Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Israel multiplica advertências ao Irã após incursões aéreas na Síria - Jornal Brasil em Folhas
Israel multiplica advertências ao Irã após incursões aéreas na Síria


O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu (C), ao lado de seu assessor, Tzachi Braverman (D), e do ministro de Transportes e Inteligência, Israel Katz (E), em Jerusalém, em 11 de fevereiro de 2018

Israel multiplicou neste domingo (11) as advertências ao Irã após atacar múltiplos alvos iranianos na Síria e perder um caça-bombardeiro, um episódio que ameaça abrir uma nova e imprevisível etapa no conflito no país, devastado por sete anos de guerra.

Em um comunicado, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, assegurou que os ataques da aviação israelense de sábado desferiram um duro golpe ao Irã e às forças do governo sírio.

Este foi o confronto mais violento de Israel com o Irã desde o início do conflito na Síria, em 2011.

Continuaremos atacando todos os que tentarem nos atacar, disse Netanyahu no comunicado divulgado por seu gabinete.

Segundo a versão israelense, um drone controlado à distância por iranianos com base na Síria entrou no sábado no espaço aéreo israelense, onde foi abatido.

Em represália, a aviação israelense atacou a base iraniana na Síria de onde o drone havia decolado.

Um dos aviões israelenses que participou desta operação foi atingido por um míssil da Síria e explodiu em solo israelense. Os dois pilotos foram hospitalizados. Um deles foi gravemente ferido no incidente, mas foi operado e seu estado de saúde melhorou, indicaram as Forças Armadas israelenses.

Em resposta à defesa antiaérea na Síria, a aviação israelense lançou ataques contra uma dúzia de alvos sírios e iranianos.

Neste domingo, responsáveis políticos e militares, assim como comentaristas, insistiram sobre o precedente criado por este enfrentamento.

Primeiro confronto militar direto entre Israel e Irã, Dia de combate com Irã, estampavam os jornais Maariv e Yediot Aharanot.

A imprensa insistiu no fato de que o F-16 destruído foi o primeiro aparato israelense derrubado desde a guerra no Líbano, em 1982.

- Mísseis não conhecem fronteiras -

O aparato foi atingido no espaço aéreo israelense por um míssil disparado da Síria, prova de que os mísseis não conhecem fronteiras, disse à rádio militar o general Amnon Ein Dar, da Força Aérea.

Segundo especialistas, o drone interceptado em território israelense é o primeiro a ser pilotado à distância diretamente pelos iranianos na Síria.

Desde o começo da guerra na Síria, Israel tenta se manter à margem do conflito. Mas, antes de sábado, já havia atacado dezenas de alvos, fossem posições do governo ou comboios com armas destinadas ao Hezbollah, milícia xiita libanesa aliada de Damasco.

O Irã, ferrenho inimigo de Israel, é um dos países que apoia o governo de Bashar al-Assad.

Neste domingo, o ministro israelense de Transportes e Inteligência, Israel Katz, repetiu que seu país não aceitará que o Irã se implemente militarmente na Síria.

Temos os meios para saber tudo o que acontece na Síria, como pudemos provar com os ataques de sábado. Nossa superioridade aérea está totalmente assegurada, afirmou à rádio.

- Israel reforça defesa antiaérea -

Segundo a rádio militar, as Forças Armadas israelenses reforçaram a defesa antiaérea no norte, em frente ao Líbano e à Síria.

A administração americana expressou o apoio incondicional ao seu fiel aliado, evocando o direito a se defender contra as forças sírias e as milícias apoiadas pelo Irã.

Pedimos ao Irã e a seus aliados que cessem suas atividades provocadoras, destacou a Casa Branca em comunicado.

Em Israel, poucas vozes criticaram os últimos bombardeios israelenses, com exceção do general da reserva Amiram Levin.

Deveríamos termos nos contentado em derrubar o drone que entrou em nosso espaço aéreo. Um país que está seguro dele mesmo não tem que fixar publicamente as linhas vermelhas, já que isso reflete pânico, afirmou este ex-comandante da região militar norte.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212