Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Feb de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Bate-bolas, as estrelas de um carnaval paralelo nos subúrbios do Rio - Jornal Brasil em Folhas
Bate-bolas, as estrelas de um carnaval paralelo nos subúrbios do Rio


Rio de Janeiro, 11 fev (EFE).- A Cidade de Deus está em festa. O funk ecoa pela comunidade e milhares de pessoas seguem o Abusados, seu primeiro grupo de bate-bolas, estrelas de um carnaval alheio ao Sambódromo, no qual as máscaras aterrorizadoras substituem as plumas e lantejoulas.

Vamos nos divertir em paz no carnaval, queremos desfrutar da festa, afirmou Billy Souza, fundador do Abusados enquanto o seu grupo - que completa 20 anos - prepara o desfile para a madrugada do sábado em uma favela onde a violência quase não mudou desde a estreia do filme Cidade de Deus (2002).

A tensão tem se agravado após a recente detenção do chefe do tráfico do bairro, mas é carnaval no Rio e os quatro grupos de bate-bolas de Cidade de Deus entram na festa.

O Abusados são 80 homens, 75 mulheres e 35 crianças que durante duas horas se fantasiam no pátio de um colégio com meias coloridas, um casaco de manga comprida, saia rodada e um colete de espuma com as imagens de Indiana Jones (Harrison Ford) e Cleópatra desenhadas com tinta e purpurina. Eles cobrem os rostos com máscaras de terror e levam bolas de plástico que batem insistentemente contra o chão.

Na rua, milhares de pessoas dançam ao ritmo do funk que sai de uma parede de equipamentos de som que faz o chão tremer, enquanto esperam seus heróis do carnaval.

Também conhecidos como clóvis (do inglês clown) ou palhaços, as origens dos bate-bolas não são muito claras, mas os seus seguidores concordam que trata-se de um legado da tradição portuguesa que se enriqueceu com elementos herdados da França e se nutriu da cultura popular dos subúrbios do Rio de Janeiro.

Com o tempo, se sofisticaram e substituíram a bola de couro de boi pela bola de borracha, embora alguns a mudem por sombrinhas ou paus.

Declarado Patrimônio Cultural Carioca em 2012 por sua forma alegre e irreverente de festejar o carnaval, poucos na Zona Sul do Rio os conhecem e as centenas de grupos de bate-bolas ficam na área norte e nas comunidades da Zona Oeste, em bairros como Realengo, Jacarepaguá, Marechal Hermes, Oswaldo Cruz, Anchieta e Campo Grande.

Não renegam do samba, mas escolhem o funk e o rap porque são mais realistas. O samba reflete o poder de fantasiar, resumiu Elio, que faz fantasias na Cidade de Deus.

Há anos que abriram espaço para mulheres e crianças e tentam acabar com a lenda de violência que os persegue.

Às vezes ocorrem episódios violentos, mas é preciso conscientizar as pessoas de que é uma festa e que as discussões são casuais, afirmou Anderson, um professor de judô que lidera o Badalados, também da Cidade.

Os grupos têm muita rivalidade entre eles e se misturam com os confrontos das torcidas de futebol, admitiu Vitor, um mototaxista que realizou seu sonho de fundar o Sal de Baixo, o bate-bola mais novo da favela.

Diogo deixou o Gorilas porque alguns saíam armados e havia tiros. Não era o meu ritmo e senti que minha vida corria risco, confidenciou. Hoje desfila com o Havita, em Oswaldo Cruz (norte), cujo símbolo é um pequeno índio criado pela Disney.

Os protagonistas deste carnaval paralelo também não têm uma única explicação por volta das causas que os relegaram aos subúrbios.

Muita gente não entende por que alguém entra num vestido e se cobre com uma máscara para suar e dar voltas, mas é emocionante. É uma cultura de subúrbio. Você não vai ver na Zona Sul, lá é mais um espetáculo. Aqui as crianças sonham em ser bate-bolas, disse Vitor, que prepara as fantasias num terraço da favela.

O desenho e a confecção dos trajes leva quase um ano de trabalho. E não são baratos. A fantasia pode custar até R$ 1.300, e os bate-boleiros podem pagar a prazo.

Os seus nomes estão relacionados com sentimentos (Emoção, Agonia, Amizade, Ousadia), com força (Braço de Ferro, Domínio), desenhos animados (Havita), ou animais (Cobra).

Chegou a madrugada do sábado e os Abusados estavam preparados. Billy Souza os reúne: Queremos um carnaval em paz, insiste, consciente da ameaça da violência na favela. Forman um grande círculo e rezam um Pai Nosso antes de irem para a rua.

Com o funk ao fundo e uma chuva de fogos de artifício, os bate-bolas abrem passagem a duras penas entre a multidão. É a festa do barulho e da confusão.

Outros contam a história. Nós fazemos a história, diz a frase do Abusados sob uma caveira que beija uma mulher. EFE

 

Últimas Notícias

Casal é encontrado morto em quarto de hotel no Centro de BH
Protesto marca dia de despedida do carnaval de BH
Blocos de BH defendem criação de passarelas para desfiles e segurança cidadã
Na Bacia do Rio do Doce, 54 estações para tratar esgoto não saíram do papel
Em Minas Gerais, 622 municípios ainda não têm plano de saneamento e população fica exposta a perigos
Homem é preso sob suspeita de incendiar apartamento no Barreiro
Casa de agente penitenciário é invadida por bandidos
Policial fardado é assaltado na região da Pampulha

MAIS NOTICIAS

 

Em meio a racionamento, principal reservatório do DF atinge 50% de volume útil
 
 
Temer: governo vai trabalhar para que reduções da gasolina cheguem às bombas
 
 
Moreira pede ao Cade para investigar preços em postos de combustíveis
 
 
Sete escolas de samba abrem desfile hoje em São Paulo
 
 
Identificação e cuidados com a saúde garantem carnaval tranquilo para crianças
 
 
Carnaval no Sambódromo da Marquês de Sapucaí começa hoje no Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212