Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Vitiss Cosméticos Naturais abre nova fábrica em Minas - Jornal Brasil em Folhas
Vitiss Cosméticos Naturais abre nova fábrica em Minas


Nascido em Dom Silvério, na Zona da Mata mineira, uma região reconhecida como polo de empresas de cosméticos, o administrador de empresas Gleison Martins, 37, viu que ainda tinha muito mercado para atuar nessa área, que parece não ter espaço para a estagnação. E foi o que fez: enquanto a família já trabalhava com comércio na região, Martins quis arriscar uma oportunidade na indústria com a criação da Vitiss Cosméticos Naturais. “Eu comecei sozinho, em 2010, com um investimento inicial de R$ 75 mil, e depois os investimentos não pararam mais”, lembra-se o empresário.

A primeira fábrica foi em Belo Horizonte, por causa da facilidade de transporte e também para reduzir os custos com logística. “Começamos bem modestos, com a produção de 300 kg de produtos por dia para os cabelos, como xampu, condicionador, máscara, reparador de pontas e leave-in. Era num espaço restrito de 400 m²”, conta Martins, que tinha apenas cinco empregados.

O início foi bem desafiador. O mais difícil, segundo Martins, foi achar distribuidores para comprar e revender os produtos naturais. “Começamos com São Paulo e Minas Gerais, e hoje já tem mais de 50 distribuidores”, comemora.

Enquanto isso, a produção foi evoluindo e, em 2014 já era de duas toneladas por dia de produtos variados. Aí, o empresário sentiu a necessidade de uma nova fábrica. “Tivemos que fazer um outro investimento numa sede maior e fomos para Vespasiano, numa área de 1.100 m²”, informa. Com a boa resposta do mercado consumidor, a capacidade instalada atual precisou crescer.

Expansão. Assim, Martins está com nova mudança programada para abril. “Vamos nos mudar para uma área três vezes maior que a atual, de 3.300 m²”, informa. Em Santa Luzia, na nova sede, Martins conta que tem condição de produzir até 40 t por dia. “Neste ano, os planos da Vitiss são de chegar a oito toneladas por dia. Vamos atingir esse volume por causa do lançamento de novos produtos e a expectativa de um mercado de crescimento maior neste ano”, calcula.

A nova fábrica na região metropolitana de BH traz a necessidade de novas contratações, além dos 50 colaboradores. Serão, ao menos, mais 20 pessoas.

Com a produção atual de seis toneladas por dia, o mix ultrapassa mais de cem produtos. Cada linha de tratamento do cabelo tem seis itens. São 14 linhas: quiabo, romã, mandioca, tutano, coco, mandiroba, jaborandi, alecrim, queratina, ondulele para cabelos cacheados, power bomb (para crescimento), intense (para recuperação dos fios) e matizadores para cabelos louros e vermelhos. “A linha de mandioca é a que mais vende. Todo mundo que usa gosta”, entrega.

Hoje, a marca Vitiss está em mais de 5.000 pontos de vendas, dentre eles Lojas Rede, em Minas Gerais; Mundo dos Cosméticos, em Pernambuco; e Leo Cosméticos, no Paraná.

Neste ano, Martins promete três lançamentos, dos quais ainda não pode divulgar detalhes. “Serão, pelo menos, três por ano. E vou aumentar o número de distribuidores, que vai chegar a 70. Com isso, aumentam também os pontos de vendas”, conclui.

Comércio. A Vitiss Cosméticos Naturais tem uma loja virtual para quem quer comprar diretamente da empresa. Ela já funciona há três anos no endereço www.shampooecia.com.

O fundador da Vitiss, Gleison Martins conta que o diferencial da marca em relação aos concorrentes está nos ativos naturais que ajudam a hidratar e recuperar o cabelo maltratado por linhas de químicas, como as tinturas. “Os produtos são feitos em laboratório, mas com essências extraídas da mandioca e do quiabo, por exemplo, retirados da planta. Nada é feito artificialmente. Não têm sal nem sulfato e são ecologicamente corretos”, explica Martins.

Estar entre as principais empresas de cosméticos do país nesse segmento é a meta do empresário. Mas a concorrência é forte, com cerca de 6.000 empresas. Martins explica que concorrer com os gigantes da indústria da beleza não é possível. “O jeito é ter uma linha natural para ter um diferencial no mercado, para fazer um trabalho junto ao consumidor que quer um produto com qualidade e que faça a diferença no cabelo”, diz. Para Martins, quando o consumidor usa alguma linha da Vitiss, ele consegue enxergar a diferença, e acaba pagando um pouco mais por esse produto de qualidade. O tíquete médio em cada compra tem sido de R$ 45.


 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212