Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Feb de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Massa do bóson W é medida pela primeira vez com alta precisão no CERN - Jornal Brasil em Folhas
Massa do bóson W é medida pela primeira vez com alta precisão no CERN


Genebra, 12 fev (EFE).- Físicos da experiência ATLAS do Centro Europeu de Física de Particulas (CERN) conseguiram medir pela primeira vez com alta precisão no Grande Colisor de Hádrons (LHC) a massa do bóson W, uma das partículas mais pesadas no Universo, publicou nesta segunda-feira a revista European Physical Journal C.

O bóson W é uma das duas partículas fundamentais - junto ao bóson Z - responsável pela força fraca, uma das quatro forças que regem o comportamento da matéria no nosso Universo.

O bóson W, que foi descoberto em 1983 e está carregado eletricamente, altera a composição própria das partículas: transforma os prótons em nêutrons e vice-versa através da força fraca, explica o CERN.

Concretamente, a partícula desencadeia a fusão nuclear e deixa que as estrelas queimem, algo que cria elementos mais pesados.

Quando as estrelas morrem, estes elementos são lançados ao espaço como blocos de construção para planetas e inclusive pessoas, acrescenta o CERN.

Embora as suas caraterísticas sejam estudadas durante mais de 30 anos, medir sua massa com alta precisão continua sendo um desafio.

A medição publicada pela revista European Physical Journal C dá um valor de 80370±19 mega-elétron volts (MeV) da massa, o que se ajusta às expectativas do Modelo Padrão da Física de Partículas, a teoria que descreve as partículas conhecidas e suas interações, indicou o CERN.

A medição se baseia em 14 milhões de bósons W registrados em um único ano, o de 2011, quando o LHC operava com uma energia de 7 tera elétron-volts (TeV).

O processo coincide com medições prévias no LEP, o antecessor do LHC no CERN, e do Tevatron, um antigo acelerador no Fermilab dos Estados Unidos, cujos dados tornaram possível refinar continuamente a medição durante os últimos 20 anos.

Dada complexidade da análise, a equipe da ATLAS levou cinco anos para chegar a este novo resultado.

Conseguir uma medição tão precisa apesar das condições exigentes presentes num colisor de hádrons como o LHC é um grande desafio, disse em comunicado o coordenador de Física da ATLAS Collaboration, Tancredi Carli.

Conseguir uma precisão similar, como se obteve anteriormente em outros colisores, com só um ano de dados (...) é notável. É uma indicação extremamente promissora da nossa capacidade para melhorar o nosso conhecimento do Modelo Padrão e buscar sinais de nova física através de uma precisão de medições, acrescentou. EFE

 

Últimas Notícias

Governo apresenta novas regras para o uso de carros oficiais
Temer diz que governo dará respostas duras e firmes ao crime organizado no Rio
A pedido de Pezão, Temer vai decretar intervenção na segurança do Rio
Polícia Civil faz levantamentos para determinar causas de acidente com ônibus
Menina de dois anos é esquecida dentro de carro e morre em Janaúba
PM apreende 110 quilos de maconha no Bairro São Geraldo
Motoristas abusam da velocidade e são flagrados pelo radar na Zona da Mata
Acidente envolvendo caminhão de gás complica volta para a casa no Belvedere

MAIS NOTICIAS

 

Em meio a racionamento, principal reservatório do DF atinge 50% de volume útil
 
 
Temer: governo vai trabalhar para que reduções da gasolina cheguem às bombas
 
 
Moreira pede ao Cade para investigar preços em postos de combustíveis
 
 
Sete escolas de samba abrem desfile hoje em São Paulo
 
 
Identificação e cuidados com a saúde garantem carnaval tranquilo para crianças
 
 
Carnaval no Sambódromo da Marquês de Sapucaí começa hoje no Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212