Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Aug de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Ex-representante da ativista do #MeToo Rose McGowan se suicida - Jornal Brasil em Folhas
Ex-representante da ativista do #MeToo Rose McGowan se suicida


Jill Messick, uma veterana executiva de Hollywood que foi representante de Rose McGowan (retratada nesta foto de arquivo) quando a atriz foi supostamente estuprada por Harvey Weinstein, se suicidou, informaram familiares

Jill Messick, uma veterana executiva de Hollywood que foi representante de Rose McGowan quando a atriz foi supostamente estuprada por Harvey Weinstein, se suicidou, informaram nesta quinta-feira meios de comunicaçao, que citam familiares.

Messick, que tinha 50 anos, lutou durante anos contra uma depressão e recentemente havia se sentido vitimizada pelos informes inexatos sobre seu papel nesse assunto, disseram seus familiares em um comunicado que circula pelos meios americanos.

Messick, que trabalhava para Addis-Wechsler - agora Industry Entertainment - era a representante de McGowan quando a atriz alega ter sido estuprada por Weinstein, durante o Festival de Cinema de Sundance de 1997.

Dezenas de mulheres de Hollywood acusaram o magnata da produção cinematográfica de abuso sexual.

McGowan é uma das ativistas mais proeminentes do movimento #MeToo das redes sociais contra o assédio sexual.

A atriz disse ao jornal The New York Times em outubro passado que Messick havia arranjado o encontro com Weinstein, que começou em um quarto de hotel.

A revelação - e seu nome estampando nas manchetes como parte de uma troca de e-mails com Weinstein - tiveram um efeito negativo no ânimo de Messick, disse sua família.

A velocidade com que a informação se disseminou levou a informações falsas sobre Jill como pessoa, que ela não podia nem desejava combater, acrescenta a nota. Ela se tornou um dano colateral de uma história já horrível.

A família acusa McGowan de fazer declarações difamatórias contra Messick, mãe de dois filhos, que ela escolheu não rebater por medo a afetar as vítimas de assédio sexual.

Optou por não botar lenha na fogueira, permitindo que seu nome e sua reputação fossem manchados apesar de não ter feito nada ruim. Nunca escolheu ser uma figura pública, essa escolha lhe foi tirada, afirma o texto.

Messick começou a produzir filmes e programas de televisão em 1999, e também trabalhou como executiva na Lorne Michaels Productions, da Paramount.

Seus créditos de produção incluem filmes como Ela é Demais, Meninas Malvadas, Frida e Gênios do Crime.

 

Últimas Notícias

Trabalhadores de todas as idades já podem sacar cotas do Pis/Pasep
Estimativa do mercado financeiro para inflação sobe para 4,15%
Maduro diz que aceita colaboração do FBI, mas impõe condições
Disputa entre EUA e Turquia afeta as bolsas asiáticas
Secretário dos EUA discute com brasileiros defesa na América do Sul
Programa Um Olhar sobre o Mundo entrevista o fotógrafo Paulo Vitale
Após explosão em Ipatinga, sindicato quer mais segurança
Morre em São Paulo Cláudio Weber Abramo

MAIS NOTICIAS

 

Convenção do PSDB lança candidaturas de José Eliton, Marconi e Lúcia Vânia
 
 
ANP faz tomada pública sobre preço de etanol nas usinas
 
 
China e União Europeia se unem para apoiar comércio multilateral
 
 
Gabinete de intervenção vai comprar munição para polícia do Rio
 
 
PSDB confirma Alckmin como candidato a presidente da República
 
 
Álvaro Dias é oficializado candidato à Presidência pelo Podemos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212