros representantes de entidades das micro e pequenas empresas. O objetivo do grupo é pedir que seja colocada, urgentemente, na pauta a derrubada do veto do Refis dos pequenos negócios a fim de não atrapalhar a votação da reforma da Previdência.

Segundo Marun, os microempresários precisam ter calma, pois a questão do Refis será vista apenas após a reforma da previdência Até porque um Brasil vai existir com a reforma e outro Brasil vai existir sem a reforma, disse.

No início do ano, o presidente Michel Temer decidiu vetar o Refis para micro e pequenas empresas para não ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas se comprometeu com Afif a trabalhar para ver o projeto aprovado nos próximos meses.

Segundo Afif, o veto ao Refis não aconteceu por questões políticas, mas técnicas e econômicas. Na ocasião, Afif lembrou que o Refis foi aprovado de forma unânime pelo Congresso e que salientou que o desejo do presidente é aprovar a medida.

O argumento para o veto do presidente é que não havia previsão de renúncia fiscal com o parcelamento, o que é vetado pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

O Refis para micro e pequenas empresas - já contempladas com um sistema diferenciado de tributação, o Simples Nacional - foi aprovado pelo Congresso em meio às negociações para a aprovação a reforma da Previdência. Por isso, a dificuldade do presidente em vetar a proposta nesse momento em que busca apoio para conseguir aprovação da proposta. O acordo com o Congresso previa que não haveria vetos à proposta.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE