Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Minas e Energia envia ao Planalto projeto de lei do novo marco do setor elétrico - Jornal Brasil em Folhas
Minas e Energia envia ao Planalto projeto de lei do novo marco do setor elétrico


O Ministério de Minas e Energia (MME) encaminhou hoje (9) à Presidência da República a minuta de um projeto de lei (PL) alterando o marco legal do setor elétrico. Chamado de Projeto de Lei de Modernização e Abertura do Mercado Livre de Energia Elétrica, o projeto propõe, entre outros pontos, a descotização das hidrelétricas, abertura do mercado livre de energia e também a compensação dos geradores hidrelétricos retroativamente por parte das perdas com o risco hidrológico a partir de 2013.

De acordo com o MME, o texto é resultado das contribuições de uma consulta pública para debater a mudança nas regras do setor. A proposta deve ser encaminhada ao Congresso Nacional logo após o carnaval e, ao lado da proposta de privatização da Eletrobras, é mais uma medida do governo para mudar as regras do mercado de energia para atender a demandas do segmento.

Um das principais alterações é a abertura do mercado livre. Pela proposta, haverá a redução dos limites exigidos para o acesso ao mercado livre de eletricidade. A intenção é fazer com que os consumidores atendidos em alta e média tensão, como indústrias, possam aderir gradualmente ao mercado livre, no qual é possível negociar diretamente com geradores e comercializadoras o suprimento de energia.

De acordo com o projeto, a diminuição dos requisitos mínimos de carga para aderir ao mercado livre serão cortados a partir de 2020. Atualmente o limite mínimo de carga para migrar para o mercado livre é de 3 megawatts (MW). Pela proposta, o limite passará para 2 MW, em 2020, e cairá gradualmente até que, em 2026, não haja mais limite mínimo.

Caberá ainda ao Poder Executivo apresentar um plano para extinção integral da exigência mínima de carga até o final de 2022. A expectativa é que isso gere uma abertura do mercado livre para uma gama ampla de consumidores, incluindo os residenciais.

Descotização

O projeto também dá mais um passo na chamada descotização do setor. O tema já constava no decreto assinado pelo presidente em exercício, Rodrigo Maia, no final de janeiro, e que prevê a renovação do contrato de concessão de empresas estatais que operam fora do regime de cotas e que venham a ser privatizadas.

No regime de cotas, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) fixa o valor da tarifa da energia gerada. A cotização foi adotada, em 2012, durante o governo da ex-presidenta Dilma Rousseff. A medida antecipava a renovação das concessões por 30 anos.

A intenção era reduzir os custos de operação e manutenção, por meio da amortização dos ativos das empresas. A medida possibilitou ao governo adotar tarifas mais baixas, mas onerou o custo de manutenção do setor elétrico.

O texto prevê ainda a retirada do limite para aquisição e arrendamento de imóveis rurais por estrangeiros. A intenção do governo é atrair mais investimentos estrangeiros para a expansão da oferta de energia. De acordo com o documento encaminhado pelo MME, o limite a aquisição de terras por estrangeiros “atua contra o interesse brasileiro de modernizar a sua matriz de energia elétrica”.

Risco hidrológico

Outro ponto do projeto prevê a compensação dos geradores de energia hidrelétrica por perdas com o risco hidrológico a partir de 2013. Uma das medidas seria a extensão dos contratos de concessão das usinas por até sete anos.

Empresas que operam na geração de energia hidrelétrica têm travado uma batalha com o governo em torno das regras envolvendo o risco hidrológico. As empresas querem evitar o pagamento de valores devidos com operações do setor realizadas pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), especialmente a partir de 2013, quando, além das alterações nas regras do setor, houve perda no faturamento em razão das poucas chuvas e queda no volume dos reservatórios.

Para evitar a possibilidade de um apagão, as usinas termelétricas, que têm um custo maior para a produção de energia, foram acionadas, fazendo com que os geradores pagassem mais pela energia produzida abaixo das garantias físicas das hidrelétricas.

A disputa em torno das regras chegou na esfera judicial: um balanço divulgado pelo CCEE estima que cerca de R$ 6 bilhões estão em aberto no mercado de energia elétrica em função das liminares relacionadas ao risco hidrológico. A proposta encaminhada pelo MME possibilita assinatura de termos aditivos aos contratos de transmissão desde que as concessionárias desistam das ações judiciais relacionadas ao tema.

Na última quarta-feira, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região cassou a liminar que impedia os associados da Associação Brasileira de Produtores Independentes de Energia Elétrica (Apine) de arcar com o custo do risco hidrológico. No entendimento da juíza, eventuais prejuízos decorrentes do risco hidrológico, “fazem parte do risco do negócio, legalmente previstos e voluntariamente assumidos e devem ser por eles suportados”, disse a magistrada na sentença.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212