Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


10 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ex-representante da ativista do #MeToo Rose McGowan se suicida - Jornal Brasil em Folhas
Ex-representante da ativista do #MeToo Rose McGowan se suicida


Jill Messick, uma veterana executiva de Hollywood que foi representante de Rose McGowan (retratada nesta foto de arquivo) quando a atriz foi supostamente estuprada por Harvey Weinstein, se suicidou, informaram familiares

Jill Messick, uma veterana executiva de Hollywood que foi representante de Rose McGowan quando a atriz foi supostamente estuprada por Harvey Weinstein, se suicidou, informaram nesta quinta-feira meios de comunicaçao, que citam familiares.

Messick, que tinha 50 anos, lutou durante anos contra uma depressão e recentemente havia se sentido vitimizada pelos informes inexatos sobre seu papel nesse assunto, disseram seus familiares em um comunicado que circula pelos meios americanos.

Messick, que trabalhava para Addis-Wechsler - agora Industry Entertainment - era a representante de McGowan quando a atriz alega ter sido estuprada por Weinstein, durante o Festival de Cinema de Sundance de 1997.

Dezenas de mulheres de Hollywood acusaram o magnata da produção cinematográfica de abuso sexual.

McGowan é uma das ativistas mais proeminentes do movimento #MeToo das redes sociais contra o assédio sexual.

A atriz disse ao jornal The New York Times em outubro passado que Messick havia arranjado o encontro com Weinstein, que começou em um quarto de hotel.

A revelação - e seu nome estampando nas manchetes como parte de uma troca de e-mails com Weinstein - tiveram um efeito negativo no ânimo de Messick, disse sua família.

A velocidade com que a informação se disseminou levou a informações falsas sobre Jill como pessoa, que ela não podia nem desejava combater, acrescenta a nota. Ela se tornou um dano colateral de uma história já horrível.

A família acusa McGowan de fazer declarações difamatórias contra Messick, mãe de dois filhos, que ela escolheu não rebater por medo a afetar as vítimas de assédio sexual.

Optou por não botar lenha na fogueira, permitindo que seu nome e sua reputação fossem manchados apesar de não ter feito nada ruim. Nunca escolheu ser uma figura pública, essa escolha lhe foi tirada, afirma o texto.

Messick começou a produzir filmes e programas de televisão em 1999, e também trabalhou como executiva na Lorne Michaels Productions, da Paramount.

Seus créditos de produção incluem filmes como Ela é Demais, Meninas Malvadas, Frida e Gênios do Crime.

 

Últimas Notícias

Petrobras demite funcionários com prisão decretada na Lava Jato
Porto de Santos movimenta 110 milhões de toneladas de carga em 2018
Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras
Vendas internas de veículos novos têm melhor resultado desde 2015
BNDES lança programa para atender startups
Mercosul e UE retomam negociação com expectativa de acordo até março
Poupança tem menor captação para meses de novembro em três anos
Toma posse diretoria da nova Agência Reguladora de Mineração

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212