Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Governo sírio intensifica bombardeios contra enclave rebelde - Jornal Brasil em Folhas
Governo sírio intensifica bombardeios contra enclave rebelde


O governo sírio voltou a bombardear, nesta quarta-feira (7), o território rebelde de Ghuta Oriental, perto de Damasco, intensificando ataques que já deixaram mais de 120 mortos em três dias.

Trata-se de um dos balanços mais elevados em sete anos de guerra.

De uma intensidade pouco habitual, esses bombardeios aéreos acontecem no momento em que surgem novas suspeitas sobre o uso de armas químicas e de cloro, em particular, por parte do governo de Bashar al-Assad.

Apenas na terça-feira, os bombardeios sobre essa região mataram 80 civis, afirmou a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

É o dia mais sangrento em nove meses em toda Síria, e um dos mais letais em vários anos na Ghuta Oriental, afirmou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

Entre os mortos, estão 19 crianças e 20 mulheres, relatou Abdel Rahman, acrescentando que são quase 200 feridos.

Nesta quarta, o céu voltou a rugir em várias localidades, especialmente Hamuriye e Beit Sawa, e 15 civis perderam a vida, indicou o OSDH.

Em Duma, a maior cidade de Ghuta, os hospitais estavam lotados com o volume de feridos.

Por favor, dissolvam todas as concentrações e liberem as ruas, anunciavam os alto-falantes das mesquitas da cidade.

- Linha vermelha? -

Com cerca de 400.000 habitantes sitiados pelas forças do governo Al-Assad desde 2013, Ghuta Oriental é uma das quatro zonas de desescalada estabelecidas no ano passado na Síria.

O cessar-fogo é letra morta. Na segunda-feira (5), os ataques aéreos e os disparos de artilharia já haviam matado 31 civis.

A guerra que arrasa a Síria desde 2011 foi-se complicando progressivamente em um terreno cada vez mais fragmentado e deixou mais de 340.000 mortos.

E, agora, ressurge a suspeita do uso de armas químicas.

Hoje, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) afirmou que está investigando as informações sobre esse tipo de ataque na Síria por parte de Damasco.

As alegações recentes referentes ao uso de armas químicas na Síria continuam sendo uma fonte de grave preocupação, e a Opaq estuda todas as alegações críveis, informou a organização internacional, com sede em Haia.

O ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, disse que várias indicações confirmariam a hipótese de uma utilização de cloro pelo regime sírio.

O chanceler não fez, porém, qualquer alusão a eventuais represálias da França, se esses ataques se confirmarem. Em maio de 2017, o presidente francês, Emmanuel Macron, delimitou uma linha vermelha sobre o assunto.

Nas últimas semanas, o governo teria lançado dois ataques químicos: um, em Saraqeb, uma localidade da província de Idlib (noroeste), onde foram registrados 11 casos de asfixia, segundo o OSDH; e o outro, em Ghuta Oriental.

Em 22 de janeiro, o OSDH informou a ocorrência de 21 casos de asfixia. Moradores da região e fontes médicas falaram de um ataque com cloro.

- Campanha de propaganda -

Há provas evidentes para confirmar o recurso ao cloro, disse na segunda-feira a embaixadora americana na ONU, Nikki Haley.

O Departamento de Estado americano afirmou ter registrado seis ataques suspeitos na Síria nos últimos 30 dias.

Na terça-feira, a ONU anunciou ter aberto uma investigação sobre o uso de armas químicas e pediu um cessar-fogo de um mês no conjunto do território sírio.

Aliado do governo de Bashar al-Assad, Moscou denunciou uma campanha de propaganda destinada a acusar o governo sírio de ataques, cujos responsáveis não foram identificados.

Já Damasco negou categoricamente o uso de armas químicas.

Nesta quarta, o Exército sírio anunciou ter interceptado e destruído mísseis israelenses disparados de uma posição militar em Jamraya, perto de Damasco.

 

Últimas Notícias

Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio
Governo libera 100% de capital estrangeiro nas aéreas nacionais
BNDES fecha o ano com desembolsos de R$ 71 bilhões

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212