Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 No Rio, bloco das Mulheres Rodadas desfila contra feminicídio e assédio - Jornal Brasil em Folhas
No Rio, bloco das Mulheres Rodadas desfila contra feminicídio e assédio


A Quarta-feira de Cinzas (14) amanheceu com chuva no Rio de Janeiro, o que não impediu a saída do bloco das Mulheres Rodadas, que fez seu quarto desfile a partir do Largo do Marchado, na zona sul, em direção ao Parque do Flamengo. O primeiro bloco feminista do carnaval carioca foi para as ruas “rodar e sambar na cara do machismo, racismo e homofobia”, segundo os integrantes.

Tendo como lema os versos de Doces Bárbaros – Com amor no coração / preparamos a invasão / cheios de felicidade / Entramos na cidade amada – homens e mulheres seguiram com atabaques, sopros e muita purpurina, glitter e flores. Em pernas de pau, mulheres se vestiram de personagens da história, como Dandara, Chiquinha Gonzaga, Rita Lee, Gal Costa, Maria Bonita, Gabriela e Elke Maravilha.

No repertório, músicas como Marinheiro só (Clementina de Jesus), Alguém me avisou (Dona Ivone Lara), Ô abre alas (Chiquinha Gonzaga) e Lenda das Sereias (Marisa Monte). Uma das fundadoras do bloco, a jornalista Renata Rodrigues, lembrou que o bloco foi um dos incentivadores iniciais das campanhas contra o assédio no carnaval, que neste ano reuniu 23 blocos, em sete cidades do Brasil, para extravasar e dizer para a sociedade que quem decide sobre o corpo de uma mulher é ela.

“Antes, as mulheres estavam nos blocos em menor quantidade,. Hoje temos repercussão do que falamos, o que é uma faca dois gumes, porque quanto mais a gente aparece, mais atraí esse tipo de coisa. O problema é que você esbarra em limitações sociais, com muita gente com intolerância muito grande, e problemas do poder público, de não haver políticas de repressão. Mas isso não tem volta, a gente não vai retroceder por causa disso”.

Segundo Renata, o limite entre a cantada e o assédio é o “não”. E Não é não, como diz o lema da campanha.

“As mulheres estão mais informadas sobre isso, estão menos tolerantes. Ainda temos muito o que caminhar em relação a isso. As pessoas fazem muita confusão, é só um elogio, é só uma cantada, qual é a diferença entre assédio e cantada. E nessa suposta confusão, aproveitam para passar de vários limites. Há pouco tempo,foi divulgada uma pesquisa em que a maioria dos homens achava que mulher que está nas ruas no carnaval não pode reclamar de ser assediada. O que eu acho que melhorou foi o nível de informação e a discussão. Mas para isso ter impacto, mesmo na diminuição do número de casos, ainda vai longo tempo.”

Vestido de noiva, o ator Alê Arruda se preparava para tocar percussão com as Mulheres Rodadas. Ele disse que toca em 14 blocos e está há três com as feministas, contribuindo para a luta contra o machismo estrutural da sociedade brasileira.

“É super importante a poder ajudar nessa causa, divulgar e fazer com que as mulheres tenham os mesmos direitos, nunca menos. Já passou da hora desse momento acontecer e do machismo cair, ruir, desaparecer. Isso é cultural. Então, vira e mexe a gente se pega com um detalhe de machismo aqui e outro ali, mas estamos tentando melhorar dia após dia. Como é coisa cultural, então isso vai demorar muito tempo, mesmo até que as pessoas entendam e a cultura se transforme”.

Conscientização

Vestida de Frida Khalo, a enfermeira Niédia Melo dos Santos levou a filha Gabriela, de dois anos e meio, para rodar com as mulheres e aprender sobre a importância de uma sociedade igualitária e sem preconceitos nem intolerâncias.

“É a conscientização desde cedo, para ela ver estilo de pessoas, de grupos. Levei para o ato contra a intolerância religiosa também. Sei que ela não entende ainda, mas é para ir participando e aos poucos entender a complexidade da nossa sociedade e das pessoas”.

Niédia diz que não percebeu a diminuição do assédio, na prática, mas acha as mulheres estão mais conscientes sobre o problema. “É uma conscientização que tenho percebido por parte das mulheres. Os homens ainda estão bem resistentes, tentam questionar o porquê desse movimento, acham exagerado. E a gente vai no dia a dia tentando abrir e expandir a ideia também para os homens, para chegar junto, não afastar e tentar ter a mesma ideia de sociedade igualitária”.

Homenagem

O Bloco das Mulheres Rodadas saiu mais triste este ano. Em setembro, a integrante Márcia Benevides, que tinha se juntado ao grupo em 2017 e estava participando das oficinas de percussão para aprender a tocar agogô, foi assassinada pelo ex-companheiro, em uma briga, durante o processo de separação. “Para nós é muito chocante, porque é uma de nós. Uma de nós foi morta, ela estaria aqui hoje”, disse Renata, emocionada, explicando que a primeira música do cortejo, Folhas secas, de Nelson Cavaquinho, foi uma homenagem a Márcia, que era mangueirense.

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212