Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Feb de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Maníaco de Contagem é condenado a mais de 30 anos de prisão pelo quinto crime - Jornal Brasil em Folhas
Maníaco de Contagem é condenado a mais de 30 anos de prisão pelo quinto crime


O homem conhecido como Maníaco de Contagem, por atacar mulheres em cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi condenado pela quinta vez. Nesta quarta-feira, Marcos Trigueiro foi julgado pelo assassinato da comerciante Adina Feitor Porto, de 34 anos, em Sarzedo, em janeiro de 2009. Segundo a Justiça mineira, cronologicamente ela foi a primeira das cinco vítimas do assassino. O júri considerou o réu culpado e o juiz o sentenciou a 30 anos e cinco meses de prisão, em regime fechado, pelos crimes de homicídio, ocultação de cadáver, estupro e furto. A decisão ainda cabe recurso.

O júri durou aproximadamente 7h. Ele teve início pro volta das 9h desta quarta-feira na Câmara Municipal de Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Por volta das 16h, o juiz José Honório de Rezende, leu a sentença. O júri, composto por quatro homens e três mulheres, aceitou todas as qualificadoras – motivo torpe, meio cruel, recurso que dificultou a defesa da vítima e tentativa de garantir a impunidade de crime anterior (matar para ocultar o estupro).

O assassinato de Adina é considerado o primeiro da saga criminosa do Maníaco de Contagem. Consta na denúncia que Trigueiro abordou a vítima no Bairro Lindéia, na Região do Barreiro, quando ela estava em um carro. Simulando um assalto, ele obrigou a comerciante a dirigir até Sarzedo. Lá, foi estuprada e estrangulada. Em seguida, o acusado escondeu o corpo e dirigiu o carro dela até Contagem, onde abandonou o veículo e fugiu.

O corpo de Adina foi encontrado em 27 de janeiro de 2009, já em estado avançado de decomposição. Foi preciso fazer exames de impressão digital para identificá-la. A comerciante trabalhava em uma empresa de gesso e havia saído de casa para atender um cliente quando foi atacada. Ela deixou dois filhos.

Por causa deste crime, Marcos Trigueiro foi denunciado por homicídio qualificado, por constranger mulher a conjunção carnal, mediante violência ou grave apeaça e por furto, com agravante de reincidência. As qualificadoras são por motivo torpe, por meio insidioso ou cruel, com recurso que dificultou a defesa da vítima e apara assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem de outro crime.

Esta foi a quinta condenação de Trigueiro. Todas somadas já são 161 anos de prisão contra o Maníaco de Contagem. Ele já foi sentenciado a 34 anos e 11 meses de prisão pelo estupro e morte de Ana Carolina Menezes, atacada no Bairro Alto dos Pinheiros; a 28 anos pelo estupro e morte de Maria Helena Lopes Aguilar, de 48 anos,crime cometido no Bairro Califórnia, Região Noroeste de BH; a 36 anos e nove meses de reclusão em regime fechado pelo estupro, assassinato e furto do celular de Edna Cordeiro de Oliveira Freitas, de 35 anos; e a 31 anos, oito meses e 10 dias de prisão pelo estupro e morte de Natália Cristina de Almeida Paiva, de 27 anos. Além disso, ele também foi condenado a um ano e seis meses pelo furto de um som na comarca de Brasília de Minas.
Embate entre defesa e acusação

O julgamento teve início com Trigueiro se negando a falar. Questionado pelo juiz, disse que não tinha nada a dizer sobre o crime em sua defesa e confirmou o depoimento dado à Polícia Civil. Em seguida, o julgamento foi para a fase de debates entre defesa e acusação. A promotora Manuela Xavier leu o depoimento do réu prestado à Polícia Civil, quando ele detalhou a execução de Adina.

De acordo com o TJMG, ela rechaçou a teste da defesa em outros processos criminais afirmando que Trigueiro é doente mental. Para ela, o réu é “louco por conveniência”. Nunca teve crise, nunca surtou, mas depois que foi preso alega loucura. O problema é de caráter. E a solução pra isso é a cadeia. O sadismo dele era tanto que ele sentia prazer com a morte, ressaltou a representante do Ministério Público de Minas Gerais. É uma pessoa fria, calculista, que planeja seus crimes. Temos que ter clemência é da vítima, da família que ficou oito dias sem notícia do corpo, dos filhos que vão crescer sem mãe, enfatizou.

Por sua vez, o advogado Rodrigo Randazzo nega que Trigueiro teve intenção de ocultar os corpos das mulheres, e alegou que é simples falar “Vá ao psiquiatra, procure um médico, mas que “a realidade do brasileiro é outra”. Ao lembrar que o cliente já foi condenado a mais de 100 anos de prisão, questionou qual seria a finalidade de mais uma condenação para Trigueiro para o ordenamento jurídico.

Para Randazzo, a promotoria quer apenas uma pena mais alta. Não é a finalidade, não é a eficácia da aplicação da pena. É como se fosse um concurso público, o que importa é aumentar a nota, disse. A defesa pediu a desclassificação dos crimes para somente estupro seguido de morte e pede a ausência de dolo no crime de ocultação de cadáver.

 

Últimas Notícias

Superintendente da Caixa, Marise Fernandes, recebe Título de Cidadã Goiana
Iris Rezende: “Marconi deixou sua marca em todas as áreas administrativas”
Bolsa Universitária: abertas novas inscrições para 10 mil bolsas
Torcidas de Goiás e Vila se mobilizam para a doação de sangue
800 vigilantes penitenciários concluem curso e vão reforçar segurança em presídios
Governo de Goiás entrega mais um colégio de alto padrão no Entorno do DF
Goiás terá 10 mil agentes de saúde formados em técnico em enfermagem
Dois chefs de cozinha representam Goiás na disputa pela maior premiação da gastronomia brasileira

MAIS NOTICIAS

 

Ministro diz que Brasil mantém portas abertas para receber refugiados
 
 
Aprovação da reforma da Previdência é prioridade número um, diz Meirelles
 
 
Conselhos aprovam intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro
 
 
Eunício determina que todas as PECs parem de tramitar no Senado
 
 
Maia anuncia criação de observatório para acompanhar ações de intervenção no RJ
 
 
Marun diz que não há como votar reforma da Previdência durante intervenção

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212